© Joshua Greene

TOP 10 | Melhores Personagens de Marilyn Monroe

[tps_header]

Considerada um símbolo sexual da indústria do cinema, Marilyn Monroe é uma das maiores lendas da Era de Ouro de Hollywood. 

Nascida a 1 de junho de 1926, Norma Mortenson teve uma infância difícil dividida em orfanatos e casa de amigos dado o problema esquizofrénico de sua mãe. O que o mundo estava prestes a descobrir é que aquela pobre criança que havia sido abusada sexualmente e se vira obrigada a casar com 16 anos para evitar uma nova adoção, em breve se tornaria num dos maiores ícones de Hollywood de todos os tempos. De dona de casa passou a modelo, de morena passou a loira e de Norma Mortenson passou a Marilyn Monroe, o nome que para sempre ficará gravado na história do século XX.

Lê Também:   Marilyn Monroe | Os figurinos mais icónicos

Hollywood nunca mais foi o mesmo desde que Marilyn Monroe começou a surgir nas telas de cinema. Além de ter sido uma das principais atrizes da década de 50, Monroe definiu a moda da época, tornando-se num dos maiores símbolos sexuais de sempre. Ao mesmo tempo, foi ela quem iniciou uma das maiores revoluções da época, tendo lutado contra os taboos que assombravam os EUA naqueles tempo. Inclusive, a artista pousou para a primeira capa da revista Playboy, gerando uma enorme controvérsia. Porém, apesar de ter tido uma curta carreira, ainda hoje é vista como um ícone da cultura popular norte-americana.

Em ocasião da estreia de “Blonde” (estrelado por Ana de Armas), o novo filme de Andrew Dominik que chegou recentemente à Netflix e que celebra a vida de Marilyn Monroe, a MHD decidiu recuperar, através de uma breve galeria, um portfólio de 10 filmes da atriz que faleceu aos 36 anos de idade. Convidamos-te assim a conhecer alguns dos trabalhos mais marcantes de Marilyn Monroe.

[/tps_header]

NIAGARA (1953)

Niagara
© 20th Century Fox

Começamos esta galeria com o filme que definiu para sempre a imagem de Marilyn Monroe no cinema – “Niagara”. Num momento em que a indústria estava a abandonar as cores monocromáticas, esta longa-metragem expõe o brilho de uma jovem Monroe que se tornaria para sempre um sex symbol. Na longa-metragem, a atriz interpreta Rose, uma mulher que planeia matar o marido com a ajuda do amante, mas é este último que acaba por ser morto pelo primeiro. Surge assim a personagem da femme fatale, aquela que seduz os homens para seu próprio prazer. E foi o look adotado pela atriz em “Niagara” que ficaria para sempre associado à sua imagem, definindo os padrões de beleza da década de 50: pele pálida, sobrancelhas carregadas, lábios vermelhos e um sinal falso. O modo como Marilyn surgiu vestida e maquilhada neste filme foi um escândalo na época, sendo esta a longa-metragem mais sexual da sua carreira, uma vez que em várias cenas a atriz surge apenas coberta por um lençol.


OS HOMENS PREFEREM AS LOIRAS (1953)

Os Homens Preferem as Loiras
© 20th Century Fox

E aproveitando o furor causado por “Niagara”, rapidamente “Os Homens Preferem as Loiras” se tornou num dos maiores sucessos da carreira de Marilyn Monroe, tendo também uma das maiores bilheteiras do ano em que estreou. Se o primeiro filme havia cimentado a imagem de sex symbol da atriz, este deu origem à personagem que para sempre ficaria associada ao seu nome, sendo representada vezes sem conta por Monroe – a mulher loira ingénua e pouco esperta. Na longa-metragem, a artista interpreta uma showgirl apaixonada por diamantes que procura ao máximo conquistar um homem com dinheiro que possa satisfazer os seus gostos. Existe uma cena icónica do filme que para sempre ficou registada na história do cinema, na qual Marilyn usa um ousado vestido rosa enquanto canta ‘Diamond’s are a Girl’s Best Friend‘. 


COMO SE CONQUISTA UM MILIONÁRIO (1953)

© 20th Century Fox

O papel de mulher sensual e ingénua que procura conquistar a atenção de homens ricos tornou-se a fórmula para o sucesso dos filmes protagonizados por Marilyn Monroe. Em “Como se Conquista um Milionário”, a sex symbol junta-se a outras duas atrizes para dar vida a um grupo de amigas que tentam casar-se com milionários. Como tal, a personagem de Marilyn apaixona-se por um especulador financeiro que se faz passar por um magnata do petróleo. Porém, o amor fala mais alto e as três colegas acabam por se deixar enamorar por homens com um baixo estatuto monetário.


O PECADO MORA AO LADO (1955)

O pecado mora ao lado
© 20th Century Fox

Em 1955, Marilyn Monroe era já uma das mulheres mais populares do momento. Como tal, a Fox, com quem tinha um contrato, aproveitou a fama da sua maior estrela e lançou uma mega campanha publicitária antes da estreia de “O Pecado Mora ao Lado”. A longa-metragem centra-se na história de Richard Sherman que, apesar de ser um homem casado, não consegue parar de fantasiar com a vizinha do lado (interpretada por Marilyn Monroe). Não obstante o facto de o filme ter sido gravado em Hollywood, o estúdio aproveitou-se da celebridade de Monroe e gravou em Manhattan a icónica cena em que o vestido branco da atriz se levanta aquando da passagem do metropolitano. A gravação desta simples cena levou várias horas e atraíu mais de 2.000 espectadores ao local. Este tornou-se no episódio mais emblemático da artista, sendo lembrada ainda hoje por esta cena. No fim, o filme tornou-se na melhor bilheteira da sua carreira inteira.


PARAGEM DE AUTOCARRO (1956)

Paragem de Autocarro
© 20th Century Fox

Após anos a fio a ser forçada a interpretar personagens cujos atributos físicos se sobrepunham aos intelectuais, Marilyn Monroe pôde finalmente escolher um papel diferente, deixando de lado as roupas e maquilhagem que a tornavam num símbolo sexual. Em “Paragem de Autocarro”, a atriz deu vida a uma cantora que aspira chegar a Hollywood e que é sequestrada por um jovem virgem que se apaixona por ela. Apesar de relutante com a capacidade de representação de Monroe, o realizador Joshua Logan ficou realmente impressionado com o potencial do astro e chegou a comparar Marilyn com Charlie Chaplin. Este foi, sem dúvida, um ponto de viragem na carreira da atriz, tendo chegado a receber uma nomeação para o Globo de Ouro de Melhor Atriz.


QUANTO MAIS QUENTE MELHOR (1957)

Quanto Mais Quente Melhor
© Metro-Goldwyn-Mayer Studios Inc. All Rights Reserved.

E eis que chegamos àquele que é considerado um dos melhores filmes de todos os tempos – “Quanto Mais Quente Melhor”. Apesar de Marilyn Monroe ter regressado aos papéis de mulher ingénua, a longa-metragem foi um marco importante na sua carreira, rendendo-lhe um Globo de Ouro de Melhor Atriz, mas também na história do cinema norte-americano. O filme centra-se na história de dois homens que se vêem obrigados a vestirem-se de mulher para consegirem escapar à Máfia após testemunharem um crime. Por expor temas relacionados com a temática do LGBT+, esta foi a obra que levou à reforma do Código Haye, as normas morais a serem seguidas pelos filmes norte-americanos. 


O PRÍNCIPE E A CORISTA (1957)

O principe e a corista
© 20th Century Fox

Apesar de não ter tido um grande sucesso nos EUA, a verdade é que “O Príncipe e a Corista” fez um enorme furor no continente europeu, tendo rendido a Marilyn Monroe um Crystal Star e um Prémio David di Donatello de Melhor Atriz. No filme, Monroe dá vida a uma corista que se deixa conquistar por um Príncipe Regente, mudando a forma como este membro da realeza encara a vida. Contudo, a produção da longa-metragem esteve envolvida em polémicas dado o detriorar da saúde da atriz, bem como dadas as desavenças da protagonista com Laurence Olivier, também ele protagonista e realizador do filme.


OS INADAPTADOS (1961)

Inadaptados
© Metro-Goldwyn-Mayer Studios Inc. All Rights Reserved.

“Os Inadaptados” foi a última longa-metragem protagonizada por Marilyn Monroe antes de a atriz ter sido encontrada morta com apenas 36 anos. Curiosamente, este foi também o último filme em que Clark Gable participou, tendo ‘O Rei de Hollywood’, como era conhecido, morrido antes da estreia do projeto. A longa-metragem foi escrita pelo ex-marido de Monroe, o conhecido escritor Arthur Miller, baseada no seu próprio divórcio. Apesar da receção crítica inicial, nos anos seguintes o filme tornou-se numa obra de arte digna de culto.


RIO SEM REGRESSO (1954)

Rio sem regresso
© 20th Century Fox

O maior destaque de “Rio Sem Regresso” é, sem dúvida a personagem de Marilyn Monroe que surge como uma cantora de salão que é impedida de se afogar por um jovem local. Enquanto isso, o seu marido rouba o seu salvador e abandona a sua esposa, levando-a a procurar vingar-se deste. Apesar de o filme não ter tido uma receção muito calorosa, é notório o talento de Marilyn Monroe no campo musical, sendo que a atriz nunca ousou fazer playback em nenhuma das cenas.


QUANDO A CIDADE DORME (1950)

Quando a Cidade Dorme
© 1950 – MGM

“Quando a Cidade Dorme” pode não ser o filme mais famoso de Marilyn Monroe mas é, sem dúvida aquele que marca uma viragem na carreira da atriz. Este é um dos primeiros papéis cinematográficos da artista, sendo que, a  partir da sua participação nesta longa-metragem, Monroe deixou de ser uma simples modelo e tornou-se numa verdadeira atriz de Hollywood. No filme, Marilyn dá vida a Angela Phinlay a amante de um assaltante de uma joalheria que a usa para mentir sobre o seu paradeiro na noite do crime. Iniciava-se assim a projeção da imagem de uma mulher ingénua que marcaria cada trabalho de Marilyn Monroe na sua curta passagem por este mundo.

[tps_footer]

Concordas que Marilyn Monroe é um ícone do século XX? Já viste “Blonde”? 

[/tps_footer]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *