Foto de Jéssica Rodrigues © MHD

Diogo Piçarra cria Wall of Love na Altice Arena

A 1 de outubro, Diogo Piçarra subiu pela primeira vez ao palco da Altice Arena, esgotando a maior sala de espetáculos do país.

Desengane-se quem pensa que a Altice Arena, a maior sala de espetáculos do país, já acolheu concertos de muitos artistas portugueses. Na verdade, o total de cantores nacionais que já pisaram o palco do antigo Pavilhão Atlântico desde a sua criação em 1998 não chega sequer a três mãos cheias. Após adiamentos constantes provocados pela COVID-19, chegou finalmente a vez de Diogo Piçarra escrever o seu nome na história de uma das maiores arenas da Europa. Com uma multidão que esgotou todos os bilhetes disponíveis, o cantor de Faro deu um dos maiores e melhores concertos de toda a sua carreira que já conta com uma década de existência.

Antes que Diogo Piçarra, um dos maiores fenómenos da música portuguesa da atualidade, subisse a palco, coube a Ivandro, um outro artista que começa a estar nos tops das rádios nacionais, fazer a abertura do concerto. Apesar de ser ainda muito novo nestas andanças, o intérprete de “Lua” não se deixou intimidar pela multidão maioritariamente feminina que enchia a Altice Arena e protagonizou um bonito espetáculo que serviu de aquecimento para uma noite inesquecível para todos os presentes.

Lê Também:
O Sol da Caparica | Entrevista a Diogo Piçarra

Sem que nada o fizesse prever, Diogo Piçarra fez uma entrada triunfal em palco, fazendo jus à noite que se avizinhava. Erguendo-se do chão através de uma plataforma elevatória, o cantor de faro subiu aos céus ao mesmo tempo que chamas inrrompiam do palco, enquanto Piçarra cantava ‘South Side Boy’, o tema que dava título à tour e ao seu mais recente álbum. A partir desse momento, a fasquia já era bem alta, mas o jovem cantor não vacilou e continuou a surpreender todos os seus fãs. Através do seu Pop Rock, o cantor de Faro fez uma viagem musical alternando entre os temas mais recentes e aqueles que fizeram parte da primeira década da sua carreira, sendo sempre acompanhado pelas vozes audíveis de uma plateia entusiasmada.

Mas na noite de sonho de Diogo Piçarra, o jovem cantor fez questão de dividir o brilho com aqueles que fazem parte da sua história e convidou muitos deles a subirem a palco consigo. O primeiro momento a dois foi então protagonizado por Carolina Deslandes, num dueto em que o tema de sucesso ‘Anjos’ foi interpretado de forma emotiva. Por esta altura, a viagem ao passado evidenciava-se, chegando a vez de fazer soar os acordes de ‘Trevo’ e ‘História’.  Pouco tempo depois, o músico interpretou aquele que definiu como o tema preferido da noite – “Escuro”, com uma mensagem forte sobre a depressão gerada pela situação dícil que todos nós atravessámos durante a pandemia.

Diogo Piçarra
Foto de Jéssica Rodrigues © MHD

Numa noite cheia de surpresas, Diogo Piçarra deixou os fãs entretidos com um pequeno filme sobre o seu percurso até ao concerto na Altice Arena e surgiu de forma inesperada no meio da plateia, em cima de um pequeno palco, fazendo-se acompanhar por um segundo convidado, António José. Um silêncio arrebatador invadiu a sala de espetáculos, deixando apenas a voz do espanhol cruzar-se com a do português, numa sonoridade ibérica que fez soar “A Dónde Vas”. Aproveitando o embalo, a arena encheu-se de luzes dos telemóveis e criou o cenário perfeito para a interpretação da canção ‘Paraíso’, seguindo-se um cover de Bon Iver – ‘Skinny Love’, uma das músicas cantadas por Piçarra na sua passagem pelos Ídolos. ‘Volta’ foi o tema escolhido para encerrar esta segunda parte do concerto, terminando com um fogo de artifício despejado em cima de Diogo Piçarra.

Num terceiro momento, o músico regressou ao palco principal para interpretar ‘Wall of Love’, o tema que melhor descreve a última parte do seu concerto. Pondo toda a Altice Arena a saltar enquanto todos se abraçavam num gesto coletivo, Diogo Piçarra criou o maior muro de amor de sempre e o carinho dos fãs foi bem notório. Logo a seguir, o cantor interpretou ‘Tu e Eu’ e toda a plateia agarrou um cartaz a dizer «You Did It!», congratulando o músico pelo alcançar do sonho de cantar na maior sala de espetáculos do país. Visivelmente emocionado, Piçarra retribuiu o gesto ao segurar num papel com a frase «I did it!». Embalado pelo amor recebido, chegava a vez de se homenagearem os dois principais pilares do cantor, a mulher e a filha. Com um foco de luz apontado para as duas mulheres da sua vida, Diogo interpretou ‘Futuro’, tendo como cenário fotos pessoais dos três.

Lê Também:
O Sol da Caparica | Entrevista a Diogo Piçarra

Prestes a despedir-se de uma noite memorável, Diogo Piçarra chamou a palco Pedro Bispo, o último convidado da noite, para interpretar ‘Monarquia’, um tema de grande sucesso. Levando o público ao delírio, os dois fizeram questão de saltar para o meio da plateia e distribuir abraços, num gesto que simbolizava o abraçar de uma multidão que não arredou pé até ao interpretar da última canção – ‘Dialeto’.

Em suma, o concerto de Diogo Piçarra resume-se a uma noite inesquecível em que a pirotecnia se destacou como um elemento de suporte ao músico que soube desde o início dominar o seu público, mostrando-se eufórico e emocionado pela multidão que fez questão de marcar presença naquele que foi o primeiro concerto do cantor na maior sala do país. Mas a tour não fica por aqui e Guimarães recebe o ‘South Side Boy’ a 8 de outubro.

Assististe ao concerto de Diogo Piçarra? Qual a tua música preferida?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.