TOP Interpretações Nicole Kidman | 7. The Paperboy – Um Rapaz do Sul

                   

Se alguma vez duvidares da capacidade camaleónica de Nicole Kidman para se entregar a um papel… lembra-te de The Paperboy – Um Rapaz do Sul.

Talvez pelo prestígio que hoje em dia é sinónimo do seu nome ou pela qualidade marmórea da sua tez, Nicole Kidman é alguém que associamos a uma persona meio rígida e prestigiosa, cheia de virtuosismo interpretativo em performances frias e reprimidas. Nada podia estar mais longe da verdade e não há melhor maneira de provar isso do que ver o modo como a atriz australiana está sempre pronta a atirar-se de cabeça a um papel carnudo e à visão de realizadores audazes. Há poucas visões mais audazes que a de Lee Daniels em The Paperboy, isso é certo.

Lê Também:
The Paperboy - Um Rapaz do Sul, em análise

Este thriller sulista vive da atmosfera opressiva dos pântanos e salas fechadas, quentes e bafientas, onde permeia o cheiro de suor, maquilhagem velha e o fumo de mil cigarros. Kidman, mais do que se contrapor a tais excessos atmosféricos, personifica o ambiente com a sua Charlotte Bless, uma esteticista com nome de stripper e um gosto perigoso por criminosos atrás das grades.

É verdade que os desejos autodestrutivos de Charlotte são o catalisador do enredo criminal deste melodrama transpirado, mas Kidman está longe de ser a protagonista do filme. Contudo, tal é a monumentalidade do seu trabalho e convicção que o filme parece contorcer-se de modo a se transfigurar num estudo de Charlotte em toda a sua venenosa glória, cheia de impulsos irracionais e um desejo que queima. Afinal, quando ela está em cena, é impossível tirar os olhos de Kidman e, quando está ausente, é difícil não contar os minutos até à sua próxima aparição.

Kidman esteve encarregue da sua própria maquilhagem e cabelos no plateau de The Paperboy e os exageros de grotesco cosmético a que esteve disposta ir, até a Bette Davis dariam inveja. No entanto, o visual da personagem é só a ponta do iceberg de bravura enlouquecida da atriz neste papel. Veja-se a cena em que ela simula sexo oral para um noivo psicopata em que ela ainda não pode tocar ou o infame momento em que urina por cima do corpo inconsciente de Zac Efron. Promíscua, louca, mal-educada, repugnante, magnética e angelical, Kidman é tudo isso e muito mais em The Paperboy.

 

                   

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *