Outer Range, Royal Abbott (played by Josh Brolin)

Outer Range | Entrevista exclusiva a Josh Brolin

Josh Brolin é o protagonista de “Outer Range”. Falámos com ele sobre a sua personagem e sobre como foi regressar ao mundo das séries.

A Magazine.HD falou com um dos nomes mais conceituados de Hollywood. Josh Brolin, o Thanos dos Vingadores e um dos rostos do tão oscarizado “Dune” de Denis Villeneuve, sentou-se à mesa com a MHD para falar do desempenho que marca o seu regresso às séries de televisão após 20 anos a ganhar currículo no cinema.

Em “Outer Range“, Josh Brolin dá vida ao pai de família Royal Abbott, que não passa um minuto longe dos seus. Quando Royal encontra um misterioso buraco negro na sua fazenda, a sua vida vai ficar totalmente virado do avesso e acabará por ser confrontado com as maiores questões sobre a existência. Apesar de misturar o faroeste norte-americano com o sobrenatural, fica claro que “Outer Range” não é como “Westworld” ou sequer como o filme “Cowboys e Aliens” com Daniel Craig e Harrison Ford. “Outer Range” é uma série sobre este mundo, uma história com toques de paranormal, mas que na verdade decorre no plano do real.  É uma série essencialmente sobre a conexão de cada ser humano à terra, àquilo que é deste mundo.

Lê Também:   WeCrashed minissérie, primeiras impressões

Trailer de Outer Range, a nova série com Josh Brolin

Tudo surgiu da mente de Brian Watkins que teve a sorte de ver o seu projeto produzido por Dede Gardner, Jeremy Kleiner e Brad Pitt, da Plan B Entertainment. Josh Brolin contou-nos como foi juntar-se ao projeto e quais os principais desafios do mesmo. Além de protagonista, Brolin é também o produtor executivo de “Outer Range” que conta ainda com Imogen Poots, Lili Taylor, Tamara Podemski, Lewis Pullman, Tom Pelphrey, Will Patton, Noah Reid, Shaun Sipos, Matt Lauria, Isabel Arraiza, Olive Abercrombie, Morningstar Angeline e Diedre O’Connell. É com o ator que começámos um conjunto de entrevistas que vamos publicar com as estrelas desta série.

“Outer Range” estreia hoje dia 15 de abril na Prime Video e serão lançados dois episódios por semana. Eis a seguir a entrevista com o ator.

MHD: O que te atraiu para este projeto em particular?

Josh Brolin: Eu cresci num rancho e a realidade contada em “Outer Range” era-me realmente muito próxima e muito específica. Foi super interessante para mim dar vida ao Royal Abbott e desde o primeiro minuto que li o guião, aquilo tornou-se como uma droga que não me alargava. Eu gosto de papéis contrastantes, gosto de fazer projetos como este que é assinado por um estreante.

Josh Brolin
Outer Range, Perry Abbott (Tom Pelphrey), Rhett Abbott (Lewis Pullman), Royal Abbott (Josh Brolin) © Prime Video

A série tinha algo de absurdo. Lembrei-me imediatamente de estar à procura de fazer um western semelhante àquele que o meu bom amigo Sam Shepard teria feito. Acho que o Brian Watkins soube respeitar as origens do género e consegui cruzar com o que atormenta a sociedade dos dias de hoje. Quis fazer uma série e regressar a um universo que abandonei há 20 anos. O Brian apresentou-se um projeto sobre uma família, mas que pode seguir em direções diversas e contar uma história com potencialidades ilimitadas.

MHD: E como foi servir de protagonista e produtor executivo de “Outer Range”?

Josh Brolin: Foi uma tarefa muito interessante, mas também severa. Lembro-me de alguns dias em que estava muito, mesmo muito frio e eu tinha que percorrer aquele fazenda de tronco nu quando estavam apenas 8ºC. Lembro-me de numa cena tentar não entrar em pânico, nem tremer. No final ri de tudo isto, mas foram 8 meses muito intensos, com alguma das cenas mais complicadas que filmei.

Também gostei desse malabarismo entre ator e produtor. Eu sempre fui alguém que esteve muito envolvido em produções, mas dado tratar-se de uma série eu percebi que o trabalho tinha que ser mais aprofundado. Tinha que prestar atenção aos atores, chegar a horas e perceber a criação de um objeto de entretenimento do ponto de vista financeiro, não apenas criativo, que é aquilo que acontece normalmente com um ator. Obviamente posso defender esse lado da produção, mas no final de contas o que importa é o resultado final. Se as coisas forem difíceis para os atores não terás um bom resultado.

Acho que o papel de produtor fica fora de mãos no momento em que estreias uma série, enquanto o ator é mais perseguido. As pessoas vão assistir à série e vão comentar o trabalho do ator, se era realmente o que esperavam ou não. Acho que é essa razão pela qual tenha valido a pena enfrentar os 8ºC na rodagem.

Josh Brolin
Outer Range, Autumn (Imogen Poots), Royal Abbott (Josh Brolin) © Prime Video

MHD: Como descreverias a tua personagem em “Outer Range”?

Josh Brolin: Durante toda a sua vida, o Royal tentou ser uma pessoa forte e protetora. Aquilo que vamos ver é possivelmente a rutura do seu mundo. Em tempos foi alguém que se tentava apegar à realidade, à sua família, mas que terá que trabalhar nisso quando as coisas se complicarem.

A minha personagem é extraordinária, que de repente vai ser confrontado com a sua própria fragilidade e a partir daí será criado o drama. “Outer Range” é uma série que também permitirá desmitificar certos pensamentos que temos sobre um pai de família, mas também sobre os elementos de uma comunidade no velho faroeste norte-americano. Pensámos que a vida era de uma certa maneira, mas afinal não é bem assim.

O Royal é uma personagem particular que, em certo modo, pode até ser um pai abusivo que tenta proteger o seu mundo, porque não viu algo realizado ou porque sente que aquela é a maneira mais justa de proteger os seus. Acho que essa é a pergunta que deveremos fazer, isto é, de entender de que modo as nossas preocupações como pais, são sinónimo de egoísmo. Foi assim que olhei para esta personagem. Não sei se o público vai contemplá-lo da mesma maneira, mas encontrará aproximações, por exemplo, no filme “King Richard”, onde é fácil perceber como um pai tenta proteger as suas filhas, por ser a única realidade que conhece ou com a qual cresceu.

Josh Brolin
Outer Range, Royal Abbott (played by Josh Brolin)

MHD: A tua personagem de certa maneira aproxima-se um pouco ao xerife Rooster Cogburn interpretado primeiro pelo John Wayne e depois pelo Jeff Bridges. O que acha que o universo dos cowboys tem de tão fascinante?

Josh Brolin: Acho que a minha personagem remete para a mesma simplicidade presente nessa personagem. Acho que remete a um tempo muito simples, direto e controlado da história dos Estados Unidos. Não sei se alguma vez aquele tempo foi assim, mas temos essa percepção através do género.

Eu também sinto que o género faroeste americano tem algo de fascinante pela forma como oiço o meu pai e a forma como descreve aquele período da sua juventude. Vejo um brilho nos seus olhos. O meu pai descreve as coisas com enorme simplicidade. Hoje é tudo tão complexo que deixámos de ver a parte mais simples. O mundo dos cowboys faz-me ver a vida de uma forma ligeira.

O Royal Abbott vê as coisas dessa maneira, até que a reviravolta acontece. Acho que é importante perceber como é que um ser humano pode quebrar-se como é finalmente confrontado com alguma coisa. Isso é interessante em todos os níveis para mim.

MHD: Obrigado Josh. 

Sobre o Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *