Os melhores e piores posters da semana (08/05-14/05)

Pistolas personalizadas, movimentos coloridos e a face luminosa de Kristen Stewart marcam presença na nossa seleção dos melhores posters da passada semana.

Com o festival de Cannes a decorrer presentemente, os posters dos filmes em exibição e estreia nas suas áureas seleções continuam a ser divulgados e a maravilhar os cinéfilos com olho para posters de cinema. No entanto, não é somente de Cannes que vêm os posters em discussão esta semana, especialmente quando nos propomos a falar dos mais medíocres exemplos destas obras de design publicitário.

 


 

OS MELHORES POSTERS DA SEMANA

Começamos, como é usual, pelos melhores posters da semana. Cartazes escolhidos pela sua inteligente criação imagética, pela sofisticação do seu design, e pelo modo como conseguem capturar o olhar e, consequentemente, capturar o interesse da audiência para com a obra cinematográfica em promoção.

 

melhores posters

Tanto pela sua engenhosa utilização do título, assim como pelo magistral controlo cromático, o cartaz de Our Kind of Traitor merece lugar de destaque na nossa seleção dos melhores posters da semana. Cativante, chamativo e sugestivo de um filme cheio de sofisticada violência e intriga, este poster é tanto uma genial obra de design como um perfeito exemplo de exímio marketing. Que mais se poderia desejar de tal criação?

Lê Também:   Este espetacular filme de ação com Chris Hemsworth e Charlize Theron foi nomeado a dois Óscares e já está disponível na Prime Video

Lê Também: 33 livros para ler antes das adaptações ao cinema

 

melhores posters

De adaptações de Le Carré, passamos ao paraíso cinematográfico do festival de Cannes, de onde mais uns quantos posters aparecem e integram a nossa lista positiva. Em primeiro lugar, temos American Honey, o novo filme de Andrea Arnold. Com um título assim, é fácil perceber o interesse em utilizar as riscas e estrelas da bandeira americana que, interessantemente, são apenas sugeridos pelo design em forma de imagem esbatida e fundo para o título, com o movimento e fogosa cor do corpo feminino central a tomar lugar de primazia.

 

melhores posters

Finalmente, temos o cartaz de Personal Shopper, a mais recente colaboração de Olivier Assayas com a atriz Kristen Stewart, cuja face toma posição de incontornável destaque neste design. Na verdade, este foi um poster que oscilou entre a lista de piores e melhores. Por um lado, a sua simples utilização da cara da atriz como única imagem representativa de todo o filme, tresanda a uma limitada visão sobre a obra em promoção. No entanto, a brancura e radiante luminosidade da imagem, combinado com o impacto que a simplicidade minimalista conjura, têm a consequência de fazer deste poster um dos mais invulgares e memoráveis da passada semana.

Lê Ainda: Kristen Stewart recusa papel especial

 

Lê Também:   Este espetacular filme de ação com Chris Hemsworth e Charlize Theron foi nomeado a dois Óscares e já está disponível na Prime Video

 

OS PIORES POSTERS DA SEMANA

Esta foi uma semana desprovida de catatónicos desastres no mundo do design de posters de cinema, pelo que a nossa seleção é menos interessante que o usual. Aliás, a grande característica unitária deste trio é mais a banalidade que a abjeta feiura ou incompetência.

 

Nestes três posters, de Be Somebody, Hell or High Water e Septembers of Shiraz, temos essa fórmula entediante da face do ator principal em destaque e flutuando meio dissolvido sobre uma imagem de diferentes dimensões onde se insere um pouco de informação visual mais bem definida sobre o filme em questão. O problema de padrões como este é que, sendo algo comum e usado como uma fórmula, se acabam por resultar em obras genéricas e desconcertantemente uniformes quando colocadas em grupo. Um poster de cinema, sendo uma peça de marketing, não deveria passar despercebido e ser facilmente esquecido, mas, infelizmente, essa é a única reação que estes cartazes em questão parecem capazes de proporcionar.

 


Esperemos que a qualidade dos melhores posters se mantenha na semana que vem, mas que, paradoxalmente, a catástrofe dos piores se intensifique, pois o completo e puro desastre sempre consegue ser mais chamativo que a genérica banalidade.


 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *