Veneza 74: Na Senda dos Óscares

74º Festival de Cinema de Veneza começa quarta, 30 de Agosto e vai até 9 de Setembro. Além das estrelas de serviço, Benicio Del Toro, George Clooney, Matt Damon, Robert Redford, Jane Fonda, Matt Damon, Julianne Moore, Helen Mirren e Jennifer Lawrence, entre outros, como tem sido habitual vão estar na competição do festival, alguns dos potenciais candidatos aos Óscares 2018. Surpreendentemente este ano não há filmes portugueses.
 

Vê O Trailer Do Veneza 74

 
Começa a ser um hábito de quem vai à Mostra de Veneza, vai já com o intenção de ver em primeira mão na Europa alguns dos potenciais candidatos aos Óscares e as grandes novidades da season americana, até ao final do ano. Tem sido assim nos últimos anos num circuito de premieres exclusivas, que acaba por ter continuidade no Festival de Toronto, cada vez mais em crescente, e que do outro lado do Atlântico quase coincide em datas com a competição do Lido de Veneza. A disputa entre os festivais mantêm-se embora mais suavizada, mas este ano a 74 ª Mostra de Veneza, para além da calma aprazível de um final de verão no Lido, tem vários interesses acrescidos, embora e com grande surpresa não integre filmes portugueses, em nenhuma das competições. Isto, num momento de grande afirmação nacional em todos os planos — Portugal e tudo o que se faz por cá está na moda — e num festival que mais tem empurrado e muito tem feito pelo cinema português no plano internacional.
 

OS JURADOS

A actriz Annette Bening preside ao júri, sendo a primeira mulher em 11 anos a ser escolhida para encabeçar um orgão, este ano muito bem constituído: a realizadora e argumentista húngara Ildikó Enyedi; o realizador, argumentista e produtor mexicano Michel Franco; o cineasta de Taiwan Yonfan; e o realizador britânico Edgar Wright; e também as actrizes Rebecca Hall (Inglaterra), Anna Mouglalis (França) e Jasmine Trinca (Itália); além do crítico anglo-australiano David Stratton, (não confundir com o actor norte-americano). A este ilustre grupo caberá a atribuição dos prémios principais de Veneza 74, desde o Leão de Ouro ao Prémio Marcello Mastroianni para o Melhor Jovem Actor, entre outros.
 

Veneza 74
Annette Bening, presidente do júri de Veneza 74.

 

UMA SELEÇÃO DE LUXO

E assim, Veneza 74 começa já em força na próxima quarta, com o filme Downsizing, uma sátira de Alexander Payne, protagonizada por Matt Damon — que integra a competição oficial pelo Leão de Ouro —, mas trás também, entre outros Guillermo Del Toro — a fantasia The Shape of Water —, George Clooney — num saudado retorno do actor atrás das câmaras depois da paternidade, em Suburbicon, escrito com os irmãos Coen e protagonizado Matt Damon. Segundo a influente e bem informada revista The Hollywood Reporter, a competição de Veneza 74, tem na sua lista oficial, filmes que podem ser potenciais candidatos aos Óscares 2018: Mother, do irreverente norte-americano Darren Aronofsky, The Leisure Seeker, primeiro filme americano do italiano Paolo Virzì, e o muito aguardado Mektoub, My Love: Canto Uno, do franco-tunisino Abdellatif Kechiche. Este ano efectivamente não há filmes portugueses, mas fora de competição, Veneza 74 acolherá o há já muito esperado Zama, da argentina Lucrecia Martel, uma co-produção com o Brasil, com Matheus Nachtergaele (Big Jato) e Mariana Nunes (São Jorge) no elenco e com direcção de fotografia do português Rui Poças.
 

Vê O Trailer De “Downsizing”


A competição de Veneza 74 incluirá ainda muito da diversidade do cinema mundial e uma competição muito forte de obras de grandes cineastas-autores como Stephen Frears com Victoria & Abdul, com Judi Dench a fazer de Rainha Victoria, Takeshi Kitano em mais um filme da série Outrage (Outrage Coda), o japonês Hirokazu Koreeda, com Sandome No Satsujin. E como habitualmente quatro filmes italianos vão estar presentes igualmente no concurso internacional, demonstrando que ainda sobrevive à glória.  A competição incluirá ainda os documentários Human Flow, do activista chinês Ai Weiwei, sobre a crise global dos refugiados, e Ex­libris, The New York Public Library, de Frederick Wiseman, e várias produções Netflix: a série italiana Suburra, — feita a partir do filme — a série Wormwood, do realizador Errol Morris, ou o filme Our Souls at Night, do jovem realizador indiano Ritesh Batra (A Lancheira).
 

Veneza 74
Redford e Fonda em ‘O Cavaleiro Eléctrico’ (1979), de Sydney Pollack.

 

HOMENAGEM FONDA/REDFORD

Our Souls at Night serve igualmente de pretexto para uma homenagem à lendária dupla de actores Robert Redford/Jane Fonda, que receberão este ano um Leão de Ouro de Carreira. Fonda e Redford,  têm quase seis décadas de carreira, contracenaram juntos, pela primeira vez, há 50 anos. Esta é a quarta vez que Robert Redford, de 80 anos, e Jane Fonda, de 79 anos, protagonizam um filme juntos. A primeira longa metragem em que entraram foi The Chase (1966), ao lado de Marlon Brando. Seguiram-se Descalços no Parque (1967) e O Cavaleiro Elétrico (1979), realizado por Sydney Pollack. Este Our Souls at Night é baseado no romance homónimo do escritor Kent Haruf, publicado em 2015, e foi adaptado para o cinema por Scott Neustadter e Michael H. Weber (autores do  argumento de A Culpa é das Estrelas).

Vê trailer de ‘Our Souls Night’


 
Our Souls at Night centra-se nas personagens de Addie Moore (Jane Fonda) e de Louis Waters (Robert Redford), dois vizinhos numa pequena localidade do Colorado. Apesar de sempre terem vivido perto um do outro, Addie e Louis nunca foram muito próximos. Essa relação começa a mudar depois de Addie fazer uma visita inesperada a Louis, procurando estabelecer uma ligação. Os dois, viúvos e com os filhos longe, começam então uma relação que se torna tema de conversa no bairro inteiro. Além de Fonda e Redford, Our Souls at Night, conta ainda com a participação dos atores Bruce Derm, Judy Greer, Matthias Schoenaerts e Ian Armitage.
 

Veneza 74
‘Cousin, cousine’, do documentarista e etnólogo francês Jean Rouch (1917-2004).

 

O VIRTUAL E O REAL

Ainda no âmbito do centenário do nascimento do documentarista e etnólogo francês Jean Rouch (1917-2004), estreia Cousin, cousine, um filme inédito, e o único que o realizador fez em Veneza. Trata-se de uma curta-metragem a cores, com a duração de 31 minutos, que conta com as interpretações do actor nigeriano Damouré Zika e da também realizadora e etnóloga nigeriana Mariama Hima. A este propósito Veneza 74 dá ainda espaço para o visionamento de outros clássicos do cinema, em cópias restauradas, este ano entre outras: 1900, de Bernardo Bertolucci e Deux ou Trois Choses que me Sais d’Elle, de Jean-Luc Godard. O director da Mostra de Veneza, Alberto Barbera, anunciou ainda para este ano, uma nova competição dedicada à realidade virtual, com o júri presidido pelo realizador John Landis: “Não será o futuro do cinema, mas outra coisa. É um sector de experimentação”, disse o director de Veneza 74, na conferência de imprensa que anunciou a programação de Veneza 74, no início deste mês. Por último,  sempre imprevisível e excitante secção Horizontes abrirá com o filme Nico 1988, de Susanna Nicchiarelli, sobre a modelo e cantora Nico, que integrou os Velvet Underground e foi a musa de Andy Warhol.
 
José Vieira Mendes

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colabora no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’, ( 2014). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’,(2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’, (2012) Mostras de Cinema da América Latina 2010 e 2011, 'Vamos fazer Rir a Europa', 2014 e Mostra de Cinema Dominicano, 2014 e Cine Atlântico, Terceira, Açores. É o Director de Programação do Cine’Eco- Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela desde 2012. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *