Love & Mercy – A Força de Um Génio | Mini-Crítica

Love & Mercy – A Força de Um Génio” acompanha Brian Wilson, co-fundador dos The Beach Boys, que ao longo da sua vida lutou contra os seus problemas mentais, drogas e isolamento da sociedade.   

Love and mercy
  • Título Original: Love & Mercy
  • Realizador: Bill Condon
  • Elenco: John Cusack, Paul Dano, Elizabeth Banks, Paul Giamatti
  • Género: Drama, Biografia, Música
  • Pris Audiovisuais | 2015 | 121 min

[starreviewmulti id=13 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’]

 

Abordando duas fases da vida do mítico Brian Wilson, líder dos The Beach Boys, a saber, o Brian do passado interpretado por um arrepiante Paul Dano – o melhor ator que ninguém conhece –  e o Brian do futuro, encarnado pelo também fabuloso Jonh Cusack, “Love & Mercy” apoia-se na sua estrutura fragmentada para exaltar as perturbações psíquicas do seu protagonista. É aliás, nessa estrutura que deambula entre o passado e o futuro, que encontramos semelhanças com o biopic inusitado de Bob Dylan pelas mãos de Todd Haynes, “I’m Not There”. Já a alma e sofrimento aqui tão presentes a cada frame parecem ter como inspiração uma outra história, porventura mais trágica, retratada na obra de estreia de Anton Corbijn que levou ao grande ecrã a curta vida de Ian Curtis, dos Joy Division.

Desde a conceção do álbum “Pet Sounds”, alicerçado em flautas, sinos de bicicletas ou latidos de cães, até ao declínio mental para o qual muito contribuiu o seu tutor Eugene Landy (um monodimensional Paul Giamatti), “Love & Mercy” analisa fases da vida de um génio sem cair nos lugares comuns que habitam este género de cinebiografias. Para o realizador Bill Pohlad (produtor de “A Árvore da Vida” e “12 Anos Escravo”) não basta simular uma perturbação mental aguda ou um choro compulsivo de revolta enfeitados com tiques de vedeta e ao som de uma banda sonora de arrepiar. “Love & Mercy” vai direto à ferida, sem contemplações ou devaneios hollywoodescos, ainda que a imprecisão dos factos se torne evidente em determinados segmentos.

Apesar de tudo, é o contributo de Paul Dano e John Cusack que se que se revela decisivo. Embora apresentem aparências físicas distintas, a alma que ambos projetam consegue transformar a obra de Pohlad numa balança perfeita, sem que nenhum dos retratos das fases da vida de Brian Wilson se superiorize por demérito da outra.

A aura Lynchiana que se sente no último ato alimenta-nos os sentidos, mas é sobretudo a extraordinária cena final ao som de “Wouldn’t It Be Nice” que ficará nas nossas memórias como uma das imagens marcantes do ano cinematográfico.

Love and mercy

O PIOR – O tempo passa demasiado depressa. Precisávamos de mais meia hora para assistirmos a um encaixe mais preciso entre as duas partes.

O MELHOR – Quase tudo. Com destaque para Paul Dano,  John Cusack, uma surpresa chamada Elizabeth Banks e, claro, a banda sonora.

DR

Lê Também:
HBO Portugal estreia Mrs America, com Cate Blanchett

Daniel E.S.Rodrigues

Sonho como se estivesse num filme de Wes Anderson, mas na verdade vivo no universo neurótico de Woody Allen. Sou obcecado pela temporada de prémios, e gostaria de ter seguido a carreira de cartomante para poder acertar em todas as previsões dos Óscares, Globos de Ouro (da SIC), Razzies, Troféus TV7 Dias e Corpo do Ano Men's Health. Mas, nesse universo neurótico e imperfeito em que me insiro, acabei por me tornar engenheiro. Sigam-me no Instagram para mais bitaites sobre Cinema, Música, Fotografia e outras coisas desinteressantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *