A evolução do uniforme de Batman no cinema e TV

Desde a sua estreia cinematográfica em 1943, que Batman e seu uniforme têm vindo a ter numerosas variações, evoluindo da sensibilidade camp encarnada por Adam West ao negro “realismo” dos filmes realizados por Christopher Nolan e Zach Snyder.

O uniforme de Batman, o Batsuit, é dos figurinos mais icónicos no cânone da cultura pop contemporânea, sendo que já teve variadas versões, desde a primeira vez que o herói chegou às salas de cinema até aos dias de hoje, abrangendo uma história de mais de 70 anos. Para o efeito deste artigo, iremos focar-nos somente nos figurinos fisicamente concebidos para versões filmadas de Batman, pelo que a aparência do Batsuit nos livros de banda-desenhada ou na gloriosa série de animação dos anos 90 estão postos de parte.

 


 

OS SERIADOS E FILMES DE BAIXO ORÇAMENTO

 

Nos anos 40, Batman fez a sua entrada no mundo do cinema com uma série de curtas-metragens que funcionavam quase da mesma maneira que uma moderna série de televisão, um seriado. Para esta primeira concretização do figurino do justiceiro noturno de Gotham City, os cineastas basearam-se na versão que vingava nos livros da época, com uma importante distinção. Enquanto nos comics, a capa e o capuz do Batsuit eram apenas uma peça, neste primeiro figurino eram separados. Com um minúsculo orçamento, uma enorme falta de importância dada ao cinema de super-heróis na época, e recursos limitados, a fatiota de The Batman é um pouco triste de se ver, com partes do figurino a saltarem durante as cenas de ação e uma clara falta de praticabilidade a afetar o trabalho do ator.

Batman

Em 1949, o seriado original teve uma sequela, Batman & Robin, e o Batsuit teve um ligeiro update. A capa e o capuz foram bastante melhorados e tornados mais rígidos, conferindo alguma estabilidade ao figurino. No entanto, a estética da época mesclada com os problemas de recursos, fazem deste Batsuit mais um peculiar desapontamento.

Batman

Passados quase 20 anos, o cavaleiro das trevas foi adaptado novamente, desta vez para a televisão e a cores. Esta versão da personagem, encarnado por Adam West, é muito mais cómica do que o sério e atormentado anti-herói em que Batman se veio a transformar com os anos. Consequentemente, o fato de West é muito colorido, com tecidos brilhantes e vistosos, assim como sobrancelhas desenhadas na máscara de Batman a salientarem a sua expressividade jocosa.

Lê Também:
Zöe Kravitz | Depois de X-Men, chega Catwoman

Batman

 

Lê Também: Daredevil | Primeiras impressões da segunda temporada

 


 

BURTON E SCHUMACHER NOS ANOS 90

 

Batman

Em 1989, o primeiro filme de Batman a ser dirigido por Tim Burton baseou muito do seu visual, tal como a maior parte da filmografia do autor, no legado do Expressionismo Alemão, resultando num Batsuit negro, de forma rígida, levemente exagerada no que diz respeito à musculatura. O fato possui um capuz escultórico e severo, de tal modo estilizado que era impossível para Michael Keaton virar o seu pescoço dentro do figurino. Batman passou a ser um vigilante de armadura preta, ao invés de um bonacheirão herói vestido com um colorido fato elástico e em Batman Regressa, Burton adotou uma estética mais geométrica, como que procurando o estilo de filmes alemães nos últimos anos de cinema antes de 1933, resultando num novo Batsuit.

Batman regressa

Do expressionismo negro e operático de Burton, Batman passou para as mãos de Joel Schumacher, um realizador que preferiu uma estética mais cómica e hiperbólica, transformando os filmes do herói mascarado em autênticos cartoons vivos.

Batman para sempre

Batman para Sempre

Batman para Sempre, de 1995, mostrou-nos dois Batsuits, envergados por Val Kilmer, e em que a musculatura esculpida no uniforme ganhou níveis de espetáculo cada vez mais exagerados, assim como alguns floreados geométricos mais severos para a versão sonar que se vê perto do fim do filme. Em 1997, o catastrófico Batman & Robin trouxe consigo um novo ator, George Clooney, e mais dois Batsuits, um deles uma maravilha técnica de articulação escultórica e outro, uma versão idealizada para aguentar as temperaturas glaciais e em que a paleta cromática empregou tons de azul e prata, como que retornando um pouco às cores originais dos comics.

Batman & Robin

É claro que os mais falados elementos dos uniformes da era Schumacher não são propriamente o capuz ou as articulações dos fatos, mas sim alguns dos detalhes anatómicos, nomeadamente os infames mamilos que foram acrescentados aos peitorais da armadura principal de ambos os filmes. Para além disso, em Batman & Robin, existem planos que fazem questão de salientar elementos como um fecho posicionado de modo a salientar a volumetria do traseiro de George Clooney.

Batman & Robin

 

Vê Também: E se Tim Burton realizasse os filmes da Disney?

 

Lê Também:
Batman, de Matt Reeves, apresenta o seu vilão

 

NOLAN E SNYDER, O BATMAN DO SÉCULO XXI

 

Batman o Início

Com Christopher Nolan veio uma estética que fugiu aos devaneios estilizados de Burton e Schumacher, preferindo um visual mais “realista”. Na verdade, a criação do Batsuit e sua racional justificação são uma parte essencial da narrativa de Batman – O Início, com o fato a ser inspirado e construído a partir de elementos ninjas, militaristas e até de equipamento de escalada. Na concretização prática deste fato, a figurinista Lindy Hemming continuou a empregar as técnicas de borracha esculpida e moldada que foram previamente usados pelos filmes dos anos 90, mas o resultado final é bastante distinto.

Batman O cavaleiro das Trevas

Para O Cavaleiro das Trevas e sua final sequela, Nolan e Hemming reinventarem de novo o Batsuit, construindo uma armadura articulada com o intuito de possibilitar o máximo de liberdade de movimento que conseguissem. Este fato é um pequeno milagre de engenharia aplicada ao design de figurinos, e, pela primeira vez desde os tempos de Adam West, Batman foi capaz de virar a sua cabeça sem a acompanhar com o resto do corpo.

Batman v Super-Homem

No recente Batman v Super-Homem, Ben Affleck segue Christian Bale como Bruce Wayne e seu justiceiro alter-ego, e Zach Snyder segue Nolan, continuando a empregar a sua estética pseudo realista, mas com um toque da negrura hiperbólica que tem caracterizado a oeuvre deste autor de blockbusters. Para Affleck, o figurinista Michael Wilkinson concebeu dois Batsuits.

Lê Ainda: Batman v Super-Homem: O Despertar da Justiça, em análise

O primeiro é um inesperado retorno ao esquema cromático de cinzento e preto que tinha praticamente desaparecido com a popularidade do Batman de Tim Burton e, ao contrário do segundo uniforme dos filmes de Nolan, a flexibilidade foi posta de parte em prol da criação de uma silhueta imponente e ameaçadora. Isso apenas se torna mais exacerbado, na versão mecha do uniforme, em que a condição do Batsuit como uma armadura se torna inegável e exagerada ao ponto de paródia, não fosse este um épico de Snyder e consequentemente desprovido de um sentido de humor.

Batman v Super-homem

Que outras inovações e bizarros designs esperam Batman no futuro? Será que a estética de Snyder se vai manter, ou o Batsuit depressa vai receber mais uma reinvenção? Apenas os próximos filmes do herói o irão confirmar.


 

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *