Top 10 Tarantino | 10. O fato de Big Daddy

 

<< Introdução | 9. O uniforme de colegial de Gogo Yubari >>

 

Em Django Libertado, a figurinista Sharen Davis transforma Don Johnson numa ensandecida mistura da mascote do KFC e do estilo icónico da série Miami Vice.

 

Filme em que apareceu: Django Libertado (2012)

Ator que vestiu: Don Johnson

Figurinista: Sharen Davis

 

Quentin Tarantino Django Libertado Big Daddy

Todo o guarda-roupa de Django Libertado é imensamente estilizado, procurando uma certa artificialidade energética ao estilo de alguns dos mais opulentos spaghetti westerns de outrora, ao mesmo tempo que contém em si uma panóplia de outras referências, celebrando e exacerbando o caráter de pastiche e revisionismo pós-moderno de todo o edifício do filme. Uma das imagens mais marcantes desta obra é mesmo a figura de Big Daddy, o ameaçador senhor de uma plantação que é encarnado por Don Johnson.

Lê Também: Django Libertado, em análise

Inspirando-se na própria carreira do ator, a figurinista Sharen Davis baseou o visual desta personagem nas modas popularizadas pela série Miami Vice na década de 80. Consequentemente, apesar de se apresentar com uma imagem reminiscente da realidade histórica da época retratada no filme, este fato em branco e creme tem a maravilhosa função de tornar Don Johnson numa visão caricaturada dos grandes senhores das plantações do sul dos EUA anteriormente à Guerra Civil.

Quentin Tarantino Django Libertado Big Daddy

A cereja no topo do bolo não é, no entanto, a parecença entre Big Daddy e o detetive James Crockett, mas sim o modo como Johnson parece encarnar em Django Libertado uma versão abertamente vilanesca e sanguinária da imagem do Coronel Sanders tão célebre devido aos restaurantes KFC. Assim este antagonista secundário consegue tornar-se uma das mais memoráveis presenças de todo o filme, englobando na sua imagem, os impulsos mais cartoonista e energeticamente satíricos desta primeira aventura de Quentin Tarantino pelo western.

Quentin Tarantino Django Libertado Big Daddy

 

<< Introdução | 9. O uniforme de colegial de Gogo Yubari >>

 

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *