Berlinale 67: Mais um Urso Português

‘Pequena Cidade’ do realizador português Diogo Costa Amarante ganhou o Urso de Ouro para curta-metragem. O filme ‘On Body and Soul’, da húngara Ildiko Enyedi, uma bela e subtil história de amor entre dois seres incomuns, ganhou o Urso de Ouro da Competição principal.

Diogo Costa Amarante
O realizador português recebe o Urso de Ouro.

Com quatro curtas portuguesas a competir no concurso Berlinale Shorts (ganha em 2012 por João Salaviza com Rafa e o ano passado por Leonor Teles com Balada de Um Batráquio), tínhamos cerca de vinte por cento de hipóteses de trazer um Urso ou no mínimo uma menção honrosa. A surpresa foi que acabou por ganhar aquela que talvez, fosse a curta menos credenciada, segundo a crítica, e a que teria menos hipóteses.

Diogo Costa Amarante
‘Cidade Pequena’, de Diogo Costa Amarante.

Cidade Pequena, de Diogo Costa Amarante, foi um filme que até passou quase despercebido — foi arrasado por alguma crítica nacional mesmo — na Curtas Vila do Conde 2016. E como em casa de ferreiros espeto de pau, acabou mesmo por ser o Urso de Ouro da Berlinale 2017, sem grandes discursos e apenas com a inevitável surpresa do realizador, e consagrando o cinema português em tempo de polémicas.

Vê a cerimónia de prémios da Berlinale 2017

Cidade Pequena, é um filme íntimo, pessoal ou melhor familiar — os protagonistas são o sobrinho e a irmã do realizador Diogo Costa Amarante, — visualmente muito bonito e vivo na cor e na paisagem e que portanto foge um pouco aos lugares e personagens escuras e lugrebes do cinema português. De qualquer modo as quatro curtas portuguesas Coup de Grace, de Salomé Lamas, Altas Cidades das Ossadas de João Salaviza, e Os Humores Artificias, de Grabriel Abrantes — esta ganhou do júri não oficial a possibilidade de integrar as candidatas a EFA de Melhor Curta Europeia 2017 — eram todas muitos boas e demonstram sem dúvida uma multiplicidade de formas estéticas e narrativas, que vão certamente enriquecer o cinema português no futuro, inclusive ao nível das longas-metragens.

'On the Body and Soul'
O Urso de Ouro para o filme ‘On the Body and Soul’.

Quanto ao Urso de Ouro, On Body and Soul, da húngara Ildiko Enyedi, não foi de todo uma surpresa, porque um dos filmes melhores em competição. É um filme que impressiona pela sua matriz psicológica e porque é uma bela e subtil história de amor entre dois seres incomuns, muito bem interpretados pelos actores Alexandra Borbély e Géza Morcsányi. Um filme a ter em conta na temporada europeia de cinema. 

Vê crítica de ‘On Body and Soul’ na Berlinale 2017 

À partida todos os filmes que estavam na lista dos favoritos acabaram por ser todos premiados. As surpresas foram para o filme africano sobre a cantora Felicité de Alan Gomis (Grande Prémio do Júri), Pokot, o thriller ecologista e vegetariano da veterana Agniezska Holland (Prémio Alfred Bauer que abre Novas Perspectivas Artísticas) e para os dois actores: a bela e expressiva coreana Kim Minhee por On the Beach at Night Long, de Hong Sangsoo e para o estranho alemão Georg Friedrich, de Bright Nights, de Thomas Arslan, actor que participa também em Wilde Mouse, do austríaco Josef Hader, igualmente na competição.

Vê e baixa lista de premiados na Berlinale 2017 

De resto não foi uma competição de mão cheia e não apareceu nenhum filme capaz de rasgar novos horizontes. Vamos esperar por Cannes 2017.

JVM em Berlim

Lê Também:   Grand Tour: Em Busca do Amor Perdido plena Croisette

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *