TOP Filmes 2016 | 10. Os Oito Odiados

2016 abriu praticamente com o regresso de Quentin Tarantino. Agora, na hora de fazer um ‘rewind’ antes de desligar as luzes, não nos podíamos esquecer do seu “Os Oito Odiados”.


<< Introdução | 9. Deadpool >>


Foi um imbróglio dos diabos até Quentin Tarantino colocar ao nosso dispor o seu mais recente sanguinário deleite. “Os Oito Odiados” teve produção anunciada em novembro de 2013 mas um leak da versão integral do argumento levou Tarantino a cancelar o projeto.

Felizmente, após um live-reading do argumento, o realizador mudou de ideias e decidiu iniciar a produção no início de 2015, cerca de um ano após o seu cancelamento. O resto da história já toda a gente conhece: um caçador de recompensas, uma prisioneira, um mexicano, um cowboy, um ex-general confederado, um executor de Red Rock, um xerife e um homem pequeno entram num bar. Depois de muito parlapier (chafurdado de humor negro), há o bang! bang! bang! da praxe e o sangue jorra entusiasticamente por todos os cantos da estalagem da pobre Minnie (que Deus a tenha em eterno descanso).

Mas esta descrição pueril da última carnificina de Tarantino não justifica a per si a presença de “Os Oito Odiados” no TOP anual de Cinema da Magazine.HD, sobretudo numa altura em que, ao oitavo filme, as cartadas de mestre parecem – aos olhos de muitos – estar desprovidas de inovação e afetadas pelo síndrome “mais do mesmo“. Permitam-nos discordar desse exaustão mais ou menos generalizada face ao cinema de Tarantino.

hateful_eight

Vê também: Os Oito Odiados, Mini-Crítica

Bebendo influências de John Ford e Sergio Leone e autorreferenciando-se a cada frame, Tarantino condensou a irreverente história Americana – e a sua – num saloon que deixaria Nicholas Ray e Brian De Palma orgulhosos. No fundo, “Os Oito Odiados” é só um portentoso manifesto político e sociológico de uma América em crise. Ou ainda, se quisermos, um requintado conto macabro oriundo da parte do cérebro de Tarantino que pensa como Agatha Christie

Filmado e exibido em 70mm num roadshow à moda antiga e com uma abertura e um intervalo espampanantes, “Os Oito Odiados” prova também que Tarantino é um inovador por excelência. Mesmo que isso signifique regressar à nostalgia do passado.

(E aquela banda sonora de Ennio Morricone? Já não se faz disto hoje em dia.)

Os Oito Odiados é o 10º melhor filme do ano para a Magazine.HD. O que é que pode ser melhor que o último filme de Quentin Tarantino? Descobre!


<< Introdução9. Deadpool >>


 

Daniel E.S.Rodrigues

Sonho como se estivesse num filme de Wes Anderson, mas na verdade vivo no universo neurótico de Woody Allen. Sou obcecado pela temporada de prémios, e gostaria de ter seguido a carreira de cartomante para poder acertar em todas as previsões dos Óscares, Globos de Ouro (da SIC), Razzies, Troféus TV7 Dias e Corpo do Ano Men's Health. Mas, nesse universo neurótico e imperfeito em que me insiro, acabei por me tornar engenheiro. Sigam-me no Instagram para mais bitaites sobre Cinema, Música, Fotografia e outras coisas desinteressantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *