West Side Story

“A História dos Formatos” na Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema

1 de 5

A partir da próxima semana a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema dá inicio à rubrica “A História dos Formatos”, parte do ciclo “Histórias do Cinema”, e que conta com vários filmes imperdíveis.

Desde Setembro de 2011 que a Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema apresenta uma programação regular no âmbito do ciclo “Histórias do Cinema”. Mas já a partir da próxima semana, a instituição apresenta uma nova rubrica, proporcionando uma maior diversidade temática.

“A História dos Formatos” é a nova rubrica que propõe um panorama histórico dos formatos do cinema incluindo formatos de película e proporções de imagem. O principal objectivo da Cinemateca Portuguesa é fazer o espectador embarcar numa viagem em torno das relações históricas da sétima arte com o seu material base.

Para ajudar o espectador neste entendimento e compreensão dos tão distintos formatos cinematográficos, as sessões serão apresentadas por Jean-Pierre Verscheure, historiador, coleccionador e restaurador belga. Jean-Pierre Verscheure é também responsável pelo laboratório de restauro de som Cinévolution, com sede na Bélgica.

CINEMATECA PORTUGUESA APRESENTA “A HISTÓRIA DOS FORMATOS”

Cinemateca Portuguesa

Jean-Pierre Verscheure

Durante toda a semana (de segunda 19 a sexta 23), Jean-Pierre Verscheure falará ao público na evolução dos formatos, apontando ainda à sua linguagem estética, ou seja, aos aspectos de realização de um filme. Segundo o próprio,
No cinema, a palavra ‘formato’ significa e designa duas dimensões distintas: por um lado, a largura da película e, por outro, a relação entre as medidas da imagem impressa sobre esta última (“aspect ratio”). Ao longo desta semana, iremos estudar a evolução dos formatos da película e dos “aspect ratio” que foram introduzidos na distribuição cinematográfica desde Edison e dos Irmãos Lumière até à chegada do cinema digital. […] A palavra “formato” não se refere apenas às relações entre medidas da imagem mas também às consequências de cada processo na qualidade da imagem em termos de definição, no tipo de espaço cénico em termos de profundidade de campo, nos problemas de composição da imagem em relação à narrativa.
A Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema realizará em breve uma segunda sessão desta rubrica “A História dos Formatos”. A data exata a anunciar também contará com a presença de Jean-Pierre Verscheure.

Em baixo podes conhecer quais os filmes escolhidos por Jean-Pierre Verscheure para esta primeira sessão-conferência. As sessões-conferências começam sempre às 18h e são realizadas em inglês. Os bilhetes podem ser adquiridos na bilheteira da Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema.

“Safety Last” (1923), 19-02 18h

Cinemateca Portuguesa

Um dos mais emblemáticos filmes da comédia do período mudo norte-americano, “Safety Last” é, também, uma das mais conhecidas aventuras de Harold Lloyd, mítico ator cómico lembrado pelos seus óculos e proezas físicas que o equipararam, no pico da sua popularidade, a Buster Keaton e Charlie Chaplin. O filme de Fred C. Newmeyer e Sam Taylor viria a trazer uma das imagens mais icónicas deste período da história do cinema: Harold Lloyd pendurado no cimo de um prédio, agarrado aos ponteiros de um relógio, com o movimento urbano da cidade a passar por baixo das suas pernas. A apresentar em cópia 35 mm com intertítulos em inglês e francês, em formato mudo 1,33 e velocidade próxima da original, na versão sonorizada de 1974 com a música Rag Time de Don Huette.

1 de 5

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *