Glenn Close Óscares

História dos Óscares | A desgraça de Glenn Close

Depois de perder para Olivia Colman, Glenn Close tornou-se oficialmente na atriz com mais nomeações a nunca ter ganho um Óscar na História da Academia de Hollywood.

1 de 15

Em tempos, quando a cerimónia dos Óscares não era submissa à histeria tirânica do canal ABC e o seu medo por baixas audiências, os Óscares Honorários eram dados durante a grande noite dos maiores prémios de Hollywood. Em 1994, uma das pessoas honradas com tal galardão foi Deborah Kerr. A atriz inglesa tinha então 73 anos e uma filmografia áurea com mais de 40 títulos, incluindo clássicos como “O Rei e Eu” e o vencedor do Óscar de Melhor Filme “Até à Eternidade”. Uma das razões que levou a Academia a dar este prémio a Kerr foi certamente o facto de que, apesar desse currículo, a atriz nunca tinha ganho um Óscar competitivo. De facto, com seis nomeações, Kerr era então detentora do record de atriz mais nomeada sem nunca ter ganho.

Num gesto tragicamente profético, a pessoa que os produtores da cerimónia de 94 escolheram para dar o prémio a Deborah Kerr foi Glenn Close. Na altura, ela tinha já cinco nomeações e zero vitórias e viria a empatar o record de Kerr em 2012, quando foi nomeada para Melhor Atriz por “Albert Nobbs” e perdeu para Meryl Streep em “A Dama de Ferro”. Este ano, quando Close voltou a perder o Óscar, desta vez para Olivia Colman em “A Favorita”, a atriz tornou-se na sucessora de Kerr, batendo o record e assumindo-se assim como a maior perdedora na História dos Óscares. É difícil criticar a vitória de Colman, mas é igualmente difícil não encarar o repetido fracasso de Glenn Close como uma injustiça.

Lê Também:
Os Óscares da MHD vão para...

Com 71 anos, Close tem quase a mesma idade que Kerr tinha quando ganhou o Óscar Honorário, mas, felizmente, continua a trabalhar regularmente. Em finais do ano, ela começará a filmar uma adaptação cinematográfica de “Sunset Blvd.”, o musical que, quando estreou originalmente na Broadway, lhe valeu um Tony. Talvez seja esse o projeto que finalmente a levará ao palco do Dolby Theatre, mas com o azar desta atriz, tal destino glorioso parece incerto. Afinal, todos os peritos tinham previsto a vitória da atriz por “A Mulher” na cerimónia deste ano, sendo que o triunfo de Colman foi provavelmente o maior choque da noite. Até os convidados da cerimónia pareceram chocados.

Uma das pessoas que parecia certa da vitória de Close era a própria atriz, já tendo ganhado o Globo de Ouro, o prémio da escolha dos Críticos e do Sindicato dos Atores. Vestida em quilos de tecido doirado coberto de missangas minúsculas e com uma enorme capa a arrastar-se atrás de si, a atriz vinha aprumada ao bom estilo de uma vencedora. Há até quem diga que, para se ganhar o Óscar, uma atriz há que se vestir como o Óscar. O fracasso de Close parece pôr fim a tal costume, o que não admira sendo que o historial desta atriz nos Óscares é feito de semelhantes previsões desgraçadas, surpresas, tradições quebradas e muito, muito azar.

glenn close oscares
Glenn Close vestiu-se de doirado, a condizer com o Óscar que acabou por perder.

Com tudo isto dito, resta-nos fazer uma importante questão. Será que Glenn Close alguma vez mereceu ganhar o Óscar? É isso que tentaremos responder com este artigo, onde nos propomos a examinar as sete performances pela qual a atriz foi nomeada assim como os fatores que levaram à sua recorrente e muito inglória perda. Basta seguires as setas para explorar os slides, sendo que a estrutura desta galeria consiste num slide a falar da performance nomeada em si, seguido de outro a explicar o resultado final dos Óscares desse ano.

1 de 15

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

One thought on “História dos Óscares | A desgraça de Glenn Close

  • Parabens pela materia e por toda pesquisa feita! Acho q podemos concluir q quando Glenn esteve maravilhosa o filme era mediano. Quando esteve estupenda o filme era polêmico demais. Quando o filme era bom e ela divina, outra atriz surgia como um furacão. Quando Glenn fez o papel da sua vida outra atriz fez também. Se Glenn tivesse atuado em um grande filme para concorrer aos oscars de 99 e/ou 2010 ela teria ganhado, ano de atuaçoes medianas, indicaçoes ruins e ganhadoras vergonhosas. O oscar nao baliza a carreira de ninguem, me parece que quem mais sai perdendo, em prestigio e credibilidade, é a própria Academia por nao premiar Glenn Close.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *