© Sundance Institute

Sundance 2022 | When You Finish Saving the World, em análise

Jesse Eisenberg é conhecido pelos seus notáveis ​​créditos em “Zombieland”, “The Social Network” ou “Batman v Superman: Dawn of Justice”. No entanto, à medida que os seus papéis se tornaram cada vez mais formulaicos devido aos seus personagens repetitivamente peculiares, o mesmo aconteceu com a opinião geral divisiva sobre as suas habilidades enquanto ator.

When You Finish Saving the World
© Sundance Institute

“When You Finish Saving the World” é uma daquelas submissões para festivais que geram muita curiosidade devido à estreia na realização de um ator famoso. Eisenberg adapta o seu próprio áudio-drama de 2020 para o grande ecrã, ironicamente recebendo uma resposta também ela divisiva. Infelizmente, esta cai no lado mais negativo, principalmente devido aos protagonistas desprezíveis.

Julianne Moore interpreta Evelyn, a mãe, enquanto Finn Wolfhard interpreta o seu filho, Ziggy. Duas personagens insuportáveis, egocêntricas, ciumentas e extremamente frustrantes que passam todo o tempo de execução mostrando o quão hipócritas são, de todas as maneiras e feitios. Os atores são ótimos no seu trabalho de fazer os espetadores odiarem as suas personagens, tanto como indivíduos como uma relação mãe-filho. Evidentemente, esta é a visão distintamente honesta e o storytelling com propósito de Eisenberg, contendo mensagens subjacentes sobre paternidade, adolescência, educação, política, meio ambiente e outros tópicos interessantes. O problema pode ser descrito como uma faca de dois gumes…

A essência da história é transmitida com sucesso, mas através de um ponto de vista negativo mais incomum. Se o público consegue entender que uma relação mãe-filho não deve ser como a de Evelyn e Ziggy, então Eisenberg fez um bom trabalho ao passar exatamente isso. O problema é que, para cumprir essa missão, o realizador estreante obriga os espetadores a aguentarem noventa minutos com protagonistas horríveis sem ver os mesmos completar um arco convincente. No final do filme, ambas as personagens aparentemente permanecem igual, mostrando apenas um vislumbre de mudança – dura menos de um par de minutos – que pode facilmente desaparecer no dia seguinte, o que é uma maneira dececionante de terminar um filme tão difícil de assistir.

Tecnicamente, elogios devem ser direcionados à banda sonora de Emile Mosseri. Sem qualquer diálogo ou conhecimento prévio sobre os protagonistas, os géneros de música distintos que tocam sobre cada personagem – melodias pensativas com Evelyn, folk rock com Ziggy – contam muito aos espetadores sobre as suas diferenças, mas também mostram as suas semelhanças misturando as suas faixas individuais ao mesmo tempo. Um toque bonito que eleva a obra geral.

Sundance 2022 | When You Finish Saving the World, em análise
Sundance Film Festival

Movie title: When You Finish Saving the World

Movie description: From his bedroom home studio, high school student Ziggy (Finn Wolfhard) performs original folk-rock songs for an adoring online fan base. This concept mystifies his formal and uptight mother, Evelyn (Julianne Moore), who runs a shelter for survivors of domestic abuse. While Ziggy is busy trying to impress his socially engaged classmate Lila by making his music less bubblegum and more political, Evelyn meets Angie (Eleonore Hendricks) and her teen son, Kyle (Billy Bryk), when they seek refuge at her facility. She observes a bond between the two that she’s missing with her own son, and decides to take Kyle under her wing against her better instincts.

Date published: 21 de January de 2022

Country: EUA

Duration: 88'

Director(s): Jesse Eisenberg

Actor(s): Julianne Moore, Finn Wolfhard, Alisha Boe, Jay O. Sanders, Billy Bryk, Eleonore Hendricks

Genre: Comédia, Drama

[ More ]

  • Manuel São Bento - 40
40

CONCLUSÃO

“When You Finish Saving the World” mostra os atributos sólidos de Jesse Eisenberg como realizador estreante, mas a história pouco recompensadora liderada por dois protagonistas insuportáveis ​​torna-se difícil de assistir. Julianne Moore e Finn Wolfhard são excelentes em convencer os espetadores a odiarem as suas personagens frustrantemente hipócritas e narcisistas, que desapontantemente falham em mostrar qualquer tipo de curva de aprendizagem ou um arco completo. Eisenberg definitivamente possui uma visão firmemente honesta, garantindo que todas as cenas possuam um propósito claro e uma mensagem subjacente. No final das contas, é apenas uma questão de perspetiva: reconhecer a falta de uma relação saudável entre mãe e filho é uma prova inegável de um storytelling eficiente, mas o terceiro ato realmente necessitava de uma conclusão mais impactante e menos subtil.

Sending
User Review
4 (1 vote)
Comments Rating 0 (0 reviews)

Manuel São Bento

Um jovem engenheiro de 28 anos com uma paixão tremenda por cinema, televisão e a arte de filmmaking. Opiniões baseadas numa perspetiva imparcial de quem não vê trailers desde 2016. Membro de associações de críticos internacionais como GFCA, IFSC e OFTA. Aprovado no Banana Meter. Redes sociais através de @msbreviews.

Manuel São Bento has 30 posts and counting. See all posts by Manuel São Bento

Leave a Reply

Sending