Absolutely Free lançam “Still Life”

A banda de pop progressivo Absolutely Free partilhou hoje “Still Life”, o seu primeiro single em quatro anos. Ouve-o aqui.

Já podemos ouvir a nova sonoridade musical que a banda de Toronto adquiriu ao longo dos quatro longos anos que passaram desde o lançamento do seu homónimo disco de estreia. Mais acessível do que o seu anterior trabalho, o novo single situa-se algures entre o disco e a pop de câmara, só para que o psicadelismo, presente ao de leve desde o início, vá tomando progressivamente conta do tema, até se apoderar dele por completo.

Absolutely Free - Still Life
Capa de “Still Life”

Os Absolutely Free, compostos actualmente por Mike Claxton, Matt King e Moshe Rozenberg, ressurgiram das cinzas da antiga banda de punk artístico e música abstracta DD/MM/YYYY. Depois de lançarem dois EPs, o seu álbum de estreia Absolutely Free, lançado em 2014, foi nomeado para o canadiano Polaris Music Prize. Desde então, os Absolutely Free compuseram bandas sonoras para um filme e várias curtas-metragens, tendo andado em digressão com as bandas Alvvays e Preoccupations.

Lê Também:
"Lonely Man of Winter" de Sufjan Stevens é finalmente lançada

“Still Life” abre com a secção rítmica, à qual se junta depois a guitarra, os sintetizadores e, por fim, a voz de Matt King. Nas mãos do produtor Jorge Elbrecht (Ariel Pink), juntando ritmos electrónicos metronímicos dos anos 80 e melodias que oscilam entre a sonoridade new wave e o psicadelismo da década de 60, a canção vai crescendo e acelerando, até se tornar etérea e estonteante, sem nunca perder contudo o pé.

O vídeo de Christina Battle acompanha este ritmo, mostrando imagens aleatórias de catástrofes, casas abandonadas e fósseis, intercalando-as com frases que nos instam a parar, a olhar para o futuro, porque “The Future is a distorted Landscape”. Este vídeo expande a angústia pessoal vocalizada por Matt King, aplicando-a a temas globais. Segundo a banda:

A canção explora sentimentos de desgaste e paralisia causados pelo progresso, de estagnação social e pessoal. É sobre quebrar com os padrões da natureza morta, definida por formas de inacção cíclicas e repetidas e por modos previsíveis de conformismo.

ABSOLUTELY FREE | “STILL LIFE”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *