© Netflix

Mindhunter | David Fincher admite que a série é muito dispendiosa para continuar

Fincher tinha planeado retomar “Mindhunter” após a sua próxima longa-metragem, “Mank”, mas parece que tal já não irá acontecer…

Infelizmente não temos boas notícias para os fãs de “Mindhunter“. David Fincher admitiu ontem em entrevista à Vulture que a aclamada série da Netflix muito provavelmente não irá continuar. No início deste ano já tinha sido divulgado que os contratos de Jonathan Groff, Holt McCallany e Anna Torv tinham sido cancelados, uma vez que a terceira temporada encontrava-se em pausa indefinida.

Fincher confessou que “Mindhunter” não só era muito cansativo, como dispendioso:

É um trabalho de 90 horas semanais (…). ‘Mindhunter’ exigiu muito de mim. Penso que provavelmente terá acabado. Para a audiência que tinha, era uma série muito cara. Falamos sobre isso, acabar o ‘Mank’ e depois logo vemos como nos sentíamos. Mas, honestamente, acho que não será possível fazê-la [à terceira temporada] por menos do que fizemos a segunda. E temos de ser realistas no que toca a dólares vs. olhos. Talvez dentro de cinco anos…”

Lê Também:
Mindhunter, segunda temporada em análise

Aliás, “Mank” surgiu precisamente por o realizador não se sentir capaz de avançar com a terceira temporada. Ou seja, a Netflix não levantou problemas, o CEO Ted Sarandos e a, na altura VP de conteúdo original, Cindy Holland limitaram-se a perguntar a Fincher se existia mais algum projeto no qual ele teria interesse em participar.

A segunda temporada de “Mindhunter” incidiu sobre os assassinatos de Atlanta ocorridos entre 1979 e 1981, nos quais 28 crianças, adolescentes e adultos Afro-Americanos foram mortos. Tivemos ainda direito a uma breve conversa com o infame Charles Manson, interpretado por Damon Herriman. Inicialmente, David Fincher tinha avançado com um plano de cinco temporadas que agora poderão nunca ver a luz do dia…

TRAILER | QUAL A TUA OPINIÃO SOBRE MINDHUNTER?

Também gostavas de ver, pelo menos, mais uma temporada de “Mindhunter”?

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *