Daredevil, terceira temporada em análise

Curioso, criminoso e escandaloso o destino (cancelamento) que “Daredevil” teve depois de nos oferecer a melhor temporada alguma vez vista numa série Marvel-Netflix.

Deixa saudades. O ano televisivo de 2018 representou o adeus de poucas séries com significa expressão ou potencial: entre as mais conceituadas da atualidade, o fim de “The Americans” chegou pensado e ao fim de seis temporadas em que o FX deu aos autores tempo para descobrirem e encontrarem a alma da série. Entre os cancelamentos, coube à Netflix tomar as duas decisões mais incompreensíveis do ano – cortar as pernas a “Daredevil” e “American Vandal”. A comédia fora até aqui uma série de nicho, mas “Daredevil” era um fenómeno de popularidade, com uma intensa e dedicada audiência.

Quando em dezembro de 2017 a Disney anunciou a sua intenção de adquirir a FOX, imediatamente se percebeu que o setor dificilmente voltaria a ser o mesmo. Pé ante pé a caminho de um monopólio, algo que devia ser evitado o combatido, a Disney vende hoje infâncias – conjugação da comercialização simultânea Pixar, Star Wars e Marvel. Porém, embora a sua oficialização tenha ocorrido recentemente, o fim de “Daredevil” aconteceu quando em agosto de 2017 a Disney anunciou a sua própria plataforma de streaming, o Disney+. Determinada em combater o grande player (Netflix) num mercado em galopante emergência, a Disney prontamente quis separar as águas, garantindo que os seus conteúdos seriam retirados da Netflix quando o Disney+ arrancar (2019). Se para a maioria dos projetos e autores não havia grande alarme, o divórcio levantava uma grande interrogação: como seria a custódia partilhada dos filhos Matt Murdock, Jessica Jones, Luke Cage, Danny Rand e Frank Castle?

Marvel's Daredevil
Marvel’s Daredevil

Poucos se atreveriam a apostar que – sem estar a pesar doses de culpa ou a dissertar sobre retaliação corporativa pagando a arte o maior preço – a conclusão da contenda seria o fim da vida dos filhos. O cancelamento de “Luke Cage” e “Iron Fist” não chocou. Afinal, podia a Netflix estar apenas a entender que as séries não correspondiam à fasquia de qualidade pretendida; mas depois chegou o doloroso comunicado, idêntico àquele que tudo indica “Jessica Jones” e “The Punisher” terão a seu tempo – fim da linha para Daredevil, o filho pródigo. Fim da linha para Charlie Cox como Daredevil, para Vincent D’Onofrio como Wilson Fisk. Fim da linha para os planos-sequência e para o único produto (considerando cinema e televisão) que, embora somente a espaços, conseguiu aproximar-se do nível de elite estabelecido para o género por Nolan entre 2005 e 2012.

Lê Também:
A Balada de Buster Scruggs, em análise

Feita a contextualização ou enquadramento do que terá estado na origem do fim, importa perceber o que é que fez da terceira temporada de “Daredevil” uma das 10 melhores séries de 2018, batendo qualquer uma das temporadas Marvel-Netflix até à data. E mais peso teriam alguns momentos se os soubéssemos na hora como um adeus e não como um até já.

Decorridos os acontecimentos de “The Defenders” (um sacrilégio para muitos fãs terem que ver oito episódios quase tão penosos quanto a 1ª temporada de “Iron Fist” para poderem estar a par da linha narrativa de Matt Murdock), “Daredevil” bebeu inspiração das vinhetas de Born Again, com o protagonista resgatado e reabilitado por freiras no orfanato onde crescera, ao mesmo tempo que o seu maior némesis, Wilson Fisk, negoceia a sua liberdade e amplifica o seu poder e influência em Hell’s Kitchen através da manipulação e corrupção, estando sistematicamente um passo à frente do herói.

Marvel's Daredevil
Marvel’s Daredevil

Pessoalmente, e com o ciclo fechado é possível fazer um balanço, o apogeu de “Daredevil” foi a primeira metade da 2ª temporada, com Jon Bernthal a ser introduzido como Punisher. Mas curiosamente, no seu todo, a segunda terá sido a pior das 3 temporadas. Podem-se estabelecer várias semelhanças entre as temporadas 1 e 3: a maior delas todas, a preponderância de Wilson Fisk (ridículo D’Onofrio nunca ter sido premiado pela sua interpretação monstruosa da personagem!).

Lê Também:
The Haunting of Hill House, primeira temporada em análise

Querem um grande herói? Coloquem-lhe então pela frente um antagonista que o faça parecer impotente, cujo poder e a claustrofobia que provoca nos façam duvidar de quem vencerá. Querem um grande e eficaz antagonista? Tornem-no empático (o amor por Vanessa) e não o pintem como um vilão vazio, porque um bom antagonista sente-se o protagonista e herói na sua versão da história.

Ao longo de 13 episódios (problema recorrente das séries Marvel-Netflix a existência de floreados desnecessários para o sumo da história, que se contava bem no máximo em dez), “Daredevil” brilha através do xadrez político de Fisk, que todos toma como peões e reféns, e do conflito moral de Matt. O código do Demolidor ou Homem sem Medo, e a sua relação com Deus, foram sempre um dos aspetos mais ricos da banda desenhada e, por arrasto, da série.

Marvel's Daredevil
Marvel’s Daredevil

Essa luta interna ou crise de fé, que acompanha o processo de recuperação de um quase-temerário Matt, é magnificamente colocada no ecrã com Kingpin a visitar os pensamentos do herói, e funcionando como sua consciência negativa, como um bloqueio que o impede de se reerguer.

Com Karen Page (episódio 10 totalmente entregue à sua backstory) e Foggy mais relevantes do que nunca, a série passa porventura tempo a mais com Nadeem, e assume-se como um bom prólogo para Bullseye, aqui agente Benjamin Poindexter.

No fundo, a terceira temporada de “Daredevil”, além de um inteligente regresso à temporada de estreia (que levante a mão quem também prefere Matt vestido de negro e com a metade superior do rosto coberto do que com o seu clássico fato vermelho), é o levar ao limite de todos os pontos fortes da série.  Exemplo disso o facto da série nos dar em “Blindsided” o mais espectacular e exigente dos seus aclamados planos-sequência – depois da homenagem a “Oldboy” e de uma ambiciosa mas imperfeita luta ao longo de uma escadaria na última temporada, uma extenuante e intensa fuga da prisão, num shot contínuo ao longo de 11 minutos, com Cox alegadamente a fazer 80% do trabalho da sua personagem.

Marvel's Daredevil
Marvel’s Daredevil

“Daredevil” 3 representa o reerguer de Matt Murdock, inicialmente dado como morto, descrente e perdido, encontrando a sua paz interior e a sua fé, numa jornada à distância enquanto Wilson Fisk troca o uniforme laranja da prisão pelo seu intocável e distinto fato branco, subjugando tudo e todos a seus impotentes prisioneiros, e manipulando Poindexter para servir de falso Daredevil.

Lê Também:
Maniac, primeira temporada em análise

A simplificação da temporada traz à memória a estrutura narrativa de um videojogo, com o frente-a-frente entre o herói e o seu maior opositor a ficar reservado como um confronto final. Porque é do triângulo Matt/Kingpin/Poindexter que se fazem a ação e os momentos mais emblemáticos da temporada, imortais num adeus dito por quem não sabia que tinha que nos acenar: a já referida fuga da prisão, armadilha preparada por Fisk, a primeira vez de Matt e Poindexter no Bulletin, com Matt a combater alguém com o seu fato vestido, e ainda o reencontro destes na igreja, sequência concluída num plano inspirado na Pietà de Miguel Ângelo, em tons de vermelho e negro, as cores com que a série sempre procurou tingir diversos momentos.

Marvel's Daredevil
Marvel’s Daredevil

Finalmente, e perante este raciocínio, não é surpresa que o clímax da temporada em “A New Napkin” tenha em cena as três personagens. Com Vanessa a assistir a Kingpin a paralisar o futuro Bullseye, ao quadro branco respingado por sangue, e a um I beat you que ecoa como um dos mais arrepiantes e emotivos momentos do ano.

Quo vadis, Daredevil? A Disney não parece tentada a promover a continuidade da série no seu Disney+, mas seria um desperdício imperdoável não aproveitar o casting exímio de Charlie Cox como Matt Murdock (não tem o carisma de Downey Jr. ou Cumberbatch mas é porventura hoje o super-herói mais credível da Marvel), Vincent D’Onofrio como Wilson Fisk e, antecipando um pouco o futuro, Jon Bernthal como Frank Castle, o anti-herói perfeito.

Entre 2015 e 2018, “Daredevil” elevou a fasquia, construindo uma série negra e sangrenta, sabendo trabalhar a noção de fé, e criando obstáculos inesquecíveis e cravando no imaginário do público momentos e interpretações, coreografados ao ponto de nos fazer acreditar em tudo. Que seja um ponto e vírgula e não um ponto final. Está nas mãos da Disney abrir os olhos e recusar-se a ficar cega perante tanta qualidade demonstrada e potencial para mais.

TRAILER | “DAREDEVIL”

Já recuperaste do cancelamento de “Daredevil”? Qual a série cujo adeus em 2018 te marcou mais?

Daredevil - Temporada 3
Daredevil - Poster

Name: Daredevil

Description: Dado como morto, o descrente e perdido Matt Murdock reencontra a sua fé e o seu foco, numa jornada à distância enquanto Wilson Fisk troca o uniforme laranja da prisão pelo seu intocável e distinto fato branco, subjugando tudo e todos a impotentes peões do seu xadrez corrupto.

  • Miguel Pontares - 85
85

CONCLUSÃO

O MELHOR - "Daredevil" 3 é um inteligente regresso às raízes da primeira temporada, com todos os pontos fortes levados ao limite. Charlie Cox e Vincent D'Onofrio (uma lição de como construir um poderoso e eficaz antagonista) estão incríveis, "Blindsided" oferece-nos um épico plano-sequência de 11 minutos e poucas linhas de diálogo em 2018 conseguem ombrear com um "I beat you" que ecoa imortal junto a uma tela imaculada salpicada em sangue.

O PIOR - Excesso de episódios (13) para o sumo narrativo, gastando a temporada tempo a mais com o agente Nadeem. Ainda assim, nada é pior do que o injusto cancelamento de uma das séries mais cotadas da Netflix e a melhor do género de super-heróis na atualidade.

Sending
User Rating 0 (0 votes)
Comments Rating 0 (0 reviews)

Miguel Pontares

Licenciado em Comunicação Empresarial, estudou ainda Escrita de Argumento para Cinema e Televisão. É um dos autores do blog Barba Por Fazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sending