"A Despedida" | © NOS audiovisuais

Awkwafina | Perfil de uma estrela em ascensão

[tps_header]

Awkwafina é uma atriz, compositora e rapper norte-americana de origem chinesa e coreana. Começou a sua actividade profissional no mundo do espectáculo em 2011, mas foi 2019 que ditou o seu novo estatuto como estrela em ascensão ao liderar o filme “A Despedida”, de Lulu Wang. Venham descobrir a sua ainda curta mas promissora carreira! 

Awkwafina é o nome profissional de Nora Lum, a jovem nova iorquina de ascendência chinesa e coreana que, na edição de 2020 dos Globos de Ouro, levou para casa o Globo de Ouro de Melhor Atriz de Comédia pela sua prestação no filme “A Despedida”, de Lulu Wang, um dos grandes sucessos indie do ano, não obstante ter fechado aos Óscares sem indicações depois de uma tremenda temporada de prémios.

Nora Lum, de 31 anos, fez história nos Globos, como a primeira atriz de ascendência asiática a levar para casa um Globo para Melhor Atriz. Custa a crer, mas como sabemos, Hollywood não tem o melhor historial no que diz respeito a diversidade étnica e se a representatividade de negros é pouca, a de  asiáticos é ainda mais reduzida. Por isso, esta atriz e cantora deixou já aqui uma clara marca. Foi um dos maiores snubs na categoria de Melhor Atriz Principal aquando das nomeações aos Óscares, que acontecem já no dia 9 de fevereiro. Embora não tenha sido nomeada, deixou já a sua marca e a partir daqui poderemos certamente esperar grandes sucessos da sua parte!

[/tps_header]

UM ANO EM ALTAS (2019)

A Despedida Awkwafina
Awkwafina é a estrela de um enternecedor filme de elenco |©NOS Audiovisuais

Em 2020, como testemunho do referido sucesso que tem vindo a alcançar, foi nomeada aos BAFTA para um prémio separado da competição principal, votado pelo público, o “EE Rising Star Award”, um prémio que a Academia Britânica entrega anualmente, desde 2004, a talentos em ascensão. Este é um prémio que acarreta bastante peso na indústria, tendo já reconhecido inúmeros talentos que viriam a tornar-se enormes estrelas. Talentos como James McAvoy em 2006, Eva Greeen em 2007, Shia LaBeouf em 2008, Kristen Stewart em 2010, Tom Holland em 2017, entre outros. 

Com os vencedores dos BAFTA, que aconteceram hoje, dia 2 de fevereiro de 2020, já anunciados, sabemos que Lum perdeu para o britânico Michael Ward. Não obstante, a própria nomeação simboliza o reconhecimento de um futuro promissor. 

A prestação de Awkwafina em “A Despedida” (2019) valeu-lhe ainda a vitória do “Satellite Award” para Melhor Atriz de Comédia, a distinção como Melhor Atriz nos Prémio Gotham e a indicação por parte de inúmeros ciclos de críticos. Tendo em conta a ausência da nomeação aos SAG, os prémios do sindicato dos actores de Hollywood, a sua nomeação ao Óscar já parecia tremida, mesmo com a vitória nos Globos de Ouro a colocá-la nas bocas do mundo. Mesmo sem chegar à nomeação ao Óscar, 2018 e especialmente 2019 colocaram Awkwafina inequivocamente numa rampa de lançamento.

Agora recuperamos a sua ascensão ao longo da última década, antevendo um futuro risonho nos novos anos 20!




O INÍCIO  ( 2 DE JUNHO DE 1988)

Awkwafina
“A Despedida” (2019) |©NOS Audiovisuais

Nora Lum nasceu em Nova Iorque e cresceu em Queens. O seu pai, Wally, é americano de ascendência chinesa. A sua mãe, Tina, uma pintora, era imigrante sul-coreana. A sua mãe morreu quando tinha quatro anos, e foi criada pelo pai e pelos avós paternos, mantendo uma relação particularmente próxima com a sua avó, que chegou aos Estados Unidos na década de 40, onde abriu um dos primeiros restaurantes chineses de Queens. Assim “A Despedida” não é apenas auto-biográfica no que diz respeito à história da realizadora Lulu Wang mas diz muito sobre a própria intérprete do filme. Mas lá chegaremos…

Awkwafina estou no LaGuardia High School, um famoso estabelecimento de ensino secundário de Nova Iorque. A Fiorello H. LaGuardia High School of Music & Art and Performing Arts, nome completo, é, como o nome indica, uma escola de ensino artístico. É conhecido como o liceu do filme “Fame”, e os seus antigos estudantes são muitos deles ilustres nomes do mundo do espectáculo, entre eles estrelas recentes e outras mais estabelecidas, entre elas: Timothée Chalamet, Ansel Elgort, Morena Baccarin, Sarah Michelle Gellar, Adrien Brody, Jennifer Aniston, entre muitos outros, e em diversos campos artísticos.

Aliás, durante a sua estadia na La Guardia, Awkwafina, que é também rapper, dedicou-se ao estudo do campo musical. Aqui, aprendeu a tocar trombone e estudou música clássica e jazz. Aos 16 anos, Nora adoptou o seu nome de palco. Awkwafina partilha, no inglês, grande parte das letras da palavra “Awkward”, remetendo assim para uma parte da personalidade desta artista, que enquanto jovem se via como um pouco fora da norma, um pouco “estranha”, introvertida. Por outro lado, Aquafina é uma marca de águas, pertencente à Pepsico, e bastante comercializada nos Estados Unidos. Na sua adolescência, Awkwafina considerou que este poderia ser um trocadilho interessante.

Awkwafina é então uma inversão de paradigma, um alter-ego que contrabalança uma personalidade mais calma que dominou a sua vida durante os anos de universidade. A sua persona artística é excêntrica, e funciona por lógica do contraste. Irreverente, sem papas na língua, mas com uma aparência de quietude, Lum procura contrariar os estereótipos no que diz respeito ao comportamento esperado por parte de uma “miúda asiática”.

Licenciada em Jornalismo e Estudos Feministas pela Universidade de Albany, em Nova Iorque, Nora Lum estudou ainda Mandarim, durante dois anos, no Instituto de Línguas e Cultura de Pequim. Esta persistência no sentido de preservar a parte chinesa da sua identidade viria a mostrar-se uma vantagem para o desempenho do seu papel em “The Farewell”.

Antes de se dedicar ao mundo do espectáculo, Nora foi estagiária na área do jornalismo e trabalhou também no ramo editorial.

O INÍCIO NO YOUTUBE (E NA MÚSICA)  COM O INFAME “MY VAG” (2012) 

A paixão de Awkwafina pelo rap começou bem cedo, tendo ganho o “bichinho” aos 13 anos. Quando recebeu o seu primeiro computador da Apple, “GarageBand”, um software gratuito de produção de música, tornou-se o seu melhor amigo. Aos 19 anos criou o seu futuro hit “My Vag”. O seu primeiro álbum, gravou-o também sozinha, no seu quarto. Já à semelhança de outras estrelas da sua geração, Nora Lum  tornou-se inicialmente viral no Youtube.

Aos 24 anos, em 2012, lançou então o video de “My Vag”, que conta atualmente com mais de 5 milhões de visualizações. A música surgiria como uma resposta à música “My Dick”, da autoria do rapper Mickey Avalon. “My Vag” é uma música com um ritmo viciante e pejada de trocadilhos inteligentes, e como começo e primeiro vídeo viral, deixa bem notória a identidade cómica e incisiva da rapper.

Uma história curiosa, da qual Awkwafina já falou amplamente, prende-se com o facto de ter sido despedida de um dos seus últimos empregos antes de se tornar performer profissional. Um funcionário da editora de livros onde trabalhava encontrou este mesmo vídeo e reportou aos seus superiores. O teor cândido e explícito da música não foi bem aceite.

Fazendo uma incursão rápida pela música, o primeiro álbum a solo de Awkwafina – “Yellow Ranger” – foi editado em 2014 e é composto por músicas lançadas inicialmente no seu canal de Youtube.No mesmo ano, fez parte do alinhamento do “Festival Supreme”, um festival de música e comédia organizado pela banda “Tenacious D”, liderada por Jack Black e Kyle Gass.  Este festival contou com nomes como  Conan O’Brien ou Sarah Silverman no alinhamento. Assim se reforça a persona cómica da Awkwafina de Nora Lum, bem como o casamento entre a sua música e a sua comédia.

GIRL CODE, TAWK E MÁ VIZINHANÇA 2 (2014-2017) 

Em 2014, Awkwafina integrou o elenco de “Girl Code”, comédia da MTV na qual diversas mulheres  – atrizes, músicas, comediantes – falavam sobre a experiência feminina. Em 2015 foi uma das co-apresentadoras de “Girl Code Live”, um spin-off da série em que previamente participara.
Ainda em 2015, o sucesso enquanto rapper e personalidade do Youtube começava a solidificar-se, bem como esta nova faceta enquanto apresentadora. Como linha de evolução natural, Awkwafina começou um talk show online, o qual teve direito a diversas temporadas entre 2015 e 2017.

Foi em 2016 que participou, com um papel pequeno secundário, na sequela da comédia “Má Vizinhança”, protagonizada por nomes bem reconhecidos deste género nos Estados Unidos, como Seth Rose Byrne ou Zac Efron. Neste mesmo ano, deu ainda a sua voz a uma personagem animada para o filme “Cegonhas”. Em 2017, participou ainda em três episódios da série “Future Man”, protagonizada por Josh Hutcherson (“Os Jogos da Fome”).

A EXPLOSÃO COM “ASIÁTICOS DOIDOS E RICOS” E OUTROS PROJECTOS (2018) 

Muitas jovens estrelas em ascensão têm um ano determinante, o ano em que os esforços de todos os anteriores os fazem explodir finalmente para a ribalta. Sem prejuízo do sucesso futuro que esta artista possa vir a ter, 2018 foi esse ano para Awkwafina. Foi uma das protagonistas do filme adolescente “Dude”, estreado pela Netflix. Foi também uma das co-protagonistas de “Ocean’s 8”, de Gary Ross,  a antecipada resposta feminina ao franchise “Ocean’s ” – 11, 12 e 13 – dominado por prestações masculinas. Contracenou aqui com nomes como Sandra Bullock, Cate Blanchett, Anne Hathaway ou Helena Bonham Carter.

Ainda em 2018, voltou a fazer dobragem de voz para um episódio da série “Animals.” e, acima de tudo, destaca-se a sua presença no filme “Asiáticos Doidos e Ricos”, um sucesso surpresa nos Estados Unidos, e que alterou o paradigma dos asiáticos na representação. Muitos dos membros deste “Crazy Rich Asians” têm encontrado sucesso em Hollywood desde esta obra. A protagonista Constance Wu, que brilhava já na série sobre imigração “Fresh Off the Boat”, foi nomeada ao Globo por este papel e tem crescido visivelmente desde então, com filmes como “Ousadas e Golpistas”. Os co-protagonistas Henry Golding e Michelle Yeoh continuaram também a solidificar as suas carreiras.

Já Awkwafina conquistou enorme projecção depois de participar, num papel secundário, nesta comédia sobre uma nova-iorquina que viaja para Singapura para estar presente no casamento do melhor amigo do seu namorado, onde descobre que a família deste é muito, muito rica. Ainda neste ano, Awkwafina apresentou o emblemático Saturday Night Live, a 6 de outubro, e tornou-se apenas a segunda americana de origem asiática a fazê-lo, depois de Lucy Liu.




“A DESPEDIDA” E DE TUDO UM POUCO (2019)

Awkwafina
Awkwafina em “A Despedida” (2019) |©NOS Audiovisuais

Foi então em 2019 que Awkwafina teve o seu primeiro grande papel enquanto protagonista, no filme “A Despedida”. Uma bela e envolvente comédia dramática, “The Farewell” é um magnífico filme que se faz de um carismático elenco, mas também muito da âncora que é Nora Lum.

“A Despedida” conta a história de uma família que se reúne para dizer adeus à sua matriarca. A avó de Billi, a personagem de Awkwafina, está a morrer de cancro mas na China não se acredita que seja o cancro a matar, mas antes o medo. Assim, um casamento falso é organizado para que toda a família se possa despedir da caridosa Nai Nai.

Um filme incrivelmente pessoal e semi auto-biográfico para a realizadora Lulu Wang e um testemunho sobre a experiência dos choques culturais entre Ocidente e Oriente. Billi, que cresceu em Nova Iorque, não compreende as razões ou ideais da sua família, mas terá de os respeitar. Awkwafina mostra que o seu potencial para o drama é imenso, especialmente num monólogo no qual fala sobre isolamento e alienação.

Contudo, desengane-se quem pense que o seu ano foi marcado apenas por este grande filme (e grande papel). Longe disso, participou ainda no novo capítulo de “Jumanji”, apareceu no filme baseado em entrevistas “Between Two Ferns: The Movie”, voltou a emprestar a voz a animações com o filme “The Dark Crystal: Age of Resistance”, a sequela de “Angry Birds”, um episódio da comédia agora extinta “Tuca & Bertie” e dois episódios de “The Simpsons”, tornando o voice acting (dobragens) algo comum no seu currículo.

Entrou ainda na série de ficção científica “Weird City” e no filme fantástico “Raparigas Rebeldes de Paradise Hills”. Um ano recheado é, de facto, dizer pouco….

AWKWAFINA IS NORA FROM QUEENS E O FUTURO NA MARVEL (2020 -)

A artista acabou de lançar, na passada semana, uma nova série de comédia, intitulada “Awkwafina is Nora From Queens” e cujo piloto pode ser encontrado no popular canal de Youtube do “Comedy Central”.  Como parte da campanha publicitária deste seu novo projecto, gravou mensagens humorísticas que foram emitidas no metro de Nova Iorque.

No futuro tem já diversos “coelhos na cartola”, entre eles vários papéis no campo das dobragens, em filmes como “A Pequena Sereia” e o novo “The SpongeBob Movie”. Participará também no drama “Breaking News in Yuba County” (2020) e 2021 trará a sua participação em “Shang-Chi and the Legend of the Ten Rings“, o primeiro filme da Marvel protagonizado por um herói asiático.



Também do teu Interesse:


About The Author


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *