© Teatro do Bairro | Troianas

Agosto no teatro: Lisboa

Como é já habitual, agosto no teatro é uma época difícil já que a oferta é escassa. Apesar disso trazemos-te um par de sugestões para te fazer sair de casa

Este é o mês em que toda a gente está de férias. Se por causa disso pensas que podes dedicar mais tempo para ir ao teatro, receamos dizer-te que poderás estar enganado. Tal como tu as casas de espectáculos, seus criativos e técnicos tiram também algum tempo de folga: seja para o descanso anual, ou para trabalhar nas produções futuras e finalizar questões relacionadas com a próxima temporada.

Apesar disso, temos um par de sugestões de entre o que podes ver no mês de agosto no teatro, em Lisboa:

Lê Também:   A emancipação do ser sem braços, crescimento a olhos vistos

Fazemos a pesquisa, lemos, vemos e falamos sobre teatro. Tudo para que possamos sair de casa sem nos perdermos no barulho publicitário feito por uma mão cheia de espectáculos (fazendo com que nos esqueçamos de outros), ou simplesmente para sairmos da nossa zona de conforto.

AGOSTO NO TEATRO | TROIANAS

© Teatro do Bairro | Troianas

Troianas de Eurípedes é hoje, como no século V a.C., quando foi escrita e representada, o grande lamento sobre a tragédia da Guerra e das suas consequências eternas: a destruição, a morte, a perda, a servidão, o exílio, a errância. Tróia foi invadida pelos exércitos gregos, conquistada, incendiada. Diante das suas muralhas em chamas, as troianas escravizadas e Hécuba, a sua Rainha, esperam ser levadas pelos seus novos senhores para a Grécia. Choram os seus mortos e o seu destino injusto. Helena, também cativa, será levada de novo a Esparta e continuará a reinar. Hécuba perdeu tudo: os filhos, o marido, o seu país. E é sobre a fundamental injustiça da guerra que os humanos cometem por motivos triviais que Eurípedes constrói a sua tragédia.

Uma produção do Teatro do Bairro/Ar de Filmes e encenação de António Pires a partir de Eurípedes estará nas ruínas e museu arqueológico do Carmo de 31 de julho a 17 de agosto. De segundas a sábados às 21h30, com bilhetes a 16€, com também descontos que reduzem o preço dos bilhetes para 12€ e 8€. É possível fazer reservas a partir do número de telefone 913 211 263 entre as 15h e as 19h. A partir de 30 de julho será instalada uma bilheteira no largo do Carmo, cujo horário de funcionamento será das 15h e as 19h.




AGOSTO NO TEATRO | MÁRIO

© Cinema S. Jorge | Mário

Mário é um monólogo musical onde um actor conta, canta e dança a história dum rapaz da Cruz de Pau que nos anos 20 do século passado sonhou ser bailarino. Foge de casa dos pais aos oito anos e chega a Lisboa pouco tempo antes do 28 de Maio de 1926. Era, então, um menino que se sentia diferente, ostracizado pela família, mas bem consigo próprio. É obrigado a crescer rapidamente. As desilusões e as adversidades que enfrenta não o desviam um milímetro do seu intuito de fazer parte do mundo da Dança. Consegue-o. Depois de muita humilhação, muito sofrimento e sobretudo muito trabalho, faz-se um grande bailarino, quer em Portugal, quer no estrangeiro, onde passa parte da Segunda Guerra Mundial. Mas sua feminilidade e o seu desejo crescente de se assumir como mulher, de se travestir, trazem-lhe constantes problemas com as autoridades policiais. É isso que o faz fugir de terra em terra. Regressa a Portugal no Pós-Guerra e em pouco tempo é preso por atentado à moral pública e aos bons costumes vigentes. É encarcerado no Hospital Miguel Bombarda para “tratamento”, onde é obrigado a passar o resto da vida.

Partindo da notícia do jornal Público “O Estado Novo dizia que não havia homossexuais, mas perseguia-os” (pelas mãos de São José Almeida) onde era relatada nomeadamente a vivência do bailarino Valentim de Barros, Fernando Heitor ficcionou e encenou “Mário”. A peça estará na sala 2 do cinema S. Jorge de dia 8 de agosto a 1 de setembro. Quintas a domingos às 19h com apresentações extra aos sábados às 22h e os bilhetes terão o peço único de 10€.

Lê Também:   Subscreve a Newsletter MHD


Também do teu Interesse:


About The Author


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *