© NOS Audiovisuais

Sofia Mirpuri | Entrevista exclusiva à jovem atriz e produtora portuguesa

Falámos em exclusivo com a atriz e produtora Sofia Mirpuri, uma jovem portuguesa que está a dar cartas nos Estados Unidos. 

Sofia Mirpuri é um nome que apesar de ainda não ser familiar a todos os espectadores não é de todo desconhecido. Falamos de uma jovem atriz e produtora portuguesa que que nos últimos tempos brilhou na longa-metragem “Alice, Nova Iorque e Outras Histórias” de Tiago Durão e foi recentemente aclamada no festival de cinema norte-americano de Filmapalooza, que decorreu em Washington D.C., com a sua curta metragem “Samanta, Má ou Santa”, vencedora de dez prémios no festival 48 Hour Film Project em Lisboa de 2021.

Sofia Mirpuri
© Story in a Box

A artista sentou-se à conversa com a Magazine.HD para contar um pouco destes projetos e também revelar o seu percurso profissional que curiosamente começou nos Estados Unidos, depois de 3 anos a estudar em Nova Iorque. Pelas forças das circunstâncias, Sofia Mirpuri chegou à conclusão que não queria ser apenas atriz, não queria ficar à espera que o trabalho aparecesse. Na verdade, sentimos que Sofia é uma jovem ambiciosa, que sabe bem o que quer e onde quer chegar, mesmo que tenha consciência das dificuldades do caminho. Sofia gosta mesmo de agir, de criar o seu próprio trabalho e fazer com que o mesmo ganhe uma equipa e consiga ver a luz ao fundo do túnel. Por muito árduo que seja, Sofia não fica a meio do caminho e vai sempre até ao fim, custe o que custar.

Na nossa entrevista com Sofia Mirpuri, a atriz e produtora disse que não estava à espera do sucesso dos seus projetos, mas sente-se bem por perceber que o seu trabalho é recompensado ou ganha alguma atenção internacional. Com muito detalhe e precisão contou-nos como decorreu a rodagem da sua curta “Samanta, Má ou Santa“, um projeto feito pré-produzido e produzido em apenas 48 horas. Apesar do medo, da insegurança e de alguma pressão, sentiu que o trabalho estava feito e que a curta conseguiu transmitir uma mensagem.

Além disso, a nossa conversa com Sofia Mirpuri ficou ainda marcada pela sua vontade em mudar o panorama de distribuição dos filmes em Portugal, no sentido de incentivar as distribuidoras a colocarem legendas nos filmes portugueses, algo que acontece em alguns países, como por exemplo, nos EUA. Esta é uma intenção sua, mas a pensar nas pessoas que, tal como ela, sofrem de incapacidade auditiva e que aponta a um cinema mais inclusivo. Uma jovem que apela à mudança e se ninguém o fizer, será ela a fazê-lo.

MHD: O teu filme “Samanta, Má ou Santa” foi criado e rodado em apenas 48 horas. Como descreverias esta experiência?

Sofia Mirpuri: Eu já tinha ouvido falar desta competição, o 48 Hour Film Project. Nunca tinha participado e uma vez, em 2021, quando estava a percorrer o feed do Instagram deparei-me com este concurso. Queria fazer qualquer coisa, além da longa-metragem “Alice, Nova Iorque e Outras Histórias“.

Como estava à procura de ideias e também de algumas dicas falei com o Diogo Barbosa, que vencera o 48 Hour Film Project no ano anterior com “A Fábrica”. Explicou-me todos os pormenores sobre o 48 Hour Film Project e fiquei entusiasmada. Acabei por convencer alguns amigos para fazer uma curta dentro desta dinâmica! O Diogo ajudou-me a encontrar os argumentistas através do Pedro Lopes, o argumentista da série “Glória” da Netflix que tinha uns bons alunos na Universidade Católica que se destacavam e juntaram-se a equipa. Rodámos num fim de semana, mas não poderíamos filmar nem organizar nada antes. Foi-nos sorteado o género do filme, um objeto, uma frase e uma personagem obrigatórios. Eu tenho a sorte de ter uma casa de família, a 25 minutos de Lisboa, e pelo menos a localização era já segura. Ali poderíamos filmar qualquer coisa! Foi uma loucura, mas muito divertido.

Samanta: Má ou Santa
© Story in a Box

MHD: Imagino que dormir tenha sido complicado?

Sofia Mirpuri: Nós gravámos sábado ao fim da tarde e até à manhã de domingo. Foi muito complicado, porque tínhamos de gravar e fazer tudo em tão pouco tempo. Não nos poderíamos atrasar nem um segundo na entrega do filme! Foi uma aventura e foi intenso. Houve quem chorasse! Apesar de ser algo tão pequeno, queríamos que a curta passasse alguma mensagem. Eu queria que o público ficasse a pensar. Pouco a pouco chegámos à história e chegámos ao título “Samanta: Má ou Santa” que foi lançado em tom de brincadeira.

Sofia Mirpuri
© NOS Audiovisuais

MHD: Além de atriz, tu também és produtora. Como nasceu a tua produtora Story in a Box e que projetos tens agarrado?

Sofia Mirpuri: Desde que fiz o “Alice, Nova Iorque e Outras Histórias” andava a pensar em criar uma produtora. Antes de tirar o meu curso em representação no Atlantic Theater Company’s Acting School fiz a minha licenciatura em Comunicação Social e Cultural na Universidade Católica Portuguesa e na altura andava a pensar num trabalho de produção. Cheguei a fazer um estágio como assistente de produção na Plural Entertainment e era uma coisa que me interessava bastante.

Eu gosto de gerir, de organizar e de arranjar soluções e sou muito desenrascada e acho que essas são características de um produtor. Depois do “Alice, Nova Iorque e Outras Histórias” produzi uma longa que vai começar agora no circuito de festivais e estou também em conversa com duas empresas para vídeos de publicidade. Estou ainda a desenvolver uma webseries e temos um guião em mão para fazer uma curta-metragem para levar a festivais que nos interessem.

MHD: Que desafios tens encontrado pelo caminho? 

Sofia Mirpuri: Uma pergunta difícil. O maior desafio é estar aprender enquanto faço. Não tenho a receita e portanto vou descobrindo à medida que vou fazendo. Os projetos que tenho feito são sempre low-budget, e o desafio é um pouco de saber como fazer bom com pouco. O “Alice, Nova Iorque e Outras Histórias” foi feito com pouco mais de 10 mil euros. O desafio tem sido perceber passo a passo como resolver cada situação em termos de financiamento. Não sabia produzir, mas fui aprendendo à medida que ia fazendo.

Vais falar com as pessoas certas, mesmo com aquelas pessoas que têm imenso para te ensinar. Acho que é importante sabermos procurar as oportunidades. Consegues muito bem enviar uma mensagem a alguém que admiras à procura de sugestões. O não é garantido, mas tens essa possibilidade sobretudo agora com as redes sociais.

MHD: Tens os desafios, mas também tens uma cabeça cheia de sonhos…

Sofia Mirpuri: Mesmo. Quando mais alto sonhámos, mais alto vais subir. Eu acredito muito nisto. Estás a apontar para um objetivo lá em cima, e vais fazer de tudo para atingi-lo. Acho que é importante termos sonhos e objetivos.

Sofia Mirpuri
© Sofia Mirpuri

MHD: Uma das coisas que fizeste nos últimos anos foi criar máscaras transparentes. Será que nos poderíamos contar um pouco desse projeto?

Sofia Mirpuri: Eu tenho um problema auditivo e lembro-me quando começou a pandemia, logo no primeiro confinamento, de ter saído à rua e não conseguia entender o que as pessoas diziam, por causa das máscaras que passaram a ser obrigatórias. Muitas vezes a minha mãe acompanhava-me para me ajudar e comecei a pensar que se isto me acontecia a mim quantas mais pessoas estavam a ser afetadas.

Quem ouve mal precisa de ler lábios e na altura eu pensei que era preciso fazer alguma coisa. Não tinha conhecimentos nenhuns de costura ou de design, mas os meus pais deram-me força e falei com uma costureira, que lá de vez em quando arranjava as bainhas à minha mãe. Fomos trabalhando em protótipos até chegarmos ao modelo que temos agora.

Inicialmente o negócio funcionava muito como passa palavra, mas a procura foi tanta que tive que passar para uma fábrica. Foi um desafio curioso, mas o objetivo disto não era criar um grande negócio. Esta foi mais uma batalha na minha luta por uma sociedade mais inclusiva. E dentro deste tópico, uma das minhas maiores bandeiras é a luta por um cinema mais inclusivo.

O nosso cinema só teria a ganhar se colocarmos legendas nos filmes portugueses que estão nas salas. Precisamos de fazer isto para chegar a mais pessoas, porque através do audiovisual consegues mudar o mundo. Quem trabalha nesta indústria deve ser um agente de mudança. A mudança começa por cada um, há que mostrar que as coisas podem mudar.

A entrevista completa com a Sofia Mirpuri pode ser ouvida brevemente no nosso podcast.

Virgílio Jesus

Era uma vez em...Portugal um amante de filmes de Hollywood (e sobre Hollywood). Jornalista e editor de conteúdos digitais em diferentes meios nacionais e internacionais, é um dos especialistas na temporada de prémios da MHD, adepto de todas as formas e loucuras fílmicas, e que está sempre pronto para dois (ou muitos mais!) dedos de conversa com várias personalidades do mundo do entretenimento.

Virgílio Jesus has 1418 posts and counting. See all posts by Virgílio Jesus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.