Iguais, em análise

Em Iguais, Nicholas Hoult e Kristen Stewart apaixonam-se e rompem com a existência desprovida de emoções imposta sobre todos os humanos num futuro distópico.

iguais

Filmes de ficção-científica sobre distopias há muitos e, infelizmente, a sua considerável quantidade não é um indicador de variedade ou originalidade. Desde o final dos anos 60 que este subgénero tem-se vindo a fossilizar e prender a uma limitada paleta de escolhas temáticas e estéticas. Nem mesmo a crescente popularidade de adaptações de literatura juvenil como Os Jogos da Fome e a saga Divergente têm trazido qualquer tipo de rejuvenescimento, e Iguais, o mais recente filme de Drake Doremus não foge à regra.

Depois de um promissor início de carreira focada em narrativas intimistas e filmadas num registo descontraído e naturalista como Like Crazy e Breathe In é admirável ver Doremus a experimentar um estilo e género tão diferentes. Longe de apartamentos encafuados na solarenga Los Angeles, Iguais decorre num mundo de visual estéril e minimalista, onde as emoções são tão inexistentes como qualquer floreado decorativo na arquitetura ou no vestuário.

iguais

Antes de mais, há que examinar essa premissa narrativa que, na verdade, não sai ilesa de um simples escrutínio lógico. Segundo a explicação do filme, esta bizarra ordem social teve a sua origem numa guerra nuclear, esse eterno cliché da ficção-científica, que resultou num mundo dividido em dois. De um lado temos uma zona em fumegantes ruínas e onde não se sabe se existirá civilização, do outro temos um pesadelo de ordem opressiva onde as emoções e o desejo sexual são geneticamente apagadas da existência humana. Isto terá a sua origem num ditatorial regime político e ideológico que não tem esperança de ser convincente. Afinal, basta olharmos para a atual situação geopolítica para nos apercebermos como seria incrivelmente improvável que a negação da emoção e apologia de fria lógica fosse o caminho tomado pelas instituições de poder numa tentativa de dominar o público e impor o extremo conformismo.

Lê Também: 13º IndieLisboa | A Lagosta, em análise

Se Iguais não estivesse tão pronto a atirar justificações irracionais à sua audiência, ainda poderíamos olhar o filme como um exercício em absurdismo ou ponderações metafóricas como A Lagosta, mas não estamos na presença de tal sofisticação. Aliás, a única parecença com essa recente obra de Yorgos Lanthimos é mesmo o modo como ambos os filmes retratam um romance ilícito a desabrochar por entre as fendas no alcatrão da opressão. Aqui, tal romance é o produto de uma “doença” em que a supressão emocional se começa desintegrar eliminando os efeitos da manipulação genética imposta aos cidadãos deste mundo aquando da sua concepção.

Lê Também:   Mad Max | O realizador George Miller pretende não se ficar por Furiosa

iguais

Os protagonistas desta história são colegas de trabalho cujo despertar sexual e romântico os impulsiona numa espiral dramática que invariavelmente recorda a tragédia de Romeu e Julieta. Nicholas Hoult encarna o nosso Romeu, aqui chamado Silas, e o seu trabalho é uma das inequívocas salvações de todo o projeto. Ver este jovem ator telegrafar a interioridade da sua personagem é uma maravilha de delicadeza cinematográfica, especialmente quando o vemos ficar desesperadamente confuso com as emoções que nunca havia sentido na sua vida. Como Nia, a Julieta de Iguais, Kristen Stewart é ainda mais impressionante que Hoult. Muitas vezes acusada de ser inexpressiva, Stewart tem-se mostrado uma mestra da arte de expressar subtis emoções com o mínimo de ginástica facial ou vocal possível e o seu trabalho em Iguais é o perfeito exemplo dessa mestria.

Apesar de todo essa glória performativa, observar os dois atores tentar ressuscitar um filme embalsamado em debilitantes convenções e claustrofóbicas escolhas estilísticas é um espetáculo de sufocante frustração. Basta olharmos para o modo como Doremus filma a maior parte das suas cenas de amor, em apertados grandes planos com mínima distância focal, montagem fragmentada e a abstrata sonoridade de uma banda-sonora eletrónica. Longe de refletir o desabrochar emocional que os atores e as personagens exigem, esta abordagem força estes momentos a serem encarados mais como fenómenos estéticos que drama humano. Na sua procura por uma estética apropriada a um futuro estéril e desumano, Doremus caiu na crítica de prender o seu filme a esses mesmos horrores, não demonstrando a capacidade para modular as suas escolhas estilísticas.

iguais

E o pior de tudo é que, apesar de um admirável virtuosismo técnico que abrange elementos tão díspares como a fotografia de John Guleserian e a sonoplastia de Stephen Nelson, Iguais é uma obra cronicamente reacionária e desprovida de originalidade. Ainda há poucos anos, Spike Jonze usou a arquitetura modernista do leste asiático e uma fotografia de baixo contraste e distância focal para retratar o futuro, e os resultados aí foram muito mais convincentes e interessantes. Na mesma linha de desinspiração, os figurinos minimalistas em brancos, cinzas e cremes podiam ter vindo de qualquer filme de ficção-científica desde o 2001 de Stanley Kubrick.

Lê Também:   Kristen Stewart revela pretender ser mãe e já tomou medidas

Lê Ainda: Kristen Stewart | Primeira americana a vencer um César

O produto final de tudo isto é um filme demasiado genérico para ser minimamente essencial ou de interesse. Existe grandeza nas prestações do seu elenco, que também inclui Guy Pearce, Jacki Weaver, Bel Powley e Kate Lyn Shiel em registos de perturbadora subtileza, e admirável eficiência na sua execução, mas Iguais nunca transcende os problemas resultantes de um argumento frágil e de uma direção emocionalmente analfabeta. Iguais é um projeto que acaba por ficar aquém das suas possibilidades e que se perde num estilo intrinsecamente errado para a sua narrativa onde o desabrochar de emoções humanas é algo cataclismicamente fraturante, não só para a vida de dois jovens apaixonados, mas também para a completa estrutura ideológica de uma sociedade onde o mínimo contacto físico é ilegal e o sentir de emoções humanas usualmente resulta na ostracização e no suicídio.

iguais

O MELHOR: O trabalho de Kristen Stewart e Nicholas Hoult, dois atores que tiveram inícios de carreira muito pouco celebrados pela crítica mas que, nos últimos anos, se têm vindo a afirmar como duas das mais importantes vozes na sua geração de atores de Hollywood.

O PIOR: A abjeta esterilidade acética que permeia todo o filme, mesmo os seus mais fogosos e galvanizantes momentos de tragédia romântica.


 

Título Original: Equals
Realizador:  Drake Doremus
Elenco: Nicholas Hoult. Kristen Stewart, Guy Pearce, Jacki Weaver
NOS | Drama, Romance, Ficção-Científica | 2015 | 101 min

Iguais

[starreviewmulti id=18 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’] 


CA

 


Também do teu Interesse:


One thought on “Iguais, em análise

  • Iguais: 3*

    Uma história interessante e uma boa direção de fotografia é o que este filme me ofereceu, vejam.
    Concordo com a crítica, o melhor foi mesmo o trabalho deles dois.
    Cumprimentos, Frederico Daniel

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *