75º Festival de Veneza (2) | ‘The Favourite’: As Senhoras Gostam de Divertir-se

Após ‘A Lagosta’ e ‘O Sacrificio do Cervo Sagrado’, o cineasta grego Yorgos Lanthimos foi para a Inglaterra do século XVIII para realizar um fabuloso drama histórico intitulado ‘The Favorite’. O filme é protagonizado por Emma Stone, Rachel Weisz e Olivia Coleman.

Embaixador de excepção no cinema mundial, mas com origens na Grécia, realizador trágico e catártico, Yorgos Lanthimos, no seu último filme ‘O Sacrifício de Cervo Sagrado’, trouxe-nos um thriller passado no presente, assente num conjunto de geringonças, relógios e estranhos personagens saídos do passado, mas inspirados no arcaísmo do dramaturgo clássico Eurípides. Agora na competição de Veneza regressou de uma forma um pouco mais convencional para o que estamos habituados, com um drama histórico intitulado ‘The Favorite’. Trata-se de uma obscura intriga de cortesãs passada na Inglaterra do século XVIII, no reinado de Anna Stuart. Num registo concebido entre ‘Marie Antoinette’, de Sofia Coppola’ e ‘Barry Lyndon’, de Stanley Kubrick, e que faz lembrar também a série The Crown. Mas na verdade, o novo filme de Lanthimos vale imediatamente pelo trio de protagonistas que acolhe: Olivia Colman, que já tinha colaborado com Lanthimos em ‘A Lagosta’ e foi actriz da magnífica série ‘Broadchurch’; Emma Stone, a atriz de ‘La La Land: Melodia de Amor’ e do próximo Netflix, intitulado ‘Maniac’; e Rachel Weisz (à espera de um filho de Daniel Craig), a actriz britânica, que já tinha trabalhado com Lanthimos, tambémm em ‘A Lagosta’, e foi protagonista de ‘Desobediência’, a primeira e recente incursão do chileno Sebastián Lelio, (‘Uma Mulher Fantástica’), em rodagens em língua inglesa.

The Favourite
Lady Sarah (Rachel Weisz) é que governa o país, da frágil Rainha Anne Stuart da Inglaterra do séc. XVIII.

No início do século XVIII, apesar da Inglaterra estar em guerra com a França, as ridículas corridas de patos, festas e banquetes são correntes na Corte. A frágil rainha Anne (Olivia Coleman) é quem ocupa o trono, no entanto é a sua amiga íntima Lady Sarah (Rachel Weisz) que governa o país em seu lugar, cuidando da saúde e do carácter imprevisível da monarca. Abigail (Emma Stone) a nova empregada chega, e com o seu charme consegue cair nas boas graças de Sarah, que a coloca sob sua protecção, fazendo com a jovem vislumbre uma oportunidade de voltar às suas raízes aristocráticas. Enquanto a política de guerra vai absorvendo Sarah quase completamente, Abigail pouco a pouco toma o seu lugar como a companheira da rainha. Uma amizade florescente e uma intrincada intriga permite que Abigail consiga realizar as suas ambições, não permitindo que uma mulher, um homem, uma qualquer questão política ou mesmo um coelho de estimação a desviem dos seus objectivos pessoais de ascensão na corte.

Lê Também:
75º Festival de Veneza (2) | Os Eleitos do Lido

TRAILER | ‘THE FAVOURITE’ COM EMMA STONE

‘The Favorite’, o novo filme de Yorgos Lanthimos é uma combinação de intriga de palaciana e comédia louca, com um sentido de humor e uma descontração pouco habitual nos seus filmes anteriores, marcados quase sempre pela tensão e pelo inesperado. No entanto, se o filme é rico no excesso da realeza e sofisticação, consegue igualmente ter uma pitada de loucura, especialmente na figura da rainha Anne, interpretada por Olivia Colman, o centro de todas as ‘ligações perigosas’ que marcam a intriga do filme. Mesmo assim maioria das coisas que acontecem, parece um tanto incidentais e realistas, por vezes sob o olhar deformado da lente ‘olho de boi’, utilizada em muitas cenas na sua maioria interiores.

The Favourites

A grande atração ‘The Favorite’ são efectivamente as três atrizes que disputam tremendas interpretações nos diálogos ritmados, ora enquanto disparam pistolas sob o céu cinzento dos jardins da corte, enchem seus rostos com bolo e chocolate ou se preparam para competir com lagostas antes de comê-las: ‘às vezes uma senhora gosta de se divertir’, diz Weisz a dada altura. Este filme é pois uma espécie de reunião de Weisz e Colman que protagonizaram ‘A Lagosta’ em 2015, e de Stone que se junta à festa encaixando na perfeição com as outras duas brilhantes actrizes. Destaque para um guarda-roupa de época notável, aliás como toda a direcção artística e musical, que vão marcando os momentos de inflexão no filme. Para aqueles que gostam de séries como ‘The Crown’, este ‘The Favorite’ pode ser um complemento mais ágil para uma dieta de televisão e para um retorno ao grande ecrã, e à sofisticação de  velhos filmes como ‘Ligações Perigosas’(1988), de Stephen Frears. Recordo que também para os que viram em ‘The Crown’, um registo demasiado sério e formal, neste ‘The Favorite’, poderão encontrar a mistura certa de drama de época, com a comédia alegre e excêntrica.

José Vieira Mendes (no Lido de Veneza)

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colabora no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’, ( 2014). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’,(2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’, (2012) Mostras de Cinema da América Latina 2010 e 2011, 'Vamos fazer Rir a Europa', 2014 e Mostra de Cinema Dominicano, 2014 e Cine Atlântico, Terceira, Açores. É o Director de Programação do Cine’Eco- Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela desde 2012. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *