© 343 Industries

Xbox One | 100 jogos da geração que se destacam

É inegável que a viagem da Microsoft neste geração foi atribulada. Felizmente, os jogadores na Xbox One tiveram centenas de jogos para desfrutar!

Dos pequenos aos grandes estúdios, dos exclusivos aos multiplataforma, dos mais populares aos menos conhecidos. Desde puzzles e shooters, a MMO e RPGs. Histórias únicas para se viver a sós, ou memórias para vida que ficaram das aventuras com amigos. Apesar de tudo, a Xbox One veio repleta de novos mundos, novas experiências e qualidade nestes 7 anos já a chegar ao fim.

Os melhores jogos da geração são sempre discutíveis, portanto a lista que se segue será atípica, com títulos considerados autênticas obras de arte por muitos jogadores, e outros que marcam pela sua originalidade, história, jogabilidade, características únicas ou pela capacidade de renascer das cinzas.

1 de 100

A PLAGUE TALE: INNOCENCE

A Plague Tale: Innocence
© Asobo Studio

Especialmente nos últimos dois anos, o Asobo Studio deu muito que falar. Responsável não só por trazer o impressionante “Microsoft Flight Simulator” – que falha esta lista por lançar apenas na Xbox Series X|S – como trouxe um dos títulos mais aclamados pela crítica e pelos jogadores, tendo atingido a marca dos 1 milhão de jogadores.

A Plague Tale Innocence” consiste num jogo de furtividade que nos leva ao reino de França no ano de 1348, em plena peste negra. Os irmãos Amicia e Hugo são perseguidos pela Inquisição que varre as aldeias devastadas pela doença. Na sua fuga, juntam-se a outros órfãos e descobrem segredos obscuros, enquanto escapam das enchentes de ratos, usando fogo e luz.

Num mundo ainda focado nas diferenças entre jogos AAA e indies, o Asobo Studio provou que as diferenças na qualidade de um jogo não residem no orçamento nem tamanho de equipas.

Lê Também:
A Plague Tale: Innocence (PS4) | em análise

1 de 100

Catarina Ferreira

Sempre tive desejo inato de expressar a minha criatividade, tendo envergado pelas artes nos estudos e nos tempos livres, como pintura, desenho, fotografia ou arte digital. Os videojogos também me acompanharam desde cedo. Halo foi o que me trouxe à Xbox, onde acabei por criar os Xbox PT Dummies. Não sou fã de guerras de consolas e acredito que todos têm o dever de ser felizes onde entenderem. Podem ver as minhas opiniões (não) populares no Twitter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *