Razer Blade, em Análise

Todos os jogadores gostam de conseguir experimentar os jogos nas melhores performances possíveis.

Top gamimg portátil!

Todos os jogadores gostam de conseguir experimentar os jogos nas melhores performances possíveis. Eu, enquanto crítico do jogos não sou excepção e, tal como muitos gamers que passam horas e horas a jogar, é de louvar sempre que podemos ter alguma portabilidade.
No caso dos jogos de PC, a potabilidade atinge outras possibilidades, mas a questão é simples: a grande maioria dos portáteis de topo não são assim tão portáteis. São grandes e pesados, pois têm processadores e placas gráficas grandes e que necessitam de um bom sistema de arrefecimento.

É para tentar equilibrar esta questão que a Razer cria o seu mais recente Blade, um portátil que quer ser de topo, mas também portátil. “Esta bestinha” pesa apenas 1,8kg, o que o deixa ao nível de qualquer portátil de gama média. Com esta portabilidade o Blade ganhou a minha atenção. Mas será que um portátil tão fino não teria problemas de performance ou de aquecimento para um gamer que queira jogar tudo na melhor performance possível?

Com um ecrã de 14 polegadas e 4K, a qualidade do ecrã está no topo do que a tecnologia oferece e, para além disso, é multi touch, o que, pelo menos a mim, ajuda bastante quando estamos na net ou a tratar da parte gráfica de alguns artigos ou imagens. Com tal qualidade de ecrã, a experiência começava bem. Aliás, já tinha começado bem antes, porque após ter ligado o computador, o Windows 10 estava pronto a funcionar ao fim de 7 segundos. O seu disco de 1TB SSD(!) é fantástico a carregar o sistema operativo e qualquer jogo que tenham pela frente.

Lê Também:
Razer Kraken 7.1 Chroma, em Análise

Mas depois vem a melhor parte, porque o que queremos é jogos no top do grafismo e sem quebras. Para tal o Blade tem algumas coisas a favor: um processador i7- 7700HQ Quad-Core que chega até 3,8GHz é a base que se complementa com 16GB de RAM DDR4 e uma poderosa GForce GTX 1060 (6GB GDDR5 VRAM). Tudo isto junto é mais do que suficiente para termos a garantia de qualidade, e a verdade é que se comprova.

Durante todos os jogos que experimentei, o Blade comportou-se como um bom desktop gaming sem nunca aquecer demasiado. Nunca foi desconfortável manter as mãos em cima do portátil, e foi aqui que esteve a maior surpresa, porque, sinceramente, não esperava que o portátil se aguentasse sem aquecer demasiado.

Alimentar um jogo a 4K não é para qualquer computador, muito menos para um portátil que pesa menos de dois quilos. A performance do Blade foi fantástica, não só na parte gráfica, mas também na parte sonora. Claro que a tudo isto se juntam outros factores interessantes, como o teclado Chroma retro iluminado ou uma saída USB Thunderbolt 3 (o portátil traz ainda mais 3 saídas USB) adaptável a vários cabos. Para quem não sabe, uma saída Thunderbolt tem quatro vezes a velocidade de uma saída USB 3.1 e oito vezes mais que uma 3.0.

Existem muitas outras coisas que poderia falar se este artigo fosse uma análise pura e dura, mas não é. O que tento explorar neste artigo é o quanto o Razer Blade foi fantástico para um gamer como eu, que quer performance, mas que também precisa de portabilidade. Obviamente que existem portáteis com mais performance, apesar de não serem muitos, mas nenhum é tão portátil quanto este. Uns gamers poderão não querer jogar num monitor de 14 polegadas, mas a mim não me fez diferença, principalmente porque com 4K a experiência é fantástica em qualquer tamanho.

Em todos os anos de análises a produtos gaming, nenhum me espantou tanto quanto este Blade, pela forma como conseguiu equilibrar portabilidade e performance. Foi um prazer usar este portátil para testar alguns jogos e não só, porque acredito que também será um excelente portátil para qualquer outro trabalho que necessite de performance e portabilidade. Fantástico!

Pontos fortes:

  • Performance de topo
  • Qualidade dos materiais
  • Leve, muito leve para tudo o que tem dentro

Pontos fracos:

  • A qualidade de topo tem sempre um preço

Luís Pinto

  • Performance - 95
  • Portabilidade - 96
  • Durabilidade - 92
  • Funcionalidades - 87
93

Luis Pinto

Developer de videjogos e inteligência artificial - Autor do canal Luís Pinto - Apaixonado por jogos desde o tempo do Spectrum!

Luis Pinto has 850 posts and counting. See all posts by Luis Pinto

Leave a Reply