© AMC

Fear the Walking Dead | Entrevista à dupla de showrunners

“Fear the Walking Dead” já regressou à AMC, com novos episódios que prometem emoções fortes. A MHD esteve à conversa com a dupla de showrunners, Andrew Chambliss e Ian Goldberg, a propósito da estreia da segunda metade da sétima temporada.

A segunda metade da sétima temporada de Fear the Walking Dead” estreou esta segunda-feira, dia 18 de abril, no canal AMC. Os novos episódios trazem o aguardado regresso da atriz Kim Dickens, que interpretou durante as primeiras quatro temporadas Madison Clark. A MHD esteve à conversa com os simpáticos Andrew Chambliss e Ian Goldberg, que se juntaram a FTWD enquanto showrunners na sua quarta temporada. Chambliss confessou-nos, a parte da série, que já visitou Portugal, guardando boas memórias da cidade do Porto.

Lê Também:
Fear the Walking Dead | A história até ao momento

Os novos episódios de “Fear the Walking Dead” decorrem meses depois da explosão nuclear, sendo Strand (Colman Domingo) a única pessoa que se fortaleceu. Tendo construído o seu domínio, seleciona com frieza quem tem uma segunda oportunidade para viver.  Os outros membros do grupo sofreram imensamente, mas como consequência disso, emerge neles uma determinação férrea para viver, mesmo que isso implique tomar à força a Torre de Strand e continuar a busca por Padre, um lugar mítico que ninguém sabe se realmente existe.

 

MHD: Quando iniciaram a vossa carreira, alguma vez imaginaram estar à frente de uma série tão popular como FTWD?

Ian Goldberg: Entramos na série na sua quarta temporada, assim que foi um desafio enorme. O universo de “The Walking Dead” é enorme e tem uma base de fãs ainda maior, assim que estamos muito contentes por ter tido esta oportunidade.

MHD: Quão colaborativo é o ambiente no set? Existe espaço para improviso ou para os atores darem ideias para o desenvolvimento das suas personagens?

Andrew Chambliss: Bom, costumamo-nos sentar com cada um dos atores e temos uma conversa. É neste momento que absorvemos os seus pensamentos, porque são eles que estão a ‘viver e a respirar’ as personagens, conhecem-nas melhor do que ninguém. E são estas conversas que depois nos ajudam a dar o passo seguinte, a colocar as ideias em papel.

Em relação ao improviso, não há muito espaço para ele. Quando estamos a filmar uma série com a dimensão de “Fear the Walking Dead”, com toda a equipa técnica, todas as peças envolventes, com uma ação complicada, entre outros aspetos, temos de ir para o set com um plano. Existe espaço para improvisar umas falas aqui e ali, mas realmente não temos muito espaço de manobra.

Fear the Walking Dead 7B Madison
Kim Dickens regressa a FTWD com a sua personagem Madison Clark | ©AMC

MHD: Madison regressa a FTWD após alguns anos desaparecida. Foi algo que esteve planeado desde o início, trazer a personagem de volta ao elenco?

Ian Goldberg: Sempre soubemos que era uma possibilidade. Adoramos a personagem e adoramos a Kim [Dickens]. Tivemos uma discussão sobre como seria se a Madison regressasse, mas queríamos ter a certeza que esse seria o passo certo, na altura certa. Tivemos de ter a certeza que estávamos a alinhar as peças para honrar a personagem, contar uma história que fosse nova e entusiasmante, e que valesse a pena contar. E começamos a sentir que o momento se estava a compor na sexta temporada. A partir dai foi uma questão de contactarmos a Kim, explicar-lhe a ideia e ver qual seria a opinião dela – felizmente ela aceitou! Tivemos uma série de conversas interessantes com ela, e estamos confiantes que será um grande regresso. Estamos mesmo muito entusiasmados!

MHD: Como foi ter Kim [Dickens] de volta ao set?

Andrew Chambliss: Foi muito empolgante! Passaram-me três temporadas e meia desde que a vimos, e na realidade eu e o Ian [Goldberg] já tínhamos falado sobre o assunto cerca de um ano e meio antes de Kim voltar a pisar o set. E depois começámos a ter essas a conversas com ela, para ver como poderíamos trazer Madison de volta – qual seria a sua história, o motivo da sua ausência e qual o impacto do mesmo no futuro da narrativa. Foi uma conversa entre mim, o Ian e a Kim que ainda durou alguns anos, depois tivemos de estar à espera que as nossas agendas e horários de produção se alinhassem. Ficamos mesmo muito contentes quando esse momento finalmente chegou, e agora esperamos que os fãs também gostem.

Lê Também:
AMC em Abril | O que recomendamos

MHD: Falando de outras personagens… A relação entre Strand, Alicia e Morgan tem vindo a deteriorar-se nos últimos episódios da primeira parte da temporada 7. Acreditam que a relação entre os três alguma vez voltará a ser pacifica?

Ian Goldberg: [risos] Terás de ver o resto da temporada 7!

MHD: Mas podem revelar-nos alguns pormenores…

Ian Goldberg: [risos] Não fazemos spoilers! Mas posso dizer que existe sempre a possibilidade dessa relação se tornar pacifica outra vez, penso eu… No entanto, aconteceram muitas coisas entre Strand e Alicia, como vimos no episódio 7 ou 8, quando a Alicia declarou guerra a Strand. Existe muita mágoa e dor construída, por isso há um longo caminho a percorrer antes de pensarmos na possibilidade de curar a relaçã0. E isso será muito o que a segunda metade desta temporada será, como esta guerra irá afetar todos os nossos personagens e as suas dinâmicas centrais. Se alguns destes danos terão remédio, ou se não haverá mesmo volta a dar. 

MHD: Pois, acredito que se esteja a referir à perda de Will, o que deixou Alicia pronta para a guerra. Será este o momento que a propulsionará a se tornar a líder que o grupo precisa?

Andrew Chambliss: Essa é uma pergunta muito boa. E é uma das primeiras questões que vamos lidar quando regressarmos. A Alicia tem estado numa posição ao longo da série, onde sempre teve alguém a quem recorrer para ter respostas, quer fosse a mãe, quer fosse o próprio Strand antes de se terem desentendido, ou o Morgan. Ela sempre foi, essencialmente, a segunda pessoa em comando, mas nunca a pessoa a quem as outras recorrem. E agora, pela primeira vez, ela vai-se aperceber que terá de ser essa pessoa, e será difícil para ela tomar as decisões mais duras quando estão a enfrentar um inimigo que ela outrora considerou amigo, família, o seu melhor amigo. Por isso, a Alicia terá não apenas de assumir o papel de líder pela primeira vez, como o terá de fazer sobre as circunstâncias mais difíceis. E creio que é isso que fará a sua história tão interessante e a própria temporada.

MHD: Por mais impossível que possa parecer a escolha, do universo FTW quem gostariam de ver a integrar o vosso elenco?

Andrew Chambliss: Essa é difícil! 

Ian Goldberg: Pode parecer uma resposta óbvia, mas adoraria ter o Norman Reedus de “The Walking Dead.” E ver o que o Daryl [Dixon, personagem de Reedus] traria a alguns dos elementos que mudaram desde a última vez que os vimos, particularmente sobre em quem o Dwight se tornou (Austin Amelio).

Andrew Chambliss: Sim, concordo. Este universo é tão vasto, existem tantas possibilidades de cross-overs. Creio que o Steven Yeun [Glenn Rhee], também poderia ser uma adição interessante à nossa série. Ou, se estivermos a ser ambiciosos, a Michonne e o Rick [interpretados pelos atores Danai Gurira e Andrew Lincoln, respetivamente]!

MHD: Afinal sabiam a resposta! [risos] Obrigada.

TRAILER | FEAR THE WALKING DEAD ESTREIA UM NOVO EPISÓDIO TODAS AS SEGUNDAS NO AMC

Acompanhas o universo de TWD?

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Inês Serra has 974 posts and counting. See all posts by Inês Serra

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.