"The Wind" | © MOTELX

MOTELx ’19 | Quais os filmes que não podes perder

t[tps_header]

O MOTELx de 2019 está quase aí, sendo que começa já no dia 10 de setembro. O festival traz a Lisboa uma seleção do melhor cinema de terror de todo o mundo, assim como convidados ilustres.

Já no seu 13º ano, o MOTELx continua a ser um dos grandes festivais de cinema em Portugal, trazendo sempre o melhor cinema de terror à capital. Este ano, as festividades realizam-se de 10 a 15 de setembro e, como já é tradição, a Magazine.HD irá fazer a cobertura.

Antes da abertura do festival, contudo, é melhor começares já a pensar em que filmes vais ver. Afinal, a programação é muito rica, mas é impossível ver tudo. Por isso mesmo, decidimos oferecer uma lista de recomendações, mais focadas nas sessões de cinema e não contando com os eventos que ainda se vão realizar em paralelo, como workshops, por exemplo.

Lê Também:   As melhores Scream Queens do cinema

Para explorares a lista, basta usares as setas. Em cada slide podes encontrar o nome do filme, seu realizador, os horários em que é exibido no festival, assim como uma pequena explicação para o seu destaque aqui. A maior parte do MOTELx tem lugar no Cinema São Jorge, sendo que quase todas estas sessões ou acontecem na Sala 3 ou na grande Sala Manoel de Oliveira.

Para mais informações, aconselhamos a consulta do site oficial do MOTELX. Aqui, por exemplo, poderás encontrar todo o calendário dos filmes e outros eventos. Sem mais demoras, aqui ficam as nossas recomendações dos 15 filmes mais imperdíveis do MOTELx de 2019.

[/tps_header]

MA de Tate Taylor

Terça-feira, 10 de setembro, às 21:10
Quarta-feira, 11 de setembro, às 16:55

MA MOTELX
© MOTELX

O filme de abertura desta edição do MOTELx é uma montra para os talentos de Octavia Spencer. A atriz raramente tem oportunidade para ter posição de protagonismo e muito menos para se deixar levar por devaneios vilanescos, mas, em “Ma” ela é um estrondo, quase uma revelação como a antagonista de um filme de terror. Na cadeira de realizador está Tate Taylor, conhecido por ter assinado “As Serviçais”, que valeu a Spencer o seu Óscar para Melhor Atriz Secundária. Fãs da atriz, não podem perder este filme.

– Cláudio Alves


BACURAU de Kleber Mendonça Filho

Terça-feira, 10 de setembro, às 21:20

BACURAU MOTELX
© MOTELX

Um filme com notável pedigree de festival, “Bacurau” estreou em Cannes, onde venceu o Prémio do Júri. A obra brasileira, da autoria de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, narra a história da pequena aldeia de Bacurau, de luto devido à morte da sua matriarca de 94 anos. Aqui se traça uma alegoria distópica, que entre o terror, slasher, ficção científica e western, produz uma obra assente na crítica social situada num “futuro não muito longínquo”.

– Maggie Silva


THE GANGSTER, THE COP, THE DEVIL de Lee Won-tee

Terça-feira, 10 de setembro, às 00:00

THE GANGSTER THE COP THE DEVIL MOTELX
© MOTELX

Todos os anos, no MOTELx, parece que algumas das sessões mais divertidas são as dedicadas a cinema coreano. Mesmo quando os filmes são completamente desconhecidos fora do seu mercado nacional, os programadores deste festival tendem a escolher sempre pequenas joias de entretenimento sanguinário. Por isso mesmo, estamos muito empolgados em relação a “The Gangster, The Cop, The Devil” que, além da sua nacionalidade e presença no festival, tem também uma rica coleção de críticas aclamatórias a recomendá-lo.

– Cláudio Alves


CARMILLA de Emily Harris

Quarta-feira, 11 de setembro, às 14:00

CARMILLA MOTELX
© MOTELX

“Carmilla” surge na secção Serviço de Quarto e é um filme no feminino, protagonizado por duas mulheres, e realizado por Emily Harris. Estamos no final do século XVIII. Lara é uma adolescente que vive uma existência de isolamento total, apenas com a presença do seu pai e da sua governanta. A sua curiosidade sexual está no pico, mas pouco há a fazer. Até ao momento em que um acidente traz até à sua casa Carmilla, uma misteriosa jovem. O filme é uma adaptação do romance gótico de Sheridan Lefanu, do mesmo nome, e pode também ser considerado como um “coming of age tale” –  uma narrativa sobre juventude e crescimento.  Conta ainda com Tobias Menzies (“The Crown”, “Outlander”) num dos papéis principais.

– Maggie Silva


SOMETHING ELSE de Jeremy Gardner e Christian Stella

Quarta-feira, 11 de setembro, às 21:30

SOMETHING ELSE MOTELX
© MOTELX

O norte-americano Jeremy Gardner não é já estreante no MOTELx. Em 2013, o festival exibiu o seu encantador filme de zombies/road movie/indie “The Battery”, e volta a apresentar, com nova dupla na realização, em 2019. Hank, interpretado por Gardner, está com a sua namorada Abby há 10 anos e partilham um romance idílico. Um dia, ela simplesmente deixa-o. Este abandono, para piorar as coisas, coincide com o aparecimento de uma criatura monstruosa nos bosques perto da casa.

– Maggie Silva


IT COMES de Tetsuya Nakashima

Quinta-feira, 12 de setembro, às 16:15
Domingo, 15 de setembro, às 00:00

IT COMES MOTELX
© MOTELX

Diretamente do Japão e da autoria de Tetsuya Nakashima (“Confessions”), chega-nos “It Comes”. O filme narra a história de Hideki e Kana, um casal recém-casado que se muda para um novo apartamento no subúrbio, que começa a ser atacado por um poder sobrenatural. O filme baseia-se no romance “Bogiwan Ga Kuru”, de Ichi Sawamura, uma bem-sucedida história, vencedora do Grande prémio da História de Terror Japonesa.

– Maggie Silva


A GOOD WOMAN IS HARD TO FIND de Abner Pastoll

Quinta-feira, 12 de setembro, às 18:55
Sexta-feira, 13 de setembro, às 14:25

MOTELX A GOOD WOMAN IS HARD TO FIND
© MOTELX

Na Competição de Melhor Longa de Terror Europeia, podemos, entre outros títulos, encontrar “A Good Woman is Hard To Find”, uma coprodução entre Reino Unido, Irlanda e Bélgica, da autoria de Abner Pastoll. O filme, estreado até agora apenas em circuito de festival, chega a Portugal depois da passagem por festivais de terror no Canadá e Reino Unido. Traz-nos a trágica história de Sarah, uma jovem viúva, com um filho pequeno traumatizado. Um thriller negro que promete ser uma boa aposta.

– Maggie Silva


HORROR NOIRE: A HISTORY OF BLACK HORROR de Xavier Burgin

Quinta-feira, 12 de setembro, às 19:10

HORROR NOIRE MOTELX
© MOTELX

O cinema, de forma geral, tende a desprezar minorias, privilegiando a perspetiva e representação de homens brancos heterossexuais. Examinando a História do Cinema, especialmente em Hollywood, isto é uma verdade incontornável. O género do terror tem uma fama particularmente infeliz no que se refere à representação de pessoas afro-americanas. “Horror Noire”, o primeiro filme a ser produzido pela plataforma de streaming Shudder, aborda este mesmo tema, procurando explorar injustiças no cinema de terror e celebrar o trabalho de cineastas afro-americanos. Pelo seu tema e por ser baseado num excelente livro, este é um documentário imperdível para fãs de terror.

– Cláudio Alves


THE GOLDEN GLOVE de Fatih Akin

Quinta-feira, 12 de setembro, às 21:35

THE GOLDEN GLOVE MOTELX
© MOTELX

Quando passou, em competição, na Berlinale, “The Golden Glove” causou furor. Muitos foram os críticos que acusaram o filme de imoralidade, obscenidade e simples mau gosto, criando uma reputação vil que só tem vindo a tornar este drama num objeto cinematográfico mais procurado. Certamente, gostaríamos de ver qual a causa de tamanho furor. Em termos narrativos, esta obra de Fatih Akim conta a história de um serial killer na Alemanha dos anos 70 cujas vítimas são todas mulheres. Para tornar o projeto ainda mais potencialmente problemático é o facto de que Akim se inspirou em casos reais para edificar este thriller sanguinário.

– Cláudio Alves


MIDSOMMAR: O RITUAL de Ari Aster

Sexta-feira, 13 de setembro, às 21:00

MIDSOMMAR MOTELX
© MOTELX

“Midsommar” é a segunda longa-metragem do realizador Ari Aster, depois do seu sucesso esmagador com “Hereditário” (2019). A expectativa é assim muita, no que a esta sessão diz respeito, pois contará com a presença do próprio autor em sala, para uma apresentação e perguntas e respostas após a projeção. Uma coprodução entre os Estados Unidos e a Suécia, com a ação a desenrolar-se no segundo país. Um casal norte americano desloca-se até uma remota aldeia sueca para um festival de verão. As festividades locais, ao início inofensivas, tornam-se cada vez mais sinistras.

– Maggie Silva


FAZ-ME COMPANHIA de Gonçalo Almeida

Sábado, 14 de setembro, às 18:30

FAZ-ME COMPANHIA MOTELX
© MOTELX

Entre a competição de longas-metragens europeias, encontramos um só filme português. Como aqui pela MHD, gostamos de celebrar a produção nacional, temos de dar destaque a “Faz-me Companhia” de Gonçalo Almeida. Esta é a primeira longa-metragem narrativa do realizador, depois de uma série de curtas e projetos documentais que, aliás, valeram a Almeida um prémio MOTELx para curtas-metragens em 2017. Esperamos que esta história de um casal a ser atormentado numa casa alugada seja tão boa como esses filmes premiados anteriores.

– Cláudio Alves


PLAN 9 FROM OUTER SPACE de Ed Wood

Sábado, 14 de setembro, às 21:00

PLAN 9 FROM OUTER SPACE MOTELX
© MOTELX

Ao longo das décadas desde a sua estreia, “Plan 9 from Outer Space” tem vindo a conquistar uma estranha reputação. Muitos são aqueles que apelidam este filme como o pior alguma vez feito e coroam Ed Wood como o pior realizador na História do Cinema. Tais hipérboles são, por definição, exageros, mas há algo maravilhosamente incompetente neste cocktail ímpio entre terror e ficção-científica. Não há palavras capazes de descrever o triunfo cómico que este desastre acaba por ser, sendo que há mesmo que ver para crer. Por isso mesmo, este clássico lixo cinematográfico é algo que recomendamos vivamente, nem que seja para dar uma boa gargalhada.

– Cláudio Alves


THE LODGE de Veronica Franz e Severin Fiala

Sábado, 14 de setembro, às 21:10

THE LODGE MOTELX
© MOTELX

“The Lodge” é uma co-produção entre os Estados Unidos e o Reino Unido, que conta com interpretações de nomes sonantes como Alicia Silverstone (Clueless, The Killing of a Sacred Deer), Riley Keough (Under the Silver Lake) ou Jaeden Martell ( It, The Book of Henry). Narra o conto de dois irmãos, Aidan e Mia, que guardam rancor à nova namorada do pai. Quando se veem sozinhos com a jovem mulher numa casa na neve, eventos estranhos começam a multiplicar-se. Os realizadores e argumentistas, Veronica Franz e Severin Fiala, são um casal, que atingiu considerável sucesso com a sua última obra “Goodbye Moomy”, candidato austríaco aos Óscares e vencedor do prémio Méliès D’or em 2015.

– Maggie Silva


ALIEN de Ridley Scott

Domingo, 15 de setembro, às 15:00

ALIEN MOTELX
© MOTELX

Em 1979, Ridley Scott chocou, horrorizou e encantou o mundo com um filme de terror passado no espaço, onde ninguém nos ouve gritar. Era um filme arriscado e quase revolucionário, uma injeção de ansiedades sexuais e perversidade cósmica no modelo do filme B de ficção-científica que Hollywood tanto adorava produzir com orçamentos mínimos. Explicar a importância histórica e cultural de “Alien” é algo que tem preenchido muitos ensaios e livros inteiros, pelo que não o tentaremos fazer aqui. Fica só a recomendação e a promessa que se trata de uma experiência cinematográfica inesquecível que todos deviam desfrutar no grande ecrã.

– Cláudio Alves


THE WIND de Emma Tammi

Domingo, 15 de setembro, às 21:50

THE WIND MOTELX
© MOTELX

Estreado em 2018 no Festival de Cinema de Toronto, “The Wind” é um típico filme de terror norte-americano. Isto na medida em que o seu terror provém da utilização dos mitos coletivos do folclore americano, que lideram aqui a narrativa. Realizado pela tradicionalmente documentarista Emma Tammi, que se estreia aqui na ficção, temos em “The Wind” um thriller sobrenatural com influências do género Western, o qual se situa no final do século XIX.

– Maggie Silva

[tps_footer]

Lê Também:   Midsommar | Os filmes que influenciaram Ari Aster

Voltamos a dizer para visitares o site oficial do MOTELx, de modo a saberes mais detalhes sobre a programação do festival e como comprar bilhetes para estes e outros filmes.

[/tps_footer]

One thought on “MOTELx ’19 | Quais os filmes que não podes perder

  • Plano 9 do Vampiro Zombie: 2*

    Apesar de ser menos bem conseguido na realização, tem uma boa crítica social presente.

    Cumprimentos, Frederico Daniel.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *