© Amazon Studios

Todos Falam Sobre o Jamie | Entrevista com o protagonista Max Harwood

“Todos Falam Sobre Jamie” salta do palco para o pequeno ecrã numa nova adaptação com o selo da Amazon Prime Video. A convite da plataforma, a Magazine.HD teve o privilégio de conhecer e conversar com a sua jovem estrela, Max Harwood.

Este mês a Amazon Prime Video estreia “Todos Falam Sobre Jamie”, a adaptação da peça musical com o mesmo título baseado no documentário de 2011 da BBC “Jamie: Drag Queen At 16.” A narrativa centra-se na decisão de um rapaz do décimo primeiro ano em usar um vestido para o seu baile de finalistas, e da tentativa dos seus professores em o banirem.

todos falam sobre jamie Max Harwood
O estreante Max Harwood dá vida ao protagonista desta história biográfica | © Courtesy of 20th Century Studios

O protagonista desta história é Jamie Campbell, um adolescente que cresceu numa antiga aldeia mineira perto de Bishop Auckland, County Durham, uma pequena cidade mercante no nordeste de Inglaterra. Jamie assumiu-se aos 14 anos, referindo que o bullying face à sua sexualidade apenas agravou com a idade, mesmo vindo de adultos. Contudo, Max Harwood, o ator escolhido para dar vida ao jovem de 16 anos na nova adaptação, fez questão em afirmar que esta não é uma história sobre a orientação sexual, mas sim sobre descobrir o verdadeiro eu e ser fiel a ele.

“Todos Falam Sobre Jamie” é o primeiro trabalho de Max Harwood, de 23 anos, sendo que o jovem ator acabou por ter muito em comum com a sua personagem e revela ter aprendido muito com os veteranos Sarah Lancashire e Richard E. Grant. Também Jonathan Butterell, diretor da produção teatral, tem aqui a sua estreia enquanto realizador de uma longa-metragem, com argumento e letras de Tom MacRae, canções de Dan Gillespie Sells e uma banda sonora de Sells e Anne Dudley.

Lê Também:
Amazon Prime Video | As estreias de Setembro

MHD: Este é a sua primeira longa-metragem, como entrou neste projeto? 

Max Harwood: Foi de loucos. Este é o meu primeiro trabalho enquanto ator profissional. Enviei uma gravação, na altura sem agente, o que foi uma grande tentativa, nunca pensei consegui-lo. As audições foram bastante longas, com os criadores originais do espetáculo musical, Jonathan Butterell, Tom MacRae e Dan Gillespie Sells. Soube que consegui o papel em Fevereiro de 2019 e as gravações começaram no verão desse mesmo ano, o que foi bastante rápido. Mas trabalhei com uma equipa fantástica em Londres no meu sotaque, dança, canto, desempenho. Foi fantástico.

MHD: Pode descrever-nos um pouco mais desse trabalho em equipa, da preparação para o papel de Jamie?

Max Harwood: Tive mesmo muita sorte de trabalhar com pessoas fantásticas. O filme é baseado no documentário “Drag Queen at 16”, que é uma história reconhecida no Reino Unido sobre um rapaz de 16 anos, Jamie Campbell, que decide ir ao seu baile de finalistas enquanto drag. Vi o documentário bastantes vezes e tive a oportunidade de conhecer o Jamie, tanto que muita da minha preparação foi baseada em conversas pessoais que tivemos. Ele também nos visitava bastantes vezes durante as gravações, por isso consegui reter muito de quem ele é através da observação. Absorvi muito sobre quem ele é, e a sua autenticidade, de modo que espero ter conseguido transmitir isso através do meu desempenho. Claro que existiram muitos ensaios, com todas as cenas de dança. Muitas madrugadas!

MHD: Como descreveria o Jamie?

Max Harwood: O Jamie é um adolescente de 16 anos, que por acaso é gay, mas esta não é uma história sobre isso. Ele vive autenticamente como uma pessoa gay na escola, no Reino Unido aos 16 anos de idade, o que por si só já é um ato de grande coragem. Esta é história da sua descoberta do universo drag, e tornar-se o seu eu mais verdadeiro, da amizade com a sua melhor amiga Pritti (Lauren Patel) e com a sua mãe, e de como ambas o apoiam incondicionalmente e procuram conhecê-lo melhor e compreender a sua viagem. E, infelizmente, também é sobre o modo como Jamie supera memórias mais traumáticas de infância ligadas ao seu pai, e de como estas ainda perduram.

Sarah Lancashire e Max Harwood
Sarah Lancashire interpreta Margaret New, a mãe de Jamie (Harwood) que é o seu apoio incondicional | © 2021 Monarchy Enterprises S.a.r.l., Regency Entertainment (USA), Inc. and Channel Four Television Corporation. All Rights Reserved.

MHD: Estava a descrever a ligação do Jamie com a mãe, como foi trabalhar com Sarah Lancashire e com o veterano, Richard E. Grant?

Max Harwood: Foi um verdadeiro prazer trabalhar com ambos. A Sarah Lancashire e o Richard E. Grant são lendas no mundo da representação no ecrã, os dois são incrivelmente minuciosos face à sua preparação e ao resultado final do seu desempenho. Mas, mesmo assim, têm a capacidade de fazer com que cada atuação pareça nova, espontânea. E, mesmo quando não estão em cena, sentes que estão lá. Ensinaram-me a ser generoso e aberto enquanto ator.

MHD: Recebeu algum conselho em particular deles?

Max Harwood: A Sarah ensinou-me muito sobre os olhos, e da sua importância no ecrã, o que pode parecer aleatório, mas a verdade é que podemos dizer muito com eles. Por exemplo, ao nível do detalhe, se estamos a pensar em algo, o público irá senti-lo. Não precisamos necessariamente de mostrar, ou de fazer algo, apenas temos de estar e comunicar. E a forma de o fazer é realmente abrir os olhos e estabelecer uma ligação com o ator com quem estejamos a partilhar a cena, ou com o espetador caso estejamos sozinhos.

Lê Também:
Musicais que chegam às salas de cinema e ao streaming em 2021

E o Richard simplesmente disse-me para ser generoso. Nos primeiros dias de gravação e em algumas das cenas em que o Jamie está bastante vulnerável, ele estava atrás da câmara a dar-me tanto, a tentar tirar a pressão delas, porque ao fim ao cabo o nosso trabalho é esquecer que elas estão lá. Queremos apenas existir, experienciar uns com os outros, eu quero que o Jonathan Butterell (o realizador) seja capaz de capturar algo verdadeiro, que não parecesse impulsionado por qualquer tecnologia. No fundo, aprendi técnica, aprendi como ser técnico, como ser um profissional, como me comportar à volta de determinadas pessoas. Eles foram realmente fantásticos para a equipa. Para mim, não existiu qualquer tipo de separação entre equipa e elenco – estávamos todos lá a trabalhar em conjunto.

MHD: Para finalizar, qual é a mensagem que “Todos Falam Sobre Jamie” quer transmitir? Qual o seu impacto para a comunidade LGBTI+?

Max Harwood: É uma mensagem de inclusividade, de encontrar o nosso lugar no mundo. Quer sejam homossexuais, ou não, esta mensagem é para todos. Quer queiram ser uma drag queen, um bombeiro, um astronauta, o que te deveria impedir? Preconceitos? Não aqui, não neste filme. Atenção, não estamos a pregar nada, mas estamos a tentar passar a mensagem de que, apesar do que possas enfrentar, precisas de encontrar as tuas pessoas, as pessoas que te permitam viver a tua vida e fazê-lo em segurança.

TRAILER | DESCOBRE PORQUE TODOS FALAM SOBRE O JAMIE

O filme estreia dia 17 de setembro, em exclusivo, na Amazon Prime Video.

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *