Alice do Outro Lado do Espelho | O guarda-roupa de Alice

Mia Wasikoska é uma colorida visão de louca exuberância estilística no papel titular Alice do Outro Lado do Espelho, com figurinos de Colleen Atwood.

Alice do Outro Lado do Espelho


Parte 3, As modas do País das Maravilhas >>


Se há algo que caracteriza a personagem de Alice, a protagonista de Alice do Outro Lado do Espelho, é a sua invariável posição enquanto peixe fora de água, tanto na sociedade da Inglaterra vitoriana, como no mundo fantasioso do País das Maravilhas. A única ocasião, aliás, em que vemos a personagem num ambiente que parece estar inteiramente em harmonia com a sua personalidade, é na abertura deste novo filme, quando Alice nos aparece como a destemida capitã de um navio numa missão de exploração em territórios orientais. Aí, ela enverga um uniforme de inspiração militar, em cores vivas e prático design, com calças e sobrecasaca masculina numa completa recusa de ideias vitorianos de feminilidade passiva.

Lê Também: 9 coisas que (possivelmente) não sabias sobre Alice do Outro Lado do Espelho

Quem realmente se mostra como um inicial exemplo deste mesmo ideal de uma mulher comedida e conservadora é a sua mãe, interpretada pela maravilhosa Lindsay Duncan. Enquanto Alice veste roupas de traços masculinos em cores que se destacam por entre os ambientes cinzentos e castanhos da Londres oitocentista, sua mãe quase que se desvanece no seu ambiente, com discretas indumentárias em tonalidades escuras.

Alice do Outro Lado do Espelho

O conflito entre as duas mulheres, um dos grandes alicerces temáticos e emocionais do filme, ganha sua máxima apoteose visual quando as duas vão a uma festa na casa do homem cuja proposta de casamento, no filme anterior, Alice havia invariavelmente recusado. Enquanto a mãe veste um discreto vestido decorado com renda e de silhueta típica para a época, Alice apresenta-se numa visão louca de pseudo chinoiserie.

Alice do Outro Lado do Espelho

Pouco há de histórico ou culturalmente fidedigno neste traje supostamente chinês, mas o impacto visual é inegável, Num oceano de respeitáveis fraques pretos e vestidos modestos, Alice é uma explosão de cor, com o azul a voltar como sua cor de marca, desta vez numa tonalidade rica e mais escura que no filme de 2010. No entanto, ainda mais chocante que a cor ou a exuberante gola dourada é mesmo o facto de novamente a nossa protagonista se exibir de calças, um faux pas social de incomensurável provocação para os círculos sociais em que ela e sua mãe se inserem.

Lê Também:
Disney+ divulga primeiro trailer de O Único e Incomparável Ivan

Alice do Outro Lado do Espelho

Alice do Outro Lado do Espelho

Eventualmente, como seria de esperar, Alice atravessa um espelho e depara-se novamente no país das Maravilhas onde, curiosamente, continua a ser um peixe fora de água. Tal como no filme anterior, as suas aventuras vão mostrando o seu impacto com a gradual deterioração e modificação do fato original, mas as claras inspirações orientais deste figurino pouco ou nada têm que ver com as fantasias que vestem o elenco deste mundo mágico.

Alice do Outro Lado do Espelho

Alice do Outro Lado do Espelho

Só depois de um turbulento retorno temporário a Inglaterra e seus sufocantes códigos sociais, é que Alice aparece vestida com um traje fantasioso do País das Maravilhas, mas mesmo aí, a sua atitude rebelde é evidente nos traços masculinos da sua indumentária. Ela volta a usar calças, desta vez com um corte quase reminiscente de calças de harém, assim como um colete que recorda seu uniforme náutico e uma blusa completa com um lenço atado como uma gravata.

Lê Também:
Jude Law no live-action "Peter Pan & Wendy", da Disney

Lê Ainda: Alice do Outro Lado do Espelho | Pink lança canção para o filme

Nesta evolução dos figurinos de Alice, Colleen Atwood, talvez mais ainda que o texto ou a atriz, telegrafou a gradual evolução da protagonista de Alice do Outro Lado do Espelho, onde uma heroína sonhadora é tida como uma outsider em ambos os mundos que habita, estando apenas realmente confortável no seu navio, sua ligação a uma filosofia de vida que toma como mote o constante desafio do impossível. Tais temas podem ser clichés, mas há algo de belo em os ver traduzidos na aparência de uma jovem mulher e sua discordância visual com aqueles que a rodeiam até um momento final de paz familiar e esperança por um futuro risonho e cheio de aventuras.

Na próxima página encontrarás a análise de alguns dos mais loucos figurinos dos habitantes do País das Maravilhas, incluindo os trajes do Chapeleiro Louco de Johnny Depp.


Parte 3, As modas do País das Maravilhas >>


 

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *