Óscares 2019

Os erros da Academia nos Óscares 2019

As mais recentes ocorrências a envolver a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood deixam os Óscares 2019 em maus lençóis. 

Mau, muito mau mesmo! A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood não está nos seus melhores dias e tudo após um conjunto de decisões polémicas para a transmissão em direto dos Óscares 2019. Mas quando é que as coisas começaram a dar errado para os Óscares? Partindo do nosso artigo sobre o facto de vencedores de Óscares estarem contra a Academia de Hollywood afirmamos que são vários os motivos em efeito bola-de-neve que confirmam que os Óscares estão em crise.

Normalmente, passamos os meses de novembro, dezembro, janeiro e fevereiro a discutir sobre os filmes mais impactantes da temporada de prémios e aqueles que possivelmente terão um lugar de destaque entre os nomeados e vencedores de Óscares. Contudo, não foi isso que aconteceu no meio jornalístico nesta temporada de prémios. Apesar dos êxitos e nomeações históricas para “Black Panther”, “Roma” ou “A Favorita”, a Awards Season 2018/2019 ficará para sempre marcada como a época em que a própria Academia decidiu arruinar a transmissão em direto dos Óscares de uma vez por todas.

Academia de Hollywood
Óscares em crise?

Mesmo com cruciais transformações nos últimos anos – destaque sobretudo para a diversidade e para a expulsão de Harvey Weinstein da Academia após as acusações de assédio sexual -, a Academia de Hollywood parece não ter aprendido a lição e continua a ser a instituição conservadora, velha e antiga que sempre foi. O que tem estado a acontecer nos Óscares 2019 mostra que a Academia decidiu afastar-se dos filmes, preocupando-se mais com os interesses do mercado televisivo. O resultado? Nos últimos dias assistimos a protestos de fãs de cinema, especialistas da indústria de cinema e até mesmo um largo número de membros da Academia sobre os papéis e deveres da própria para com a sétima arte.

Os Óscares 2019 demonstram que a Academia prefere ser atualmente uma feira de vaidades do que um evento televisivo mundial que quer homenagear o que de melhor foi feito no sector cinematográfico do ano anterior. Vejamos com muita atenção os erros da Academia nos Óscares 2019!




Porquê a Academia fez tantas mudanças nos Óscares?

Óscares 2019
Audiência dos Óscares

A resposta à pergunta que todos querem saber encontra-se nas audiências. Isto porque a cerimónia dos Óscares 2018 apresentada por Jimmy Kimmel teve um dos resultados mais baixos de sempre com 26,5 milhões de espectadores. Se compararmos com a cerimónia de 2014 em que “12 Anos Escravo” foi galardoado Melhor Filme, existe, de facto, uma queda gigantesca das audiências dos Óscares. Nesse ano o resultado foi de 43,74 milhões de espectadores. Nunca a cerimónia anual dos Óscares foi tão pouco vista, tendo sido a primeira vez que o resultado ficou abaixo dos 30 milhões.

Dessa forma, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas esteve durante todo o 2018 preocupada em encontrar uma solução para manter a audiência agarrado ao grande ecrã e culpava indiretamente em os longos discursos de muitos vencedores pelos baixos resultados de audiência. Curiosamente, vale a pena relembrar o monólogo de Jimmy Kimmel nos Óscares 2018, em que o anfitrião referia o quanto era importante ter um discurso curto, mas eficaz nos Óscares. A situação até foi divertida uma vez que o vencedor com um discurso mais curto acabaria por arrecadar uma mota de água que foi parar às mãos do figurinista Mark Bridges por “Linha Fantasma”.

Seguiram-se decisões estranhas, irrealistas e que em nada refletem o interesse dos membros que supostamente representa. Faltam dias para o domingo dos Óscares, mas a confusão instaurada já não tem volta a dar. E o Óscar de Melhor Pior Erro da Academia em 2019 vai para




Ó Óscar de Melhor Filme Popular, onde estás tu?

Óscares 2019
Black Panther

Se quisermos fazer uma análise intensa sobre todos os erros dos Óscares 2019 é preciso ter em conta que no verão do ano passado o presidente John Bailey referiu que a Academia iria criar a categoria de Melhor Filme Popular! Mas qual a sua necessidade? O objetivo seria atrair a atenção do grande público para os filmes que conquistavam o box office, e não de filmes em que atores perdem ou ganham uns quilos para contar histórias humanas, esses últimos que teriam direito a ser nomeados ao Óscar de Melhor Filme.

Quem acompanha as temporadas de prémios, percebe que cresceu a tendência em que a Academia deixou, sobretudo nos últimos anos, de privilegiar grandes êxitos de bilheteira acabou por galardoar filmes com receitas de bilheteira mais baixas. Curiosamente, em anos recentes os vencedores dos Óscares são mais um reflexo dos vencedores dos Independent Spirit Awards do que outros prémios como os Golden Globe Awards ou os BAFTA, prémios ditos de elite, entregue pela imprensa estrangeira e pela Academia Britânica respetivamente.

Para não deixar os êxitos comerciais de lado a Academia criaria o Óscar de Melhor Filme Popular, mas os membros da indústria de cinema rapidamente assumiram-se contra essa ideia desnecessária que só criaria mais desigualdade. Houve quem referisse a esta ideia era uma divisão entre os melhores filmes, desconsiderado a potencialidade artística de determinados filmes apenas porque tiveram sucesso entre as massas.

Talvez a Academia deveria consultar a indústria e pensar em novas categorias que os Óscares deveriam criar em vez de Melhor Filme Popular.Quem disse que o cinema comercial não pode apoiar-se no cinema independente ou vice-versa? Quem disse que ambos não podem ser aclamados pela Academia de Hollywood sem que não se desprestigiem os esforços de ninguém, artistas independentes ou criadores de entretenimento de massas?

Bohemian Rhapsody
Bohemian Rhapsody

Este ano filmes como “Black Panther” e “Bohemian Rhapsody” grandes êxitos de bilheteira, conseguiram várias nomeações para os Óscares 2019 incluindo Melhor Filme. Enquanto isso, e com 10 nomeações aos Óscares “Roma”, tecnicamente obteve zero euros nas bilheteiras. Isto porque a Netflix não revela, nem tenciona revelar, os valores arrecadados pelo filme de Alfonso Cuarón nos cinemas onde foi exibido. Apesar de os favoritos estarem em banho-maria os Óscares podem ser um reflexo do mais e do menos que é feito na indústria. Portanto, o erro número 1 dos Óscares 2019 acabou resolvido com as nomeações. Mas enquanto isso algo mais afetava a Academia de Hollywood: a ausência de um anfitrião.




Os Óscares num barco sem capitão (a.k.a. anfitrião)!

kevin hart
Kevin Hart

O anúncio do anfitrião para os Óscares 2019 tardou, deixando jornalistas e especialistas ainda mais ansiosos. Foi apenas em dezembro que a Academia revelou que Kevin Hart, um ator e comediante de sucesso nos Estados Unidos iria ser o anfitrião da 91ª cerimónia. Certamente não nos depararíamos com um Billy Crystal, mas o ator prometia sobretudo conquistar o público jovem admirador do seu talento em filmes pipoca. Tudo parecia ir certo até que declarações homofóbicas de Kevin Hart do passado vieram ao de cima na internet. A Academia de Hollywood pediu para Kevin Hart se desculpar mas o ator recusou.

Depois pediu desculpa no programa de Ellen DeGeneres e tudo parecia voltar ao normal. Contudo, a comunidade LGBTQ+, especialmente indivíduos afro-americanos, manifestaram descontentamento para com as palavras vácuas e ressentidas do comediante. No final, a situação tornou-se ainda mais confusa e a Academia anunciou que iria com os Óscares 2019 sem um anfitrião. Até parece que estamos a assistir a uma discussão num colégio entre meninos mimados ou um rama de uma novela mexicana, onde a Academia parece incapaz de encarar as críticas de modo construtivo. Quem salvaria a tão amada cerimónia dos Óscares deste grande erro número 2? Supostamente “Os Vingadores”.

Ainda ninguém parece saber bem ao certo o que vai acontecer, mas chegou-se a apontar que a Academia fez pressão aos atores do Universo Cinematográfica da Marvel para liderar a transmissão ao vivo. Solução encontrada, capítulo fechado! Bem, nem por isso, a Academia ainda ia dar um salto em queda livre ainda mais arriscado. Erro número 3 está a chegar…




Quando as canções originais não importam nos Óscares

A Star Is Born
Bradley Cooper | Lady Gaga

O erro número 3 da Academia para os Óscares 2019 tem que ver com o inicial anúncio que apenas dois candidatos ao Óscar de Melhor Canção Original iriam atuar em direto no palco, sendo os restantes mostrados apenas em pequenos clipes. As duas canções seriam Shallow, de “Assim Nasce Uma Estrela” e All The Stars, com Kendrick Lamar e SZA. Mesmo assim, a questão foi resolvida e todas as canções vão ser apresentadas em direto.

Juntam-se assim as performances em palco de Jennifer Hudson, para interpretar I’ll Fight, do documentário “RBG”; de Gillian Welch e Dave Rawlings para interpretar When a Cowboy Trades His Spurs for Wings, do filme “A Balada de Buster Scruggs”. Já The Place Where Lost Things Go, do filme “O Regresso de Mary Poppins”, interpretado no filme por Emily Blunt será interpretada nos Óscares por Bette Midler, uma longa colaboradora e amiga do compositor Marc Shaiman. Justiça para todos acima de todo!
Justiça para todos acima de todo!




Quando os vencedores de Óscares já não são importantes…

Óscares 2019
Sam Rockwell, Frances McDormand, Allison Janney e Gary Oldman

O erro número 4 da Academia. Como noticiado no início deste mês de fevereiro Allison Janney, Frances McDormand, Gary Oldman, e Sam Rockwell não foram chamados para apresentar as categorias de atuação – aliás, no ano passado o mesmo aconteceu nas categorias de Melhor Atriz e Melhor Ator – uma tradição corrente nos Óscares. A principal razão tem que ver novamente com as audiências, com a escolha de atores que apelassem mais às audiências. Janney respondeu no Instagram numa publicação entretanto eliminada, que se partia o seu coração uma vez que a Academia não estava a respeitar a tradição. Poucos dias depois tudo resolveu-se e os quatro atores estarão de regresso para apresentar nos Óscares. Ainda não se sabe ao certo se vão apresentar os Óscares de interpretação, mas lá estarão da 91ª edição da cerimónia das estatuetas douradas.

Quanto ao próximo erro…bem este será apresentado durante o intervalo.




Luzes, câmara, edição: Quando a publicidade ganha nos Óscares

Óscares 2019
Óscares 2019

O mundo maravilhoso do senhor John Bailey e dos produtores responsáveis pela transmissão ao vivo para o Canal ABC dos Óscares parecia seguir no caminho certo até que Bailey anunciou que quatro categorias não seriam entregues durante a transmissão em direto, mas sim no decurso dos anúncios publicitários editadas para a transmissão televisiva. Este erro número 5 da Academia para os Óscares 2019 foi o mais grave.

John Bailey quase que foi vaiado pelas redes sociais por muitos jornalistas e especialistas em Óscares, e o dedo foi apontado à ABC e à Disney que detêm esse canal de televisão. Isto porque nenhuma das categorias cortadas do direto dos Óscares tinha um filme da Disney nomeado. Hollywood parou de verdade e uma carta aberta foi direcionada à Academia, porque os artistas estavam supostamente a ser esquecidos e colocados em segundo lugar. Na sexta-feira a Academia reverteu a decisão e finalmente todos os 24 Óscares serão entregues em direto. Problema e erros resolvidos? Sim, mas outros ainda surgiriam.




A realeza dos Queen ‘salva’ os Óscares 2019…

queen
Queen

A equipa responsável pela transmissão dos Óscares anunciou que os Queen + Adam Lambert, projeto musical que envolve dois membros originais da banda de Freddie Mercury e o cantor Adam Lambert irão atuar na cerimónia dos Óscares como momento de abertura. Com que então senhor John Bailey não há tempo para as quatro categorias, mas há tempo para Queen…hum…

Tudo porque “Bohemian Rhapsody” um filme que celebra mais os Queen que a sua verdadeira estrela Freddie Mercury, está nomeado a cinco Óscares. Pode parecer entretenimento, mas este é o erro número 5 da Academia para os Óscares 2019. Terminámos? Não.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood na sua tentativa de convidou personalidades fora de Hollywood para apresentar os filmes nomeados ao Óscar de Melhor Filme, e depois reunia-las para entregar o Óscar.




O futuro da Academia e dos Óscares

Óscares 2019
Alguns dos filmes nomeados aos Óscares 2019

Este caos que envolve a Academia e os Óscares 2019 era mesmo necessário? A verdade é que os Óscares mudaram ao longo dos anos, mas eram necessárias tantas mudanças este ano? E qual a razão destas mudanças serem tão controversas?

Como pode a Academia atrair um público mais jovem para um evento tão tradicional? Como tornar interessante e interativa uma noite que até então consistia em vários homens brancos velhos escolhendo os seus filmes favoritos? Como fazer com que o mundo pare para assistir uma festa que dura mais de 4 horas? O que precisa se tornar mais importante: os Óscares em si como galardões ou a (falta de) visão dos organizadores da transmissão em direto dos Óscares têm do cinema?

É verdade que John Bailey foi eleito presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas no passado verão, mas provavelmente o mesmo não acontecerá a meados deste ano. Será que a indústria de cinema perdoará as decisões de John Bailey ou será que a Academia deveria ter um presidente mais jovem, que sabe bem o que o público e os artistas querem e procurar encontrar um ponto de encontro?

Seja como for os Óscares serão entregues no próximo domingo 24 de fevereiro. Vejamos como decorre a cerimónia mais desastrosa – mesmo antes de acontecer – e a mais imprevisível dos Óscares nos últimos anos!

[tps_footer]

Lê Também:   Óscares 2019 | Quem é Jenny Shircore?

[/tps_footer]



Também do teu Interesse:


About The Author


2 thoughts on “Os erros da Academia nos Óscares 2019

  • De facto a Academia está cada vez pior… Sou jovem mas sempre tive muito interesse no assunto “Cinema” e nunca perdi uma emissão de entrega de prémios, desde que a mesma passasse de alguma forma no nosso país. Mas este ano realmente deixa muito a desejar, este ano só quer saber de números, porque valorizar os grandes filmes que se fizeram este ano… Não estou a ver nada disso… Prova está em alguns filmes que não tiveram uma única nomeação, como o caso de “Suspiria” que vai este sábado receber o prémio nos Independent Spirit Awards. Enfim… esperemos que no próximo ano tudo seja diferente…

  • Eu amei as escolhas da Academia de Hollywood este ano e os candidatos a melhor filme eram os meus filmes favoritos.Parabéns pelo vosso trabalho, sou fã da vossa página!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *