Hyper Knights (PC) | Análise

Divertido e viciante, Hyper Knights é um jogo de estratégia que leva o jogador numa batalha pela reconquista do seu território, garantindo algumas horas de diversão!

hyper knights  

Classificação 

Enredo
Jogabilidade
Gráficos
Som
Nota Final

 

Lançado este ano em early acess, Hyper Knights coloca o jogador na pele de um lorde que perde o território. Para recuperar o que lhe fora roubado terá de juntar o seu pequeno exército, derrotar os terríveis Knights e enfrentar vários desafios.

Confere ainda: Resident Evil 7 (PS4), em análise

O desafio principal é o de manter as conquistas, uma vez que, os Knights inimigos estarão sempre a atacar as secções do mapa capturadas. Desta forma é possível que o jogador regresse de uma pausa para descobrir que o previamente conquistado fora recapturado. Os Knights são uma espécie de “boss” que se movem de forma independente pelo mapa. Eles defendem e atacam as áreas para as quais estão destacados, podendo ainda auxiliar nas batalhas de captura das aldeias, outposts e castelos, necessárias à conquista das secções.

hyper knights

O jogador pode adquirir Knights inimigos conforme vai avançando no mapa, colocando-os à defesa ou ao ataque. Para além destes, o exército pode ser aumentado pela compra de skills e de mercenários. Chegamos ao primeiro e único recurso do jogo, o ouro. Ganho pela participação em batalhas e pela conquista, ele serve principalmente para adquirir mercenários e fazer upgrade ás aldeias, outposts e castelos.

Lê ainda: Final Fantasy XV (PS4) | Análise

Curiosamente a independência dos Knights e a forma como os soldados permanecem em movimento (sendo transferidos de local em local para preencher as falhas após um ataque ou depois de um dos Knights ter recrutado soldados em falta), tornam Hyper Knights numa experiência dinâmica e viva. Apesar de ser singleplayer, o título transmite uma sensação de cooperativismo entre as várias partes do exército, como se todos trabalhassem para o mesmo fim. O lorde fica então encarregue da maioria dos ataques mas também de proteger secções recém-conquistadas e que ainda não possuem grande número de soldados, e de contratar mercenários, entre outras funções igualmente importantes.

hyper knights

Quanto ao gameplay, este é focado em combinações de botões/teclas. É preciso ter contudo atenção na recomendação do comando para jogar pelo que com o teclado a movimentação é mais difícil, especialmente pela inexistência da seta do rato. Regressando aos ataques, cada combinação corresponde a diferentes acções e skills, incluindo recuperação de HP, ataques aoe e stun, entre outros. Com o avançar no mapa, derrotar Knights e soldados inimigos requer combinações mais elaboradas.

Lê também: Batman: The Telltale Series – Episódio 5 Final (PS4) | Análise

Sendo o único com respawn, ataques especiais e elevado HP, o lorde tem de liderar e proteger os seus homens. Nos outposts e nas villages, por exemplo, o jogador tem de escolher quais as áreas a atacar primeiro, destacando unidades para determinadas partes do mapa. Durante os conflitos é importante também escolher Knights para auxiliar na batalha e garantir uma vitória já que os Knights inimigos farão o mesmo.

ESTE É HYPER KNIGHTS

No final, o campo de batalha pode chegar a um total de 400/500 soldados (ou mais), tornando Hyper Knights numa experiência épica, ao som de uma energética banda sonora. Fica o desejo de ver este título com um mapa ainda maior e quiçá, um modo online.

Pontos Fortes:

  • Exército vivo que auxilia o jogador
  • Sistema de upgrade das secções e do exército

Ponto Fraco:

  • “Obrigação” no uso do comando pelo que o teclado dificulta em muito a jogabilidade e navegação pelo mapa.

HARDWARE USADO PELA MHD PARA TESTES DE JOGOS

PS4:

  • PlayStation 4 Glacier White
  • DualShock 4 White
  • Razer Leviathan Sound System

PC:

  • Headphones Razer Carcharias
  • Keyboard Razer Epic Chroma
  • Mouse Razer Naga Epic Chroma

Se gostas de batalhas e de jogos de estratégia não podes deixar de experimentar Hyper Knights, à venda na Steam!



Sobre Ângela Costa

Mestre em Cinema pela Universidade da Beira-Interior e apaixonada por cinema japonês e videojogos!