Top 10 Personagens Pixar | 10. Bing Bong

 

<< Início   |   9. Dug >>

 

Primeira aparição: “Inside Out – Divertida-Mente” (2015)

A personagem: Uma justaposição de um gato, um elefante e um golfinho num corpo feito de um adocicado e pegajoso algodão-doce. Assim é Bing Bong, o amigo imaginário de Riley em “Inside Out – Divertida-mente”, que sofre na pele as inevitáveis consequências do avanço do tempo. Agora é apenas um vagabundo abandonado na vasta memória da sua criadora.

INSIDE OUT – Pictured (L-R): Bing Bong, Sadness, Joy. ©2015 Disney•Pixar. All Rights Reserved.

LÊ MAIS: Divertida-Mente, em análise

Porque é que está na lista: Como foi escondido de quase toda a campanha da Pixar para o seu primeiro filme de 2015, Bing Bong era, para os fãs mais atentos à minúcia do marketing, o vilão escondido de “Inside Out”. É certo que não podiam estar mais enganados, mas era uma teoria legítima, se nos recordarmos do cheiro a morango de Lotso.

Lê Também:
Frozen | 35 curiosidades sobre o universo

Com voz de Richard Kind (na versão portuguesa, Nuno Markl), Bing Bong tornou-se num enigma perfeitamente decifrável quando as lágrimas já corriam o nosso rosto, formando um rio suficientemente extenso, capaz de alcançar a lua dos sonhos de Riley e do seu amigo da ‘terra da palhaçada’. Mas Bing Bong não pertence só aos sonhos e às brincadeiras de Riley.

Bing Bong é uma criação minha e tua também. É personificação da minha infância, mas também é da tua. É o símbolo da imaginação inata que nasce connosco e que fortuitamente se esfuma no processo de crescimento. E quando Bing Bong acaba por se sacrificar pela felicidade de Riley – aquele particular momento capaz de partir o coração do adulto mais imperturbável – observamos a nossa infância como uma sequência infindável de sacrifícios por um bem maior.

Lê Também:
The Kingsman vê data da prequela ser adiada

É que eventualmente – no curso de um crescimento que privilegia o esquecimento de memórias de longo prazo – alguém acabará por se esquecer dos brinquedos falantes, das casas voadoras ou dos ratos cozinheiros. Talvez haja mesmo uma Dory dentro de cada um de nós. Mas antes disso houve certamente um Bing Bong.

 

Numa frase… “Leva-a à lua por mim, okay?”

 

<< Início   |   9. Dug >>

 

Daniel E.S.Rodrigues

Sonho como se estivesse num filme de Wes Anderson, mas na verdade vivo no universo neurótico de Woody Allen. Sou obcecado pela temporada de prémios, e gostaria de ter seguido a carreira de cartomante para poder acertar em todas as previsões dos Óscares, Globos de Ouro (da SIC), Razzies, Troféus TV7 Dias e Corpo do Ano Men's Health. Mas, nesse universo neurótico e imperfeito em que me insiro, acabei por me tornar engenheiro. Sigam-me no Instagram para mais bitaites sobre Cinema, Música, Fotografia e outras coisas desinteressantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *