Crédito editorial: Featureflash Photo Agency / Shutterstock.com (ID:374973592)

Interview with the Vampire | Alan Taylor revela a complexidade da nova série do AMC

À conversa com Alan Taylor, tivemos a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a sua experiência a trabalhar em “Interview with the Vampire”, a nova série do AMC.

Depois de uma breve passagem pelo grande ecrã, Alan Taylor está de regresso às séries de TV que o tornaram famoso em todo o mundo. O cineasta foi responsável por realizar alguns dos maiores episódios da série “Game of Thrones“, um projeto que lhe abriu as portas a embarcar para o cinema com “Thor: O Mundo das Trevas“, “Exterminador: Genisys” e “Os Santos Mafiosos de Newark“. No entanto, nos anos mais recentes o cineasta tem regressado à televisão, estando responsável por episódios de séries como “No Meio da Multidão” e “Interview with the Vampire”.

Lê Também:   Interview with the Vampire | Eric Bogosian fala sobre a experiência de contracenar com vampiros na série do AMC

Ao longo da sua carreira na TV Taylor conseguiu quatro nomeações para os Emmy, não só com “Game of Thrones“, mas também com “Mad Men” e “Os Sopranos“. Os esforços na realização deste último projeto deram-lhe mesmo direito a levar a cobiçada estatueta para casa.

Lê Também:   Os melhores realizadores de filmes de ficção científica de sempre

Em “Interview with the Vampire” o cineasta teve a oportunidade de realizar os dois primeiros episódios da série, estabelecendo o estilo visual e sonoro de toda a obra. Em entrevista com o realizador, tivemos a oportunidade de descobrir não só o que o atraiu para o projeto, mas também a influência da cidade de Nova Orleães na série, bem como o papel da música na história.

Os novos episódios da série chegam ao AMC, todas as segundas-feiras, pelas 22h10.


ALAN TAYLOR EM ENTREVISTA

Interview with the Vampire AMC
©AMC

Como é que se envolveu neste projeto e o que é que o atraiu para o material?

Li o romance há anos, na altura em que me mudei para Nova Iorque e, de alguma forma, o meu entusiasmo com o romance e o meu entusiasmo por estar em Nova Iorque fundiram-se na minha memória. Sempre adorei o livro e recebi uma chamada para me encontrar com Rolin Jones e Mark Johnson. Depois de uma conversa e de um jantar, em que falámos apenas de Anne Rice e de vampiros, o assunto ficou arrumado. Parecia que estávamos todos na mesma página sobre o que nos estava a entusiasmar.

Porque é que era tão importante filmar em Nova Orleães?

Adoro a cidade e um dos prazeres de fazer esta série é o facto de ser uma carta de amor a Nova Orleães, tanto quanto aos vampiros. O afeto de Anne Rice pela cidade influenciou a sua visão de tudo isto. A sua escrita faz referência a locais muito específicos da cidade e foi um ponto de orgulho e um sinal de respeito filmar na Royal Street, na Gallier House, a casa que ela escolheu para melhor representar o local onde Louis, Lestat e Claudia teriam vivido no Bairro Francês.

Lê Também:   Planos de subscrição da Prime Video desaparecem sem explicação e deixam utilizadores preocupados

Existem cenas ou passagens chave do livro que o inspiraram quando estava a desenvolver a visão para os episódios que realizou?

Uma das coisas que impressiona qualquer pessoa que leia o primeiro romance é o facto de passar pelo processo de transformação com Louis. É ele que nos leva a ultrapassar o limiar, contando-nos a história do que é ser humano e a nossa luta contra a condição humana, até ao sentimento de libertação, mas também a maldição que envolve a criação e a passagem da fronteira para o vampirismo. Isso foi muito forte para mim no romance, e a fase inicial em que Louis é trazido para esta nova vida foi uma das principais histórias que eu queria poder contar.


Interview with the Vampire AMC Estreia
© AMC

Em que é que se basearam para criar o visual geral dos vampiros?

Em termos do aspeto dos nossos vampiros, tomámos decisões desde o início com base na mitologia de Anne Rice. O seu aspeto não é monstruoso ou aterrador. Comportam-se frequentemente de forma aterradora e as suas ações e a sua psicologia são por vezes monstruosas, mas o seu aspeto é uma espécie de beleza humana elevada. Vemos isso com Lestat pela primeira vez, porque ele é extremamente atraente. Com Louis, ele passa de um tipo bem-parecido mas normal para algo mais elevado; a sua pele torna-se perfeita, as suas unhas têm o brilho que é descrito nos romances e os seus olhos tornam-se de um verde iridescente. Isso faz parte do fascínio da vida de vampiro, é uma espécie de perfeição da aparência humana e do poder e, claro, da imortalidade. Ao mesmo tempo, tem também elementos monstruosos, vergonhosos, degradantes e horríveis.

Lê Também:   Interview with the Vampire | Tudo o que precisas saber sobre a estreia na TV

Qual a importância da música em “Interview with the Vampire”?

Não se pode fazer uma série de época passada em Nova Orleães e não ter música em todo o lado. Andando pelo Bairro Francês, a música chega-nos de todas as direções. Rolin adora música e já encenou óperas no passado. Juntamente com os talentos de Lestat, a música ia entrar na série em grande estilo. Temos o compositor Daniel Hart, cujo currículo é realmente sofisticado e belo, a tratar não só da partitura mas também dos temas e referências da época.

PROMO | AMC APRESENTA INTERVIEW WITH THE VAMPIRE

Estás a acompanhar os novos episódios da série no AMC? O que pensas dos desenvolvimentos até ao momento?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *