Viola Davis

Viola Davis: se me chamam de “Meryl Streep negra”, o melhor é pagarem-me o que valho

Viola Davis afirmou que se Hollywood a quer chamar de “Meryl Streep negra”, então é melhor começarem a ajustar o valor da atriz.

Em entrevista à jornalista Tina Brown, durante o evento Women in the World Salon, Viola Davis partilhou a sua reacção à alcunha de “Meryl Streep negra”, afirmando que não se irá contentar com menos do que vale:

Eu tenho uma carreira que provavelmente pode ser comparada à de Meryl Streep, Julianne Moore, Sigourney Weaver. Elas saíram todas de Yale, de Juilliard, da NYU. Elas tiveram o mesmo percurso que eu e, ainda assim, eu não estou nem perto delas. Nem perto do dinheiro, nem oportunidades de trabalho, nem perto de lá chegar.

Lê Também:
E as atrizes mais bem pagas do cinema em 2017 são...

A vencedora de um Óscar da Academia respondeu ainda que se dizem que não há ninguém como ela, então esse valor deve ser reconhecido. Davis reforçou que não é caso singular ou diferente, já que regra geral não são oferecidos às mulheres de cor os mesmos papéis que às atrizes caucasianas. A atriz defende que espera ser parte da solução para esta questão.

Temos uma Shailene Woodley, que é maravilhosa. E ela pode ser a capa de 37 revistas num ano – 37! E teremos outra pessoa, uma jovem atriz negra, que está ao mesmo nível que Woodley, e ela pode conseguir 4. E faz sentido, na nossa cultura, que fiquemos satisfeitos com isto.

A protagonista de “How to Get Away with Murder” falou sobre a sua relação com Meryl Streep, o ano passado à ET, confessando que apesar de nem sempre reconhecer o seu próprio valor, a galadoarda atriz reconhece.
O que adoro na Meryl é que sinto que ela me vê. Sinto que as suas palavras nunca são aleatórias. Tenho a sensação que elas são muito específicas e pensadas, e isso faz-me sentir bem. Faz-me sentir que ela é uma amiga verdadeira, que ela me acolhe.

VÍDEO | ASSISTE À ENTREVISTA COMPLETA DE VIOLA DAVIS

Acompanhas o trabalho da atriz? Conheces todas as suas facetas?

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *