Big Little Lies: O triunfo das mulheres na TV

Se ainda não viram Big Little Lies, está na altura de o fazerem! A nova mini-série da HBO é magnífica e as senhoras dominam com garra!

A mulher. Um ser triunfante e indescritível. Uma força da natureza indomável e um tesouro a ser respeitado, admirado e que nunca deve ser subestimado. Ser-se homem e falar de mulheres sem reconhecer o seu valor, a sua beleza e a sua importância, não é ser-se homem, é ser-se desumano.

Esta crónica irá abordar questões importantes sobre o feminismo de Big Little Lies e poderá conter SPOILERS. Fica à responsabilidade do leitor se quiser continuar a ler a partir deste momento.

Big Little Lies

Lê mais: Peak TV: A televisão em crescimento

Big Little Lies é a nova aposta do canal HBO e que em Portugal encontrou casa com o TVSéries. É uma mini-série de sete episódios e que acompanha a vida de três mulheres na pequena comunidade de Monterey, nos Estados Unidos. Madeline é mãe de duas filhas, casada com um homem sincero e bondoso, com uma vida estável e personalidade “maior do que a vida”. É, portanto, a “mulher perfeita” de quem todos gostam de falar e invejar. Celeste é mãe de dois gémeos e casada com Perry, um homem atraente e, aparentemente, muito jovem para a acompanhar, de acordo com os restantes habitantes de Monterey. É uma advogada que abdicou da sua carreira para se dedicar à família e que esconde um segredo perigoso que, por conseguinte, está camuflado por um casamento aparentemente idílico aos olhos de quem está de fora.

Lê Também:
Jamie Dornan e Sebastian Stan competem pelo coração de Shailene Woodley

Para encerrar este trio protagonista temos Jane Chapman, uma mãe solteira que decide começar uma nova etapa da sua vida em Monterey, mas cuja chegada parece incomodar a maioria dos habitantes da comunidade. Temos ainda Renata, uma mulher influente que parece não ser aceite pela elite protagonista e que é constantemente colocada de parte por Madeline; e ainda Bonnie, a atual esposa hippie do ex-marido de Madeline, que é altamente repudiada pela mesma.

Lê também: Aquele pedacinho de alma

Há vários aspetos que unem todas estas indivíduas. Todas elas são mães e todas elas estão ligadas por um acontecimento: um homicídio envolto em mistério. Realizada por Jean-Marc Vallée e adaptada do romance de Liane Moriarty por David E. Kelley, Big Little Lies é um retrato importante de como as mulheres são vítimas de vários tipos de abusos; desde a sua objetivação pela maioria dos habitantes masculinos, passando pela descredibilização da sua aparente felicidade, até à violência doméstica e à violação sexual. A dicotomia entre a força e a fragilidade destas senhoras torna-se uma mensagem poderosa que transcende a simbologia do entretenimento televisivo.

Big Little Lies

Confere: A linha ténue que separa Hollywood da Política: Óscares 2017

Big Little Lies começa por explorar as diferenças entre as suas protagonistas e culmina num final intenso que força uma união entre elas. O feminismo da série nem sempre é direto mas, aos poucos, o espectador vai conhecendo as facetas mais destemidas das personagens. Estas são mulheres que não têm medo de se expor às exigências mais profundas do seu meio; são fortes mesmo em situações que as deixam vulneráveis.

Lê Também:
Bryan Cranston e Kevin Hart juntos em remake de Amigos Improváveis

Reese Witherspoon, Nicole Kidman e Shailene Woodley são nomes que já conhecemos bem, mas é nesta mini-série que encontram alguns dos seus melhores trabalhos. Madeline é uma mulher com garra e língua afiada mas esconde do mundo um caso amoroso ilícito; Celeste é bela e bem-sucedida, mas é agredida física e psicologicamente pelo seu marido e Jane é uma doce jovem e mãe-galinha de um menino que foi fruto de uma violação. Todas estas pequenas grandes mentiras servem de apoio à dimensão dramática que enriquecem as personagens, ao passo que nos ajudam a criar uma empatia ainda mais poderosa com elas.

A conclusão mais evidente do feminismo de Big Little Lies é que a mulher é uma criatura que, ao contrário do homem, é capaz de se amar e repudiar com classe. É um ser independente, lutador e deslumbrante. As senhoras de Big Little Lies são precisamente a personificação de que as mulheres, unidas, são a mais poderosa força da natureza.

Consulta: Séries da televisão portuguesa, em Abril

TRAILER | BIG LITTLE LIES

Ficaram fãs de Big Little Lies?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *