"Black Mother" | © LEFFEST

LEFFEST ’19 | Black Mother, em análise

Black Mother” de Khalik Allah é um poderoso documentário e um dos maiores destaques do ciclo Looking for Homeland da 13ª edição do Lisbon & Sintra Film Festival.

O traduzir da emoção, o cristalizar da memória e a materialização do sonho. Muita é a arte que se dedica a tais afazeres, raramente cumprindo-os na plenitude. No cinema, muita é a poesia audiovisual que é feita em nome desses objetivos. Normalmente, a narrativa é o caminho mais fácil, dando ao espectador e ao cineasta o prisma de personagens e enredos para filtrar as realidades humanas e lhes dar forma. Isso é a convenção, mas está longe de ser a única opção do artista empenhado. Também há, pois claro, a via mais arriscada e imprevisível, quando a ambição se cruza com o engenho por testar e chegamos ao experimentalismo.

Aqui pela MHD, raramente falamos de cinema experimental. Julgá-lo através dos mesmos critérios aplicados a objetos mais tradicionais parece-nos um exercício em injustiça generalizada. Para nada se dizer da futilidade de tais tentativas críticas. Contudo, de vez em quando, lá surge um filme que exige ser explorado e falado, que demanda a nossa atenção e se recusa a largá-la até termos cantado o seu elogio e tentado o evangelho do leitor. Foi isso mesmo que aconteceu com “Black Mother”, um dos poucos documentários programados no LEFFEST e uma das suas mais brilhantes joias cinematográficas também.

leffest black mother critica
© LEFFEST

Na interseção do batismo e do retrato antropográfico, do lirismo e da documentação de histórias coletivas, este é um objeto tão multidimensional quanto difícil de explicar. Trata-se da terceira longa-metragem de Khalik Allah, um consagrado fotógrafo americano, que aqui se propõe a fazer a homenagem da nação jamaicana, sua cultura, seu povo e suas mães. O olho de fotógrafo do realizador é de louvar e faz-se sentir através de toda a obra. Quando a câmara deambula por ruas caribes, sem aparente rumo, as imagens são de uma beleza extraordinária. Um simples grande plano é toda uma sinfonia de cores matizadas e texturas granulosas. Uma missa é uma tempestade de sonoridades caóticas.

De facto, a qualidade imagética é algo que “Black Mother” está sempre a realçar e sublinhar, suas variações técnicas uma constante chamada de atenção às proezas que ocorrem atrás da câmara. Allah mistura o documentário filmado em estilo livre pelas ruas com entrevistas mais encenadas. Pelo meio, inclui tableaux simbólicos e interlúdios poéticos. No entanto, sempre que pensamos que entendemos o jogo, um golpe estilístico desestabiliza o engenho sem, no entanto, trair a coerência dos seus argumentos. É um filme na corda bamba, um filme que nela salta e vacila, mas nunca cai e assim nos conquista os mais intensos dos aplausos.

Lê Também:
A Volta ao Mundo em 80 Filmes

Tais variações estruturais são uma questão da montagem e do guião, mas até a fotografia varia com o frenesim de um artista inebriado pela sua mesma inspiração. Falámos do grão dos retratos urbanos, mas nada ainda referimos dos espicaçares de limpidez digital. O analógico e o virtual dançam e trocam o passo um ao outro, fazendo de imagens da mesma pessoa experiências visuais distintas. Isso reflete a própria plasticidade ideológica deste retrato de imensa franqueza. A mesma voz pode-nos compor todo um manifesto sobre os tremores da história e, um minuto depois, deixar-se levar por xenofobias feias. No mesmo gesto se faz a celebração da mais conservadora das matriarcas e se celebra a autonomia de pensamento de uma prostituta marginalizada.

Allah adora os seus sujeitos, mas também não esconde suas arestas mais vivas. No meio de toda esta humanidade filmada, a mãe preta é quem reclama o direito de titular a obra e é através do corpo feminino que o filme começa e acaba. É esse corpo que teima a dar forma ao que podia ser amorfo. É o corpo e é a mãe, a mulher em espírito e fecundidade, que aqui ajudam observações aparentemente dispersas a se entrelaçarem num discurso singular. A mãe preta é quem fez nascer os jamaicanos e quem amamenta um filme que, no píncaro do génio ou da insanidade, parece querer resumir tudo o que é ser desse país, toda a sua beleza e complicada humanidade em 77 minutos de incessante estímulo audiovisual.

black mother critica leffest
© LEFFEST

Esse mesmo vigor de vontade e de informação, faz com que os devaneios meio abstratos do filme nunca cansem ou entediem. Raro é o documentário experimental que pode louvar-se de tais méritos, mas “Black Mother” é uma genuína peça de entretenimento. Mesmo que esqueçamos assuntos de intelectualidade pretensiosa, há uma corrente emocional forte que nos captura o olho e exalta os ânimos. Há sentimento forte e há aquela já referida montanha-russa de escolhas formais. Há a velocidade de ideias sobrepostas e a beleza esmagadora de centenas de caras a brilharem na tela e a pedirem que as olhemos como seres humanos e como ícones de uma pintura épica.

Nem tudo funciona sem mácula, mas assim é o fado de todo o experimentalismo deste calibre. Algumas das brincadeiras sonoras são mais irritantes que inspiradoras e a manipulação dos aspetos e formatos do enquadramento tendem a trair a fricção fluida que os vários registos proporcionam apesar da sua diversidade. No entanto, isso são questões menores e “Black Mother” muito ofusca as suas fragilidades com uma qualidade tão luminosa que nos faz bradar aos céus que o cinema está mais vivo que nunca e na sua glória máxima. Viva “Black Mother” e sua audácia, viva as pessoas que nela são retratadas e o cineasta genial que nos proporcionou tal maravilha. Obrigado Khalik Allah.

Black Mother, em análise
black mother critica leffest

Movie title: Black Mother

Date published: 2019-11-23

Director(s): Khalik Allah

Genre: Documentário, 2019, 77 min

  • Cláudio Alves - 90
90

CONCLUSÃO:

“Black Mother” é uma tapeçaria de rostos e religião, de espiritualidade e nacionalismo queimado. É uma homenagem e um retrato realista, uma canção indefinida e um tratado concreto. A Jamaica é a mãe preta e sua crença, seu corpo e sua beleza. “Black Mother” é cinema em toda a sua glória.

O MELHOR:
O primor fotográfico de todo o filme, especialmente as entrevistas na rua.

O PIOR: A brevidade é uma bênção, mas, face a tamanha maravilha de cinema, também pode ser frustrante. Queremos mais “Black Mother”, mais deste tipo de expressão artística em queda livre num poço de criatividade astúcia documental.

CA

Sending
User Review
4 (1 vote)
Comments Rating 5 (1 review)

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sending