Star Wars | Os 10 melhores figurinos da saga

 

Com o sétimo episódio de Star Wars, O Despertar da Força, será expectável que mais alguns looks se juntem ao cânone de icónicas indumentárias da saga, mas, até lá, relembremos alguns dos mais gloriosos figurinos que marcaram os filmes passados.

Parte 10. O figurino de Darth Maul>>

Muitos sãos os figurinos da saga Star Wars que ganharam o estatuto de ícones do género de ficção-científica. É impossível imaginar presentemente a cultura popular sem imagens tão marcantes como o capacete de Darth Vader ou o conjunto branco com que a Princesa Leia aparece pela primeira vez. O figurinista que primeiro se debateu com o desafio de criar o vestuário para o elenco destas fantasias espaciais foi John Mollo, que arrecadou um Óscar pelo seu trabalho.

Na trilogia original e especialmente no primeiro filme, a influência da moda presente é incontornável e até um pouco distrativa, mas, a partir do uso de fortes referências e simbologias gritantes, Mollo conseguiu conceber um dos mais celebrados guarda-roupas na história da sétima arte. No mundo de Star Wars a dicotomia entre o bem e o mal, os Rebeldes e o Império não poderia ser mais gritantemente visualizada. Com o branco, o creme, e a simplicidade modesta a caracterizarem os heróis e uma ostentação em tons negros e pesados caracteriza os antagonistas.

Lê Também:
Bandas sonoras | Lisboa recebe evento à luz das velas

Star Wars

Mollo desenhou o guarda-roupa dos dois primeiros filmes, tendo sido primeiro sucedido por Aggie Guerard Rodgers e Nilo Rodis-Jamero em O Regresso do Jedi e seguidamente por Trisha Biggar nas três prequelas. No mais recente filme, ainda por estrear, os figurinos são responsabilidade de outro figurinista distinto, Michael Kaplan, cujas criações para Blade Runner são mais que suficiente recomendação.

Lê Também: Jurassic World e Star Wars disputam o Óscar de Melhores Efeitos Especiais

Os figurinos das prequelas são bastante mais exuberantes e complicados em termos de referências, mas a simplicidade simbólica do conflito principal continua a se manifestar. Biggar, com a ajuda de uma equipa formidável, orçamentos astronómicos e designers conceptuais formidáveis, concebeu os figurinos da segunda trilogia. Muito se pode criticar nas sequelas mas os figurinos talvez sejam o único aspeto em que houve alguma melhoria em relação aos filmes originais, se bem que nesta mais recente trilogia, as indumentárias estão longe de ser tão icónicas como os figurinos com que John Mollo apaixonou as audiências em 1977.

Star Wars

Neste top 10, propõem-se um ranking de alguns dos melhores figurinos dos seis primeiros filmes, julgando-se tanto o conceito, o design, a concretização e o legado que estes figurinos deixaram.

Lê Também:
David Prowse, ator que deu vida a Darth Vader, faleceu aos 85 anos

Star Wars

Para começar, há que reconhecer como menção honrosa a generalidade dos uniformes Jedis. Compostos por mantos encapuzados, túnicas e calças creme, as indumentárias dos Jedis são das mais memoráveis, se simples, vestes do universo Star Wars. O seu design original baseou-se bastante em vestuário japonês, nomeadamente os figurinos dos filmes de samurais do lendário Akira Kurosawa, cuja influência sobre George Lucas é monumental.

Star Wars

A acrescentar a essa inspiração samurai, temos uma certa virtude quase religiosa nestas visões de modesto poder, lembrando, especialmente nos materiais, as vestes de frades cristãos, ou mesmo de monges budistas. A partir desta base, os figurinistas da saga conseguiram, especialmente nas prequelas estabelecer uma enorme quantidade de variações, permitindo existir uma preciosa individualidade mesmo entre a geral uniformidade destes guerreiros, que contrasta fortemente com a opressiva uniformidade que caracteriza por absoluto as forças imperiais antagónicas.

Star Wars

Star Wars

Segue para a próxima página onde o nosso top 10 dos melhores looks da saga Star Wars realmente se inicia com um dos mais ameaçadores antagonistas de toda esta ópera espacial.

Parte 10. O figurino de Darth Maul>>

 

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *