Os melhores guarda-roupas da TV | 3. Penny Dreadful

Na sua terceira e última temporada, Penny Dreadful continuou a afirmar-se como uma das séries mais belas e visualmente requintadas da televisão mundial.

 


<< 4. Outlander | 2. The Crown >>


 

penny dreadful gabriella pescucci

Entre filmes italianos, blockbusters de Hollywood e requintadas séries televisivas, a figurinista Gabriella Pescucci já vestiu mais de 60 produções ao longo da sua longa e muito celebrada carreira. Apesar disso e de já ter ganho um Óscar (A Idade da Inocência – 1993) e dois Emmys (Os Bórgias 2011 -2013), o seu esplendoroso trabalho em Penny Dreadful tem sido rudemente ignorado pela maioria das associações de prémios. Este ano, será a sua última oportunidade de ter uma indicação pela Academia da Televisão a condecorar o seu trabalho na série de John Logan mas tal reconhecimento parece cada vez mais improvável. Isto é uma verdadeira tragédia pois os figurinos criados por Pescucci para esta fantasia vitoriana são dos mais belos, requintados e inteligentes que a televisão recente teve o prazer de apresentar.

Lê Ainda: As modas sangrentas de Crimson Peak

Desde a primeira temporada que o trabalho de Pescucci se tem vindo a evidenciar como uma parte fulcral da construção visual da série, onde a Londres do final do século XIX é recriada com um toque de estilização gótica típica da literatura fantástica em que a narrativa e suas personagens se baseiam. Com tal componente fantasiosa, poderíamos julgar que toda a série se deixasse levar por devaneios de estilização completamente removidos da realidade histórica, mas o contrário aconteceu. Efetivamente, a Londres de Penny Dreadful é um pesadelo irreal, onde vampiros, lobisomens e demónios infernais se escondem nas sombras, mas esse horror é intensificado pela visceral credibilidade do ambiente envolvente.

penny dreadful gabriella pescucci

Mesmo nas cenas mais saturadas de figurantes, as criações de Pescucci nunca falham, mostrando sempre uma visão unificada e estonteantemente detalhada. Materiais diversos mostram a estratificação social que rege a vida das personagens, silhuetas severas criam pinceladas de negrura nos tableaux góticos de cada episódio e a atenção ao verismo histórico exacerba a dimensão humana da história horripilante em cena. O melhor exemplo de tal jogo de fantasia, horror e veracidade é Vanessa, a protagonista interpretada por Eva Green, cujo guarda-roupa é um milagre de severidade vitoriana, historicamente correta, mas com um toque de fantasia dado pelo seu rígido esquema cromático de negrura quase constante.

penny dreadful gabriella pescucci

penny dreadful gabriella pescucci

De facto, o preto e as sombras dominam tanto a série que os próprios figurinos refletem o seu domínio, subvertendo, no entanto, as suas leituras mais convencionais. Em Penny Dreadful, a escuridão é tanto o local onde se escondem os monstros como um abraço reconfortante. O branco e a luz, pelo contrário, normalmente refletem a moralidade rígida e venenosa da época, asfixiando as personagens ou forçando-as a adotar máscaras públicas que escondem a sua complexidade humana e monstruosa. No quarto episódio da terceira temporada, tal relação chegou à sua apoteose visual quando Vanessa é aprisionada numa sala almofadada de ofuscante brancura e o espectro imaginado da sua psicoterapeuta, vestida dos pés à cabeça em preto e linhas masculinas, se evidencia como a máxima fonte de segurança.

penny dreadful gabriella pescucci

penny dreadful gabriella pescucci

penny dreadful gabriella pescucci

É claro que, nesta terceira e última leva de episódios, também vieram algumas complicações à estética regular da série e suas dicotomias concetuais. O exército de prostituas vingadoras de Lillie, a noiva de Frankenstein, trouxe consigo uma explosão de cor assim como uma tirania do padrão que passou a servir de barómetro de poder na história desta mulher ressuscitada e continuamente subjugada pela patriarquia. Para além disso, na primeira metade da temporada, Pescucci acrescentou o western ao seu repertório de inspirações e registos estilísticos, abordando o Oeste Americano com tanto brio e sagacidade como a Inglaterra da mesma época. Contudo, no panorama americano, o branco e negro londrino foi substituído por uma panóplia de castanhos áridos rematados pela claridade de duas figuras antagónicas, o tolerante patriarca salvador e a bruxa Hecate, decidida a mergulhar o mundo nas trevas.

penny dreadful gabriella pescucci

Consulta Ainda: Calendário de Séries Midseason 2017

penny dreadful gabriella pescucci

Toda esta dinâmica de cor, verismo histórico e registos estilísticos chega ao fim no último episódio da série, uma hora angustiante e avassaladora, onde Gabriella Pescucci revela o seu génio ao vestir Eva Green num figurino que viola todo o estilo da série até esse momento. Fora do verismo histórico, nos seus últimos momentos em cena, Vanessa veste um vestido que apenas sugere levemente a moda vitoriana, sendo algo muito mais próximo da alta-costura contemporânea. Ao mesmo tempo, a cor da peça, um cinzento claro, sugere algo até aqui combatido pelas personagens, uma coexistência da luz e das trevas (o diálogo refere tal dinâmica humana e cósmica inúmeras vezes nesta temporada). Não queremos revelar mais detalhes sobre o final, ou sobre o modo como o discurso subjacente ao vestuário da série ajudou a pressagiar e delinear o final de Penny Dreadful. No entanto, deixamos aqui um apelo final, se não viste nenhum episódio desta série, retifica rapidamente a situação e deixa-te levar por este inebriante triunfo de horror, romance, fantasia, fausto visual e tragédia humana. Não te vais arrepender!

penny dreadful gabriella pescucci

 


<< 4. Outlander | 2. The Crown >>


 

Na página seguinte, vamos continuar a aventurar-nos pela capital inglesa, mas desta vez num registo menos fantasioso e mais preso a um incansável verismo histórico e elegância real. Não percas!

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *