Depois de Leonardo DiCaprio, é hora de uma previsão aos Óscares 2017

Agora que a cobertura da cerimónia de 28 de fevereiro acalmou está na altura de fazer uma análise muito, muito antecipada aos possíveis candidatos aos Óscares do próximo ano.


<< PARTE 5  |  PARTE 7 >>


À primeira vista parece cedo demais para uma previsão, mas a verdade é que os indicados às estatuetas não são difíceis de identificar. As produções tem elementos comuns: tópicos socialmente relevantes, atores com várias nomeações, realizadores conhecidos e, claro, um estúdio mundialmente reconhecido. É claro que há exceções, mas as surpresas são poucas. Por exemplo, já era previsível que “Spotlight“, “A Rapariga Dinamarquesa” e “The Revenant: O Renascido” seriam indicados aos Óscares mesmo antes destes estrearem.

Embora a maioria dos candidatos estrearem apenas no final do ano, depois de serem apresentados em Cannes, Veneza, Toronto, Berlim e Nova Iorque, o festival de Sundance e o buzz que rodeia algumas produções servem de indicadores para os potenciais concorrentes.

Lê também: 20 filmes odiados pelas razões erradas

 

óscares

LOVING

Mais nenhum filme estreou no Festival de Cannes com maiores esperanças de ser indicado aos Óscares que o biopic de Jeff Nichols. “Loving” conta a história verídica de Richard, personagem de Joel Edgerton (“Warrior“), e de Mildred Loving, interpretada por Ruth Negga (“WWZ: Guerra Mundial“). O filme segue o casal que é preso em Virginia, nos anos 50, por ter quebrado a lei de casamento inter-racial.

Numa época em que a controvérsia #OscarSoWhite é tão atual, “Loving” apresenta-se como um sério candidato aos Óscares. Escrito e realizado por Jeff Nichols (“Midnight Special“), o drama emocional não oferece truques extravagantes mas beneficia da abordagem suave do seu cineasta, que deixa espaço para que Edgerton e Negga possam brilhar nos seus papeis.

O filme tem estreia prevista para novembro. Vê o trailer.

 

óscares

MISS SLOANE

Ao longo dos últimos anos, Jessica Chastain tem provado o seu talento com a interpretação de diversos papéis, que resultaram numa indicação ao Óscar de melhor atriz por “00:30 A Hora Negra“. Este ano já deu vida uma comandante do espaço, em “Perdido em Marte” e uma guerreira em “O Caçador e a Rainha do Gelo“.

Neste thriller Chastain é uma mulher poderosa no mundo da política. Elizabeth Sloane é uma lobista ambiciosa que enfrenta o poderoso lóbi das armas, numa tentativa de aprovar leis de controlo à venda e posse de armas nos Estados Unidos. Realizado por John Madden (“O Exótico Hotel Marigold“), Miss Sloane conta ainda com Gugu Mbatha-Raw (“Estado Livre de Jones“) e Mark Strong (“Kingsman: Serviços Secretos“) no elenco.

“Miss Sloane” tem estreia prevista para 9 de dezembro, época “amiga” dos prémios da Academia. Vê o trailer.

 

Consulta ainda: Sequelas que levaram (muitos) anos a serem lançadas

óscares

HACKSAW RIDGE

Hacksaw Ridge marca o regresso de Mel Gibson à realização, 12 anos depois de “Apocalypto” e 21 anos depois do Óscar por “Braveheart“. Este facto per se já é o suficiente para captar o interesse do público. Mas as críticas oriundas do Festival de Toronto, onde o filme foi recebido com uma ovação de pé, deixam este drama de guerra na corrida aos Óscares.

A longa-metragem é baseado na história verídica do soldado Desmond T. Doss, o primeiro homem a ganhar a Medalha de Honra do Congresso dos EUA, depois de se recusar a carregar uma arma durante a Segunda Guerra Mundial. Doss, interpretado por Andrew Garfield (“O Fantástico Homem Aranha“), sofria de bullying, mas nunca desistiu das suas convicções. No papel de socorrista, conseguiu salvar 75 homens durante a Batalha de Okinawa,

A longa-metragem, que intercala a desumanização do conflito com os ideais de um corajoso soldado, estreia a 10 de novembro. Vê o trailer.

 

MOONLIGHT

óscares

Segundo um estudo sobre representação de minorias no cinema e na televisão, a maioria das personagens LGBT, apresentadas nos filmes e séries, são brancas. Contudo, “Moonlight” vai contra essa corrente. O filme conta a história de Chiron, um jovem negro de Miami da década de 80. A longa-metragem segue o protagonista ao longo da sua vida à medida que lida com questões sobre sua sexualidade.

A nova obra do cineasta indie Barry Jenkins foi muito elogiada no Festivail de Telluride. Com Mahershala Ali (“House of Cards“), Janelle Monae (“Hidden Figures”) e André Holland (“The Knick“) no elenco, “Moonlight” foi produzido por Brad Pitt.

O filme estreia no Festival de Nova York e chega aos cinemas americanos no mês seguinte. Vê o trailer.

 

Concordas com os principais candidatos aos Óscares do próximo ano?


<<  PARTE 5  |  PARTE 7 >>


 

Catarina Fernandes

Mestre em Ciências da Comunicação e fotógrafa amadora. Seriófila compulsiva e apaixonada por literatura, assim como pelo cinema e pela sua história. (Extremamente) Viciada em música e concertos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *