Agnès Varda em "Olhares Lugares" | © Midas Filmes

10 realizadoras que já deviam ter ganho o Óscar

Para celebrar o Dia da Mulher, a Magazine HD decidiu listar 10 mulheres que já mereciam ter ganho o Óscar para Melhor Realização. Até hoje, só uma realizadora conquistou essa honra.

Por muito que a Hollywood dos nossos dias se possa congratular pelo progresso feminista, ainda há muito que precisa de melhorar. Mulheres são constantemente menosprezadas na indústria cinematográfica e as suas janelas de oportunidade são bem mais raras que aquelas concedidas aos seus colegas homens. Basta vermos quão raro é ver qualquer presença feminina entre os nomeados para o Óscar de Melhor Realização.

Os Óscares já existem desde 1928, mas, até hoje, só cinco realizadoras foram nomeadas para o grande prémio. Elas são Lina Wertmüller, Jane Campion, Sofia Coppola, Kathryn Bigelow e Greta Gerwig. Entre elas, só Bigelow conquistou a estatueta doirada, sendo que o seu filme “Estado de Guerra” também ganhou a honra máxima de Melhor Filme.

Lê Também:
Pioneiras da 7ª Arte | Alice Guy-Blaché e Lois Weber

Para celebrar o Dia da Mulher, vamos listar aqui o nome de dez realizadoras que já deviam ter conquistado o Óscar para Melhor Realização. Nunca digam que não há mais realizadoras vencedoras por qualquer falta de talento. A triste verdade é que, apesar de elegíveis, muitas delas nem sequer foram nomeadas. Enfim, o mundo é injusto e o melhor que podemos fazer para honrar estas artistas é ver o seu trabalho e aplaudir os seus filmes.

Sem mais demoras, aqui ficam dez realizadoras que já deviam ter ganho o Óscar. As imagens em destaque são fotos dos filmes pelos quais elas deviam ter triunfado.

Lê Também:
Jane Campion | Mestra da Sétima Arte

1 de 10

ANDREA ARNOLD

american honey oscar
“American Honey” | © NOS Audiovisuais

Esta extraordinária realizadora inglesa já tem um Óscar graças ao seu trabalho em curtas-metragens, mas falta-lhe a merecida honra para Melhor Realização. De facto, Arnold nunca foi nomeada nessa categoria apesar de ser uma favorita dos críticos e do circuito dos festivais. Aliás, três dos seus filmes foram premiados em Cannes, sendo que “American Honey”, estreado em 2016, é aquele pelo qual Arnold devia ter conquistado o Prémio da Academia. Entre detalhes imersivos e ousada sonoplastia, prestações naturalistas e ritmos idiossincráticos, este é um trabalho primoroso.

1 de 10

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *