"The Wind" | © MOTELX

MOTELx ’19 | Quais os filmes que não podes perder

O MOTELx de 2019 está quase aí, sendo que começa já no dia 10 de setembro. O festival traz a Lisboa uma seleção do melhor cinema de terror de todo o mundo, assim como convidados ilustres.

Já no seu 13º ano, o MOTELx continua a ser um dos grandes festivais de cinema em Portugal, trazendo sempre o melhor cinema de terror à capital. Este ano, as festividades realizam-se de 10 a 15 de setembro e, como já é tradição, a Magazine.HD irá fazer a cobertura.

Antes da abertura do festival, contudo, é melhor começares já a pensar em que filmes vais ver. Afinal, a programação é muito rica, mas é impossível ver tudo. Por isso mesmo, decidimos oferecer uma lista de recomendações, mais focadas nas sessões de cinema e não contando com os eventos que ainda se vão realizar em paralelo, como workshops, por exemplo.

Lê Também:
As melhores Scream Queens do cinema

Para explorares a lista, basta usares as setas. Em cada slide podes encontrar o nome do filme, seu realizador, os horários em que é exibido no festival, assim como uma pequena explicação para o seu destaque aqui. A maior parte do MOTELx tem lugar no Cinema São Jorge, sendo que quase todas estas sessões ou acontecem na Sala 3 ou na grande Sala Manoel de Oliveira.

Para mais informações, aconselhamos a consulta do site oficial do MOTELX. Aqui, por exemplo, poderás encontrar todo o calendário dos filmes e outros eventos. Sem mais demoras, aqui ficam as nossas recomendações dos 15 filmes mais imperdíveis do MOTELx de 2019.

2 de 15

BACURAU de Kleber Mendonça Filho

Terça-feira, 10 de setembro, às 21:20

BACURAU MOTELX
© MOTELX

Um filme com notável pedigree de festival, “Bacurau” estreou em Cannes, onde venceu o Prémio do Júri. A obra brasileira, da autoria de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, narra a história da pequena aldeia de Bacurau, de luto devido à morte da sua matriarca de 94 anos. Aqui se traça uma alegoria distópica, que entre o terror, slasher, ficção científica e western, produz uma obra assente na crítica social situada num “futuro não muito longínquo”.

– Maggie Silva

2 de 15

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *