Ready Player One, James Halliday avatar

Do Livro à Tela | Ready Player One: Jogador 1

Ready Player One: Jogador 1 esteve guardado no imaginário de muitos desde o lançamento do livro em 2011. Será que Steven Spielberg conseguiu fazer-lhe justiça?

AVISO: Este artigo contém spoilers do livro e do filme.

“Ready Player One: Jogador 1” nunca seria uma adaptação fácil, uma vez que, à semelhança de “Harry Potter” ou “O Senhor dos Anéis“, retrata um universo próprio – o OASIS. Quando foi anunciado que seria Steven Spielberg a pegar na adaptação, é seguro dizer que muitos fãs suspiraram de alívio. Ainda assim, pairava no ar a hipótese de que o filme se tornasse de Spielberg sobre Spielberg, devido às inúmeras referências ao cineasta ao longo do livro. Tal não aconteceu, uma vez que o próprio realizador tentou abolir quaisquer easter eggs da sua filmografia, afirmando que existia muito por onde escolher da cultura pop dos anos 80. Será que foi a atitude correcta?

Ready Player One: Jogador 1

Lê Também:
Curiosidades sobre Ready Player One que não podes perder

Apelidado pelo Huffington Post de “o Harry Potter dos mais crescidos”, “Ready Player One: Jogador 1” é o segundo livro da autoria de Ernest Cline, lançado em 2011. A história é nada mais nada menos que a luta do bem contra o mal, onde está inerente a valorização dos amigos e do mote “a união faz a força”. Só que em vez dos típicos panos de fundo a que estamos habituados, Cline transporta-nos para um universo de pura imaginação, onde podes ser o que quiseres, apelidado de OASIS. O OASIS é a realidade virtual na qual a população mundial de 2044 se refugia face aos conflitos, escassez de recursos, fome, pobreza e doenças que caracterizam do mundo real. Wade Watts é um destes exemplos, apenas capaz de sentir a felicidade através dos seus óculos VR e luvas hápticas. Quando o criador do OASIS morre, deixa a sua imensa fortuna e o controlo do mundo virtual a quem conseguir resolver os enigmas e encontrar as três chaves, a aventura começa. Os utilizadores, mais conhecidos por gunters (“egg + hunter”), têm apenas como pistas elementos da cultura pop dos anos 80. Inicia-se assim uma perigosa e frenética caça ao tesouro, onde nem todos os participantes são utilizadores comuns. Wade é o primeiro a desvendar um dos enigmas, apercebendo-se que está mais em jogo do que o seu avatar.

Ready Player One

Pela sinopse do livro, nada parece diferente da adaptação ao grande ecrã por Steven Spielberg. No entanto, ainda que o argumento tenha sido co-escrito pelo próprio Ernest Cline, as diferenças do livro para a tela não são (nada) difíceis de encontrar. Aqui os fãs do livro terão duas hipóteses: ou mantêm uma mente aberta e embarcam na nova aventura criada por Spielberg, ou saem do filme a rogar pragas ao realizador. Comecemos do início com o personagem principal, Wade Watts. Cline descreve Wade como um adolescente gordinho que vestia um fato háptico XL, estando Parzival, o seu avatar no OASIS, em muito melhor forma. Só algures nos últimos capítulos de “Ready Player One: Jogador 1” é que Wade se assemelha fisicamente à forma física do ator Tye Sheridan. Tudo bem, é um pormenor, pode-se dizer que os restantes personagens estão perto da sua descrição original.

Ready Player One, avatares

Lê Também:
Livros a não perder | Seleção de março 2018 by MHD

As verdadeiras diferenças sobressaem assim que os desafios são apresentados. Não sabemos ao certo o porquê, mas Spielberg e Cline decidiram alterar todos, à excepção do último enigma da demandada pelo Ovo da Páscoa de James Halliday. O primeiro, por exemplo, deveria ter tido lugar em Ludus, o planeta onde se sediavam as escolas, numa caverna muito semelhante ao Túmulo dos Horrores, um módulo do jogo “Dungeons and Dragons”. Nela, o jogador que conseguisse atravessar a labiríntica entrada, teria de enfrentar o temível demilich… num jogo de “Joust”. Em vez disso, o Wade de Spielberg apenas teve de ganhar uma corrida, na qual a chave era andar recuar ao invés de avançar. O segundo desafio também não envolvia o “Shining” ou uma dança com os mortos, mas sim um desafio inspirado no jogo “Zork” e nos cereais Cap’n Crunch. Estes são os elementos que, de facto, podemos sentir falta em “Ready Player One: Jogador 1”.

Ready Player One, Og e Halliday

Lê Também:
Steven Spielberg comprometeu-se a deixar os seus filmes de fora de Ready Player One, a sua equipa não concordou

A juntar a estes talvez possamos ainda assinalar a fraca presença de Ogden Morrow (Simon Pegg), sócio de Halliday. Og, como é apelidado no livro, começa realmente por ser uma figura omnipresente, mas com o avançar da história sai das sombras e assume-se como um guardião/mentor do grupo de Wade, acabando por desempenhar um papel fulcral na aventura. No grande ecrã, o personagem de Pegg também age como um guardião, mas das memórias de Halliday, na biblioteca deste. A única vez que vemos Ogden, que não na sua forma de bibliotecário, é já no final do filme, quando Wade ganha a terceira e última chave.

Ready Player One

Um último ponto que gostaríamos de referir diz respeito à dinâmica do “High Five”, a qual apenas mantêm os laços dos personagens. Começando por Art3mis/Samantha que no filme acaba por assumir o papel de uma espécie de salvadora de Wade, papel que no livro é desempenhado por Og. A relação de Samantha com Wade é meramente platónica e virtual, visto que o casal apenas se conhece fisicamente após a conclusão do último enigma de Halliday. Da dupla de samurais, apenas Shoto sobrevive no mundo real, já que Daito é assassinado por uma equipa de Seizes, quando as identidades reais dos jogadores do “High Five” são desvendadas. Aech é, provavelmente, a personagem que mais semelhanças tem em relação à criada por Ernest Cline, quer nos seus traços de personalidade, quer na forma como se apresenta a Wade fora do OASIS (ignorando a cena de fuga de Wade e Samantha).

De um modo geral, se compararmos ambas as versões de “Ready Player One: Jogador 1”, a essência nunca deixa de estar presente. Nunca deixa de ser uma aventura fantástica e nostálgica por um mundo de realidade virtual, agora presente nas nossas vidas, ao contrário de quando Cline o escreveu. Continua a ser um mundo de pura imaginação que tanto Cline como Spielberg nos mostram. E, verdade seja dita, se um dia escrevesses um livro e o teu realizador favorito te dissesse que o ia fazer, provavelmente também abdicarias de um ou dois pormenores, não?

 

Ready Player One - Jogador 1

Ready Player One: Jogador 1

Título original: Ready Player One

Autora: Ernest Cline

Editora nacional: Editorial Presença

Realizador: Steven Spielberg

Elenco: Tye Sheridan, Olivia Cooke, Hannah John-Kamen, Ben Mendelsohn, T. J. Miller, Simon Pegg, Mark Rylance, Lena Waithe, Mckenna Grace, Ralph Ineson.

Trailer

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *