Cobie Smulders em entrevista (Parte 2)

Tivemos o prazer de estar à conversa com Cobie Smulders, que comentou o que sentiu de diferente entre participar numa comédia e em filmes de ação, assim como o papel das mulheres em Hollywood nos dias de hoje.


<< PARTE 1


 

E já trabalhaste obviamente com alguns dos maiores nomes de Hollywood, como Samuel L. Jackson, Robert Downey Jr., Chris Evans, Tom Cruise e Arnold Schwarzenegger. Existiu algum momento em que te sentisses intimidada? E uma completa fã?

Cobie: Sim para ambas, quero dizer, a primeira vez que estive nos filmes Avengers, o meu plano de ataque era só pensar tem calma, está quieta, porque o que eu faço quando estou numa sala com alguém que admiro eu exagero, e acabo a ser, ou transpareço como sendo um pouco desagradável, e não tenho a intenção de ser, só não sei como… então penso vou estar calada, vou apenas ser tranquila, vou ser simpática, e é só isso. E obviamente, estes são relacionamentos que tu tens, sabes, já fiz alguns filmes com o grupo de Avengers e estou mais confortável agora. Mas sinto também que, quando conheces pessoas que são tão experientes, são tão talentosas, para mim, o mais importante a retirar é apenas aprender com eles tanto quanto puderes, e penso que, para todos os filmes dos Avengers fui com essa mentalidade, é como, o que é que posso retirar desta experiência porque estas pessoas têm vindo a fazer isto há tanto mais tempo e é também um mundo totalmente diferente em termos da ciência, do CGI, da tecnologia envolvida e é apenas absorvê-lo e aprender o melhor que puderes, por isso é o que faço sempre… quando conheci o Tom [Cruise] pela primeira vez pensei vou apenas observar e aprender e absorver desta pessoa que tem vindo a fazer estes filmes surpreendentes ao longo de décadas, e penso que essa é a forma de beneficiar disso e de ultrapassar o nervosismo também.

Lê Também:
Disney+ | Catálogo completo de Portugal

Tivemos o prazer de estar à conversa com Cobie Smulders, que comentou o que sentiu de diferente entre interpretar numa comédia e em filmes de ação, assim como o papel das mulheres em Hollywood nos dias de hoje.

Mas pensas que serias capaz de voltar para a televisão se te fosse oferecido um papel numa série nova e diferente?

Cobie: Sim, bem, acabei de fazer esta série da Netflix, nós gravamos 8 episódios deste espetáculo chamado “Friends from College”, não se parece com [o normal], é mais um filme de duração de 4 horas, foi assim que gravamos, cada episódio tem 30 minutos mas é uma série da TV por cabo por isso é muito negra, tem muitos palavrões, acho que em cada frase tem um palavrão, e é mais negra e é mais desorganizada. Por isso não posso aceitar fazer parte de uma série televisiva, é muito tempo, mas penso que no futuro, claro, é uma questão de encontrar o guião certo, a personagem certa, e ter as pessoas criativas certas por trás. Não sou contra isso, mas eu tenho uma família e eu gosto de passar tempo com eles por isso tenho de fazer escolhas dependendo disso.

Vê também: Jason Isaacs e Katie Leung trazem magia à Comic Con Portugal

 

Numa nota diferente, se pudesses ter um super-poder, qual seria e porquê?

Cobie: É difícil. A minha resposta muda sempre porque é a vida real, é o que é prático versus o que é apenas uma versão de fantasia do que eu quero. Porque a versão prática é algo que é como controlo do tempo, seria como pausar e eu poderia voar para casa e poderia ver as minhas filhas, e depois podia voltar e continuar esta entrevista. Isso parece óptimo, manipulação do tempo seria maravilhoso. Mas eu sempre quis viver debaixo de água, eu sempre quis ser uma sereia desde muito nova por isso existe uma parte de mim que preferia apenas viver debaixo do oceano e ser capaz de respirar debaixo de água. Ser a Aquawoman. Por isso fico sempre dividida porque seria óptimo se eu pudesse pôr um momento em pausa e fazer outras coisas. Ter ambos seria o sonho, esse é o sonho.

Lê Também:
Diana Rigg, estrela de Game of Thrones, morreu aos 82 anos

 

Para terminar, foi um alívio para ti saber que a tua personagem em Jack Reacher é uma mulher num filme de ação que está realmente a fazer alguma coisa e não apenas a observar?

Cobie: Sim completamente. Eu tenho beneficiado tanto com homens que me contrataram, e não acho que isso seja sempre verdade. Penso que muitas pessoas falam acerca de igualdade e muitas mulheres falam acerca de igualdade e eu tenho-me rodeado normalmente de homens que são feministas, Joss Wheadon é um deles, Nicholas Stoller é outro, Edward Zwick com quem trabalhei recentemente em Jack Reacher é outro deles também, e eles são tão pró-mulheres, quero dizer mulheres a serem representadas como elas são na vida real que é mulheres que são fortes, capazes e líderes, e eu nunca fui colocada numa posição em que não é assim – é assim que os Avengers são porque eles têm super-poderes, mas ao mesmo tempo a Maria Hill não é inútil, ela também está a fazer coisas e a fazer aquilo de que é capaz dentro do seu alcance. Mas tenho sido muito abençoada em ter sido sempre contratada por estes homens que acreditam em mulheres e acreditam na igualdade e tenho tido muita sorte nesse aspeto. Sinto-me muito agradecida.

Tivemos o prazer de estar à conversa com Cobie Smulders, que comentou o que sentiu de diferente entre interpretar numa comédia e em filmes de ação, assim como o papel das mulheres em Hollywood nos dias de hoje.

Cobie Smulders, sempre com a sua graciosidade e simpatia, foi recebida de forma fantástica na Comic Con Portugal 2016 e devolveu por igual toda a atenção e amor ao público português. Ficamos à espera do seu regresso! 

Ana Rodrigues

Seriófila, e amante das artes cinematográficas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *