As melhores cenas de abertura do cinema (I)

São inúmeras as discussões acerca da relevância das cenas de abertura, mas nós na Magazine.HD não entramos na conversa. Apenas te mostramos as melhores sequências e deixamos a questão para ti.

Iniciar uma longa-metragem nem sempre é a tarefa mais fácil para um realizador. Despender imenso tempo em construir uma sequência atrativa ou optar por uma cena que não prenda de início o público corresponde a um dilema que os cineastas se debatem nos seus projetos.

Não é necessário que as sequências de abertura captem a audiência desde o início, por vezes, uma simples cena mostrar um plano geral pode ser o necessário para abrir um filme e causar “impressão” nos espetadores.

De seguida, apresentamos-te as consideradas melhores cenas de abertura do cinema, ou seja, as sequências que se destacam não só pela sua espetacularidade, pela carta de apresentação do filme e pela sua apresentação do contexto cultural e social.

Lê também: 20 filmes odiados pelas razões erradas (Parte I)

 

Ali (2001)

cenas de abertura

Ao som de A Change is Gonna Come, de Sam Cookie, a sequência mostra fragmentos da vida de Cassius Clay (Will Smith) enquanto se prepara para luta do título contra Sonny Liston (Michael Bentt). Mas ao contrário do Rocky que apresenta uma montagem “em crescente”, o cineasta, em Ali, mostra o contexto norte-americano da época.

Lê Também:
Nightmare Alley, de Guillermo del Toro, recebe teaser trailer

Michael Mann exibe a manchete de um jornal que conta a história de um adolescente de 14 anos afro-americano que foi assassinado em Mississípi por ter falado com uma mulher caucasiana. De seguida, é-nos mostrado o protagonista na sua adolescência a ser abordado por agentes policiais por estar a correr à noite e por último passamos para uma montagem da luta contra com Liston. A sequência prima por mostrar história do protagonista e história cultural e social dos Estados Unidos sem precisar de palavras.

 

A Rede Social (2010)

cenas de abertura

Não é uma tarefa fácil ser capaz de executar com perfeição as “farpas verbais” criadas pelo argumentista Aaron Sorkin, mas Jesse Eisenberg e Rooney Mara conseguiram. A sequência prima pelo diálogo pressagiador de Sorkin e pelo visual impactante criado por David Fincher, que criaram uma das melhores cenas de “dar com os pés”.

De referir, por curiosidade, que o realizador filmou 99 takes da conversa, de maneira a atingir a perfeição. Esta sequência de A Rede Social foi a responsável por lançar a carreira de Rooney Mara.

 

Consulta ainda: Depois de Leonardo DiCaprio, é hora de uma previsão aos Óscares 2017

 

Os Filhos do Homem (2006)

cenas de abertura

Alfonso Cuaron fornece nos primeiros 90 segundos de Os Filhos do Homem o contexto necessário para a produção de ficção científica. A montagem introduz uma distopia triste e sem esperança de uma Londres futurista, no ano de 2027.

Lê Também:
Nightmare Alley, de Guillermo del Toro, recebe teaser trailer

É-nos apresentado a personagem de Clive Owen a tomar café enquanto os clientes chocados desse estabelecimento veem na televisão a notícia da morte da pessoa mais nova do mundo, com 18 anos. De seguida, a audiência é surpreendida com várias explosões que destroem o café e a capital inglesa.

Esta sequência destaca-se por apresentar uma Grã-Bretanha, que apesar de ser tratada num universo futurista, não se encontra muito distante da realidade. Além disto, a cena é gravada com uma câmara portátil num único longo take.

 

The Player (1992)

cenas de abertura

A sátira de Robert Altman à indústria do cinema de Hollywood não começa com apenas uma cena de abertura famosa, mas com várias. A sequência de oito minutos de The Player mostra as personagens e o estúdio de cinema em que as personagens passam a maioria do tempo.

A sequência é constituída por vários cameos (Buck Henry, Patricia Resnick, Alan Rudolph) e com diversas piadas sobre a cultura da época, sempre com grandes influências de diversas longas-metragens, como, por exemplo, “Touch of Evil” de Orson Welles.

 

Concordas com as nossas escolhas? Não percas a próxima parte!


 

Catarina Fernandes

Mestre em Ciências da Comunicação e fotógrafa amadora. Seriófila compulsiva e apaixonada por literatura, assim como pelo cinema e pela sua história. (Extremamente) Viciada em música e concertos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *