Quase lançados diretamente em DVD

 

No seu fim-de-semana de estreia nos Estados Unidos, “Aviões” foi a terceira melhor estreia da semana – atrás de “Elysium” e “Trip de Família” – rendendo 23 milhões de dólares. Com um orçamento de 50 milhões (uma pechincha ao lado dos 200 milhões que custou a fazer “Carros 2”), os resultados acabaram por não ser maus para um spin-off originalmente pensado para ser lançado diretamente em DVD.

Mas “Aviões” não é caso único – outros filmes estiveram à beira do lançamento direto para vídeo mas um golpe de sorte acabou por lhes dar lugar em sala, tornando-se assim em grandes sucessos críticos e de bilheteira. Eis os 10 exemplos recentes mais enigmáticos:
 

1. “Quem quer ser Bilionário?”

Depois da Warner Independent Films fechar, o filme de Danny Boyle esteve à beira de ser lançado diretamente em DVD. Felizmente, a Foz Searchlight absorveu metade dos custos de distribuição e além dos 377 milhões de dólares que acabou por render em sala, o filme acabou por ganhar oito Óscares.
 

2. “Taken – Busca Implacável”

Neste caso, o plano nunca foi o lançamento em DVD, mas Liam Neeson não pensava da mesma forma: “era uma história muito simples de um homem a tentar salvar a filha, mas pensei que fosse direto para vídeo”. O ator irlandês estava redondamente enganado.

 

3. “Donnie Darko”

O orçamento de 4,5 milhões de dólares não obteve grande retorno com ganhos que acabaram por não ultrapassar os 7,5 milhões de dólares em todo o mundo. Foi a empresa de Drew Barrymore que o salvou do lançamento direto para DVD, estreando-o em sala uma semana depois do 11 de Setembro. Curiosamente, o filme acabou por chegar rapidamente aos 10 milhões de dólares quando lançado em DVD.

 

4. “Velocidade Furiosa”

Depois de uma performance abaixo das expectativas de “Velocidade Furiosa – Ligação Tóquio”, o franchise esteve prestes a seguir os passos de “American Pie” e tornar-se uma saga com lançamentos diretos para vídeo. Contudo, depois de Vin Diesel ter regresso garantido, o estúdio mudou de ideias e o quarto filme acabou por ser a plataforma para o renascimento da saga.

 

5. “Toy Story 2”

A ideia original era lançar uma sequela de “Toy Story” em vídeo, que estava, inclusive, a ser produzida num espaço à parte dos escritórios principais da Pixar (onde uma grande equipa estava a desenvolver “Uma Vida de Inseto”), mas a produtora mudou rapidamente de ideias quando os primeiros reels se mostraram promissores. John Lasseter repensou o enredo e adaptou-o para um lançamento cinematográfico e o filme acabou por fazer 485 milhões de dólares.

 

6. “Crazy Heart”

Já estava na prateleira pronto a ser lançado nas lojas, especialmente devido ao arco narrativo cliché, quando a Fox Searchlight resolveu apostar nele devido à banda-sonora e à performance de Jeff Bridges. O ator e uma das músicas originais acabaram por ganhar Óscares em 2010, gerando ainda um lucro em sala de cerca de 40 milhões de dólares.

 

7. “The Tigger Movie”

Antes de ser o lançamento em Cinema de maior sucesso da saga “Winnie the Pooh”, “The Tigger Movie” tinha o destino traçado no vídeo, mas teve a sua oportunidade depois da Disney decidir dar-lhe uma oportunidade fruto de uma excelente banda sonora dos Sherman Brothers.

 

8. “O Gato das Botas”

Originalmente, a Dreamworks posicionou o spin-off para lançamento em vídeo em produção depois de “Shrek 2”, em 2008. Todavia, e depois do sucesso da personagem em filmes futuros, o filme foi reconstruído para lançamento em sala em 2011, gerando mais de 500 milhões de dólares.

 

9. “Saw”

Depois de uma boa receção do festival de Sundance, a Lionsgate resolveu dar uma oportunidade a um dos seus títulos com previsão de lançamento em vídeo. Sete filmes depois, os ganhos são superiores a 870 milhões de dólares.

 

10. “Aviões”

O plano era lançá-lo diretamente em vídeo, mas a Disney gostou tanto da animação que resolveu lançá-lo este verão.

 

 Fonte: pajiba.com

 

Catarina Oliveira

Licenciada em Ciências da Comunicação e com formação complementar em Design Gráfico, além de editora e diretora criativa da MHD é também uma das sócias fundadoras da mais recente face da empresa. Colaboradora de Cinema na Vogue Portugal. Gestora de conteúdo na Lava Surf Culture e NOS Empresas - Criar uma Empresa. Autora do blog de Cinema Close-Up.