Charlie e Bumblebee

Bumblebee, em análise

Bumblebee é uma maravilhosa aventura nostálgica, que ganha por se conseguir distanciar da restante saga assinada por Michael Bay.

“Bumblebee” chegou para mudar a nossa perspectiva do franchise enlatado da Paramount. Depois de cinco orgias destrutivas, Michael Bay recua para a produção, deixando Travis Knight assumir as rédeas. O resultado é uma aventura nostálgica que, ao contrário dos restantes “Tranformers,” tem personagens e conflitos que evoluem com a linha narrativa. Os combates metálicos dão lugar a um divertido filme para toda a família, com uma boa dose de emoção e humor.

Lê Também:
12 Elencos que se destacaram no cinema em 2018

Passado duas décadas antes do primeiro “Transformers,” em 1987, o filme começa com a guerra em Cybertron. Quando Optimus Prime (Peter Cullen) e a sua resistência de Autobots tentam escapar aos Decepticons, Optimus decide enviar o seu soldado B-127, mais tarde baptizado de Bumblebee (Dylan O’Brien), para a Terra. No entanto, mal aterra na Califórnia, o Autobot é confrontado por soldados humanos liderados pelo Agente Burns (John Cena) e, para agravar a situação, um Decepticon seguiu-o. Bumblebee consegue escapar a ambos, mas acaba por perder a sua voz e grande parte da memória no processo. Antes de perder a consciência, transforma-se num VW Bug, que mais tarde é encontrado num ferro-velho por Charlie Watson (Hailee Steinfeld).

É a partir deste momento que “Bumblebee” se afasta do franchise de Bay e se torna numa nostálgica combinação entre “E.T. – O Extra-Terrestre” – ou não fosse Steven Spielberg o produtor executivo do filme – e a animação “O Gigante de Ferro.” A amizade entre Charlie e Bee, como esta carinhosamente o apelida, é o centro do filme. E é aqui que Knight encontra o brilho para a sua primeira longa-metragem live-action.

“Bumblebee” não procura competir com nenhum dos dois, nem tem semelhanças forçadas. A história é capaz de fluir por si só, sem que exista a necessidade do exagero do CGI, como acontecia no franchise de “Transformers.” Knight permite que as personagens respirem e ganhem alguma densidade, algo que Bay sempre teve alguma dificuldade em fazer. O facto de existirem apenas dois vilões, Dropkick (Justin Theroux) e Shatter (Angela Bassett), também confere à narrativa, criada por Christina Hodson, a sensação de coesão. Sabemos logo de início quem é o herói e quem é que este terá de derrotar. Não existem batalhas metálicas desnecessárias, aliás as mesmas figuram apenas na cena inicial e no confronto final do filme.

Bumblebee
Charlie (Hailee Steinfeld)

Knight prima, de igual forma, por substituir os sons ruidosos característicos dos “Transformers” por uma banda-sonora incrível, também ela um tributo ao final da década de 80. Somos brindados por temas de bandas como os The Pretenders ou os The Smiths, que Charlie claramente idolatra, sendo os últimos também um dos grupos preferidos do seu falecido pai. Mas também há espaço para os Duran Duran, a-ha, Bon Jovi e a própria Hailee Steinfeld, entre tantos outros. Aliás, a música vai para além da banda-sonora, uma vez que durante grande parte do filme se torna na voz de Bumblebee. Na tentativa de o arranjar, Charlie substitui a caixa de voz original do Autobot por um rádio, de modo que este começa a ‘falar’ através de trechos de músicas – muito bem encaixadas -, que dão origem a algumas das sequências mais engraçadas e bem construídas de “Bumblebee.”

Lê Também:
Realizadores | 10 novos talentos a manter debaixo de olho em 2019

Pela primeira vez, um filme da saga “Transformers” cumpre o seu propósito enquanto filme apropriado para crianças. Há lugar para a família, para os personagens juvenis e para um ritmo de narrativa característico dos filmes de aventura. Nota-se uma construção de inspiração Spielbergiana ao longo de “Bumblebee”, que não atinge a magia de “E.T.,” mas que não deixa de ser uma maravilhosa aventura nostálgica.

Bumblebee
Bumblebee poster final PT

Movie title: Bumblebee

Date published: 2018-12-27

Director(s): Travis Knight

Actor(s): Justin Theroux, Hailee Steinfeld Angela Bassett, John Cena, Pamela Adlon Kenneth Choi Marcella Bragio Megyn Price , Abby Quinn , Len Cariou , Peter Cullen

Genre: Ação, Aventura, Sci-Fi

  • Inês Serra - 75
  • Rui Ribeiro - 85
  • Filipa Machado - 75
  • Marta Kong Nunes - 75
78

CONCLUSÃO

"Bumblebee" é o primeiro filme da saga "Transformers" que não se limita a ser uma exibição de CGI. Existe uma linha narrativa coerente, que permite a existência e evolução dos personagens, algo que não existia nos filmes de Michael Bay. É uma deliciosa aventura nostálgica capaz de nos transportar para os universos de "E.T. - O Extra-Terrestre" e "O Gigante de Ferro."

O MELHOR: A incrível banda-sonora e a construção da amizade entre Charlie e Bumblebee.

O PIOR: Apesar de apresentar uma narrativa coesa e melhor que as dos restantes filmes da saga, "Bumblebee" acaba por seguir a linha previsível característica do género, o que não é necessariamente um defeito, mas que o impossibilita de trazer algo verdadeiramente novo.

Sending
User Rating 4 (1 vote)
Comments Rating 0 (0 reviews)

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sending