"Middle Watch" |©Festival Mental

Festival Mental 2023 | M-Cinema Sessão 2

O Festival Mental 2023 regressou à capital entre os dias 12 e 27 de maio, para muitas talks, debates e ainda uma mostra de cinema acerca da temática da saúde mental. Assistimos, pelas 18h00 do dia 20 de maio, à segunda sessão M-Cinema – Mostra Internacional de Curtas e Longas-metragens e deixamos as nossas impressões!

Lê Também:   Festival Mental revela primeiras novidades de 2023

Entre 18 e 21 de maio, a programação central do Festival Mental desenrolou-se no Cinema São Jorge, onde tivemos a oportunidade de ver – a 20 de maio pelas 18h00 – um conjunto de curtas ecléticas, todas elas centradas na premente temática da saúde mental:

JOAN’S THEME (KIEFER EIJCKELHOF, PAÍSES BAIXOS, 2022, 23′)

Joan's Theme - M-Cinema 2
Joan’s Theme | ©Festival Mental

Para Joan conseguir passar as audições para entrar num mestrado de topo em Jazz, tem de ser capaz de passar as emoções para o seu tema musical, mas a doença da sua mãe torna-o doloroso.

“Joan’s Theme” é um filme simples mas profundo, que lida com a nossa capacidade de lidar com emoções complexas e transformá-las em algo produtivo ao invés de destrutivo. No filme, Joan precisa de criar uma composição musical complexa para uma audição decisiva, mas o seu sofrimento acaba por levar a algum bloqueio criativo.

Ao longo desta curta com bastante desenvolvimento de personagens e enredo para apenas 20 minutos, assistimos à luta de Joan, entre um cenário principal mais realista e um mais sonhador e abstrato, localizado nos confins da sua mente. Como narrativa, “Joan’s Theme” é bastante simples mas destaca-se nalguns campos específicos. Em primeiro lugar, e acima de qualquer outro, destaca-se através da sua banda-sonora deslumbrante e valorosa.

Classificação: 70/100




MIDDLE WATCH/A BORDO (JOHN STEVENSON, AIESHA PENWARDEN, REINO UNIDO, 2022, 12′)

Festival Mental 2023 | M-Cinema Sessão 2 Middlewatch
Middle Watch (A BORDO) |©Festival Mental, M-Cinema

Um marinheiro terá de superar o trauma da guerra e os mistérios das profundezas, enquanto completa mais um turno noturno a bordo de um navio.´

Ao assistir à curta-metragem animada “Middle Watch”, a primeira impressão da obra salta à vista – trata-se do trabalho exímio levado a cabo ao nível da animação propriamente dita, num impressionante casamento entre animação tradicional e digital.

Quanto ao cenário retratado nesta mesma animação, existe uma inclinação recorrente rumo às formas rectangulares, com o próprio mar a brilhar ao luar, refletindo-se e confundindo-se no céu. Esse próprio mar é o retalho de formas geométricas, extremamente onírico e sugestivo. “Middle Watch” é tanto um filme acerca de trauma e perda, uma jornada de reconciliação pessoal, como um sonho colorido e evocativo de um qualquer vestígio de realismo mágico.

O que enriquece ainda mais esta curta-metragem é o facto da linha entre realidade e fantasia se tornar ainda mais ténue ao sabermos que esta obra se baseia num relato ‘verídico’ por parte de um marinheiro, que sugere assim alguma magia no mundo. “A Bordo”, um filme aparentemente simples, foi indicado na categoria de Melhor Curta-Metragem Animada Britânica nos BAFTA – mais um testemunho da sua qualidade e mérito.

Classificação: 85/100




PROKHODIAT DNY/ DIAS DE AUSÊNCIA (ÍVAR ERIK YEOMAN, ESTÓNIA, 2022, 15′)
(VENCEDOR PROGRAMMERS’ PICK)

VENCEDOR PROGRAMMERS’ PICK FESTIVAL MENTAL
“Dias de Ausência” |©Festival Mental

Após um episódio caótico que envolve a sua mulher, Nikolai fica sozinho e tomar conta da filha de um ano de idade de ambos, Sophia. Ao longo do tempo, este começa a duvidar das suas capacidades enquanto pai, enquanto teme que a sua mulher nunca volte.

De seguida, esta sessão 2 do M-Cinema continuou com “Dias de Ausência” – o grande vencedor do Programmer’s Pick em 2023 (o escolhido como filme favorito dos programadores do Festival Mental). É fácil compreender porque é que os selecionadores do Festival optaram por distinguir esta obra, a qual aborda várias temáticas fraturantes da sociedade.

Por um lado, como temática central, temos a forma como falamos (ou não) acerca de perturbações do foro psiquiátrico, as quais podem ser mais ou menos comuns – mais se falarmos da mãe do filme, que sofre de uma psicose pós-parto. Quanto ao seu esposo Nikolai, apesar de se ter visto forçado a interná-la mantém uma elaborada mentira de forma a não sofrer com o estigma associado.

Para além disso, e talvez de forma ainda mais pertinente, o filme traça uma crítica subtil às expectativas em torno do papel da mulher no seio doméstico. Com a sua esposa internada, Nikolai sente-se perdido e não sabe como tomar conta da filha.

“Dias de Ausência”, que beneficiou da presença do seu realizador em sala, no Cinema São Jorge, é uma obra cinzenta, com tonalidades de cores pouco interessantes e que combinam com o próprio negrume da narrativa. Visualmente, não é, de longe, a obra mais interessante do certame mas vence através da relevância temática.

Classificação: 75/100




DAAR PRATEN WIJ NIET OVER/ NÃO SE FALA SOBRE ISSO (MANNA DUK, PAÍSES BAIXOS, 2021, 39′)

M-Cinema Não se Fala Sobre Isso
©Festival Mental

As duas irmãs de Manna, Suus e Saartje, têm, ao longo da sua vida, sofrido com questões relacionadas com a sua saúde mental, mas nunca falam sobre elas. Agora que são todas adultas, Manna decide começar a conversa, documentando-a, de forma a todas poderem compreender-se melhor.

Como é da praxe, esta sessão do M-Cinema guarda a curta-metragem mais longa para o final, pertencendo “Não se fala sobre isso” mais ao reino indeterminado da média metragem. Esta é, como seria de esperar, uma narrativa profundamente intimista e impulsionadora de um diálogo mais sincero acerca de matérias relacionadas com saúde mental. O teor da conversa é bastante banal, bem como o são os próprios ângulos de gravação da obra, mas é a franqueza e a abertura do diálogo que mais valorizamos ao assistir a este filme.

Embora pudesse, sem dúvida, beneficiar de alguma edição adicional, o documentário criado por Manna Duk convida-nos, de forma competente, a entrar nos confins da mente das suas irmãs à medida que as jovens examinam, à lupa, os seus momentos mais complicados. Destaque ainda para os momentos que as irmãs passam na sua “tiny house” num lago, onde a paisagem idílica contrasta com o teor sério da conversa gravada.

Classificação: 70/100

Entre 18 e 21 de maio, o Festival Mental 2023, visitou o Cinema São Jorge por ocasião da sua 7ª edição. Estiveste presente em alguns destes momentos, nomeadamente no M-Cinema? 

TRAILER | FORAM ESTES OS DESTAQUES DO FESTIVAL MENTAL 2023



Também do teu Interesse:


About The Author


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *