Fantasy Island ©AXN

Entrevista com Roselyn Sánchez | Fantasy Island e a quase visita a Portugal

Roselyn Sánchez (“Devious Maids”) é a protagonista de “Fantasy Island”, a nova série do AXN White que chegou ao canal no passado dia 10 de janeiro de 2022. Para assinalar a estreia desta narrativa fantástica, entrevistámos Sánchez e trazemos agora os destaques desta conversa. 

Lê Também:   Mapa das Séries | Estreias Nacionais de Janeiro 2022

“Qual é a tua maior fantasia”? É esta a questão colocada pela Ilha da Fantasia, um local mágico capaz de adivinhar os maiores desejos e sonhos daqueles que visitam este resort de luxo muito característico e que tem vindo a fazer correr muita tinta desde os anos 70 do século passado.

O conteúdo já deu origem previamente a uma série, à sua continuação e até a um filme de terror recentemente lançado. Esta versão mais leve, repleta de coração e energia do verão, é conduzida pelos encantos de Roselyn Sánchez, atriz e cantora oriunda de Porto Rico, onde grande parte desta primeira temporada foi lançada. Falámos com a guia espiritual da ilha acerca de alguns dos seus próprios desejos para o futuro  – na sua vida e na série. Antes de entrarmos na entrevista, recordamos o enredo desta nova versão de “Fantasy Island”.

De que temática trata a nova série do AXN White? 

Fantasy Island no AXN White

 

“Fantasy Island” transporta-nos até um resort de luxo tropical. Nesta ilha, baseada na ilha clássica apresentada ao mundo em 1978, Elena Roarke (Rosalyn Sánchez) é a guia oficial deste estabelecimento de luxo, continuando a ocupação perpetuada por vários membros da sua família.

Na lha, nenhuma fantasia é demasiado ou impossível. Qualquer sonho pode ser alcançado, mas sempre com alguma ironia e imprevisibilidade. Cada capítulo traz um conjunto de novas personagens, e com elas os seus sonhos, por realizar pela magia da ilha.

Entrevista a Roselyn Sánchez 

AXN White ilha da fantasia
Roselyn Sánchez  em “Fantasy Island” ©AXN White

MHD: Olá, o meu nome é Maggie, estou a representar a Magazine.HD, uma publicação online dedicada a cinema e televisão. “Fantasy Island” estreou ontem em Portugal [10/01/2022], como uma série AXN. Na série representa uma descendente direta de Mr.Roarke, numa interpretação mais feminina duma narrativa clássica de fantasia. Como é personificar esta mudança de paradigma e qual é o seu ícone no feminino? 

Roselyn Sánchez (RS): É ótimo, para dizer a verdade. Quando soube pela primeira vez que a Sony e a FOX estavam a planear uma nova versão de “Fantasy Island”, a gravar em Porto Rico, nunca pensei num milhão de anos que fossem tornar a personagem Roarke feminina. Quando recebi a oferta achei fenomenal, que tivessem a consciência e liberdade artística para tornar esta versão tão atual e tão precisa nos dias de hoje.

Foi uma honra e um privilégio poder continuar este legado, sou uma grande fã do Ricardo Montalbán [intérprete original do protagonista dos anos 70] e do seu papel icónico. Tão elegante, com tanta classe e simplesmente maravilhoso. Como ator, como pessoa, por isso poder continuar o seu trabalho, o melhor que consiga e simultaneamente tornar o papel meu e pessoal, tem sido uma responsabilidade. Não vou mentir, no início senti o peso , de esperar que as pessoas abraçassem a minha interpretação tal e qual como abraçaram a dele.

Por agora está a correr tudo bem e tem sido maravilho. Quanto ao meu ícone feminino, eu tenho tantos, mas acho que no mundo da representação adoro a Rita Moreno. Ela é mesmo incrível.

MHD: Pegando na ideia de que da última vez que a série foi feita, foi maioritariamente gravada em ambiente de estúdio e no território continental dos Estados unidos. Agora, foi nesta localização linda, na sua terra natal – Porto Rico. Quão orgulhosa se sentiu ao gravar neste local? 

RS: Senti-me para lá de orgulhosa, é como voltar a casa. Eu cresci em Porto Rico, toda a minha família vive lá. Eu comecei a trabalhar em televisão aos 18 anos em Porto Rico e parte da equipa que me acompanhou nessa altura regressou para gravar “Fantasy Island”. Eles viram toda a minha jornada, desde os meus 19, 20, 21 anos, até ao momento em que deixei Porto Rico com o sonho de ter sucesso na América.

Eles estiveram lá, conhecem o meu percurso e têm-me muito apreço. Voltar a reunir-me com eles, trabalhar novamente em conjunto agora que já não sou uma adolescente, nem na casa dos 20, sou uma mulher adulta, para eles ver-me a regressar como protagonista de uma série gravada em Porto Rico e emitida para  uma audiência americana, é gigante para eles e tem sido uma benção para mim. Diverti-me imenso e é uma das razões pelas quais esta série é tão especial para mim. É porque posso regressar a casa para a fazer.

Eu comecei a trabalhar em televisão aos 18 anos em Porto Rico e parte da equipa que me acompanhou nessa altura regressou para gravar “Fantasy Island”.

MHD: Esta série tem tudo a ver com sonhos, fantasias que criamos, é uma paisagem sonhadora. Se pudesse ir à Ilha da Fantasia e pedir o próximo grande papel, ou seja o que estivesse nas suas expetativas, o que pediria? 

RS: Eu cheguei a este país com 21 anos porque queria trabalhar em Teatro Musical. Eu canto, danço, represento, comecei como dançarina e fiz isso durante grande parte da vida. Fiz de tudo – cinema, televisão, música – inclusive lancei um álbum, e não fiz aquilo que motivou a minha vinda para a América: Broadway. O meu grande sonho é fazer Teatro Musical, por isso se pudesse pedir à ilha para viver a minha fantasia, seria representar Diana Morales em “A Chorus Line” na Broadway,

O meu grande sonho é fazer Teatro Musical na Broadway (…) mal posso esperar pela oportunidade de estar num palco e cantar, dançar e representar. Quero muito fazê-lo.

É engraçado, porque outra das minhas paixões recentes é a realização. No próximo passo da minha vida e se o programa continuar, e se tivermos mais temporadas para lá da segunda temporada, e espero que tenhamos  – adorava ter a oportunidade de realizar um episódio. Já disse aos showrunners que o meu episódio vai ser um musical, quero que seja tudo em grande escala, com grandes números musicais, com muita dança. Quero a Gloria Estefan como a convidada especial, ela é muito talentosa e seria maravilhoso tê-la a ela e ao Emilio [Estefan] e fazer algo musical na ilha. Acho que seria tão divertido e tão engraçado.

MHD: Continuando com a temática da Fantasia, e considerando que “Fantasy Island” é tão fundador para o género, que outros clássicos de fantasia são os seus favoritos e as suas referências? 

RS: Em termos de séries de televisão?

MHD: Em termos de qualquer tipo de media – cinema, televisão…

RS: Meu deus, não sei, deixa-me pensar. Boa questão, não tinha pensado sobre isso. Tudo o que eu fiz foi ver muitos capítulos de “Fantasy Island” no Youtube porque queria estar familiarizada com o mundo. Não sei se aquele filme “A Vida é Bela”, italiano, se é Fantasia, se tinha alguns elementos de fantasia, eu creio que sim.

MHD: Sim, tem alguns elementos de realismo mágico.

RS:  Sim, tal como no filme francês “Amelie”. Mas para ser honesta, em termos de referências para este papel, eu basicamente voltei à fonte – ver “Fantasy Island”.

MHD: Sim, é um grande legado na televisão. E foi criada uma nova versão no cinema, mais a pender para o terror, mas tendo em conta o piloto desta nova série, parece que esta versão tem uma certa leveza no trato. 

RS: Eu acho que sim. Eu acho que o original, eu não quero propriamente utilizar a palavra assustador, mas tinha mais episódios assustadores.

Nesta interpretação estamos a dar prioridade ao coração. Queremos que as pessoas pensem, que chorem, que riam. Na segunda temporada vamos explorar mais o lado cómico, por isso sem dúvida esta é uma versão mais leve, mais humana e mais empática da Ilha da Fantasia.

MHD: De momento, todos passamos um momento de transição nas nossas vidas. Tocando nesta temática do desejo, qual seria o seu grande desejo para este 2022? 

Roselyn Sánchez: Em primeiro lugar seria saúde absoluta para os meus filhos e para toda a minha família, acho que essa é a minha prioridade antes de mais. Como eu referi, tive a oportunidade de realizar pela primeira vez há dois anos atrás. Voltei a Porto Rico para realizar o meu primeiro filme e tive uma experiência tão surreal.

A partir do momento em que disse “ação” pela primeira vez [como realizadora], soube que esta seria a próxima grande fase da minha carreira. Por isso mal posso esperar por voltar a realizar em 2022.

Eu adoro representar, quero continuar a fazê-lo enquanto possa e enquanto me contratem, mas sem dúvida que quero realizar e essa vai ser a minha prioridade em 2022.

MHD: Como país pequenino, esta é uma questão que também vamos colocando. Já esteve no nosso país, em Portugal? 

RS: Não, e posso dizer uma coisa? Creio que foi o mês passado que tiveram a Comic Con. Exato, o grande evento. Eu fui convidada, isto é maravilhoso, mas a minha filha tinha um recital na escola, chama-se a “dança do papá e da filha” e eles estavam a ensaiar há muitos meses e era no mesmo fim de semana. E eu pensei: “Ela vai morrer se eu não for, vai ficar tão desapontada porque ensaiou tanto”. É muito importante para ela e para a escola dela.

Por isso, tive de recusar e dizer que não podia ir a Portugal [como convidada da Comic Con Portugal ’21]. Fiquei muito triste, mas não quis fazer isso à minha filha. E sabe o que aconteceu? Dois dias antes, por causa do COVID, foi cancelado o recital.

MHD: Oh não, só prova que nunca sabemos o que vai acontecer. 

RS: Absolutamente nunca sabemos! E eu fiquei ” Como assim, acabei de desistir de ir a Portugal”? E supostamente eu iria da Comic Con, em Portugal, para Israel, para ser jurada no Concurso da Miss Universo. Era uma viagem incrível, porque nunca fui a Israel e nunca fui a Portugal. E portanto era um sonho e não o fiz por causa do recital e cancelaram o raio do recital. Era tarde de mais, mas espero que me voltem a convidar para a Comic Con no próximo ano!

MHD: Sim, é um evento anual, esperemos que sim! Na realidade, nesta última Comic Con, também estivemos com outra atriz que costumava trabalhar com Marc Cherry. 

RS: A Lana Parilla?

MHD: Sim, foi ótimo recebê-la. E apesar de estarmos aqui a falar de “Fantasy Island”, não deixo de querer dizer o seu papel em “Devious Maids” é excelente. 

RS: Muito obrigada! Eu digo sempre às pessoas – “Carmen Luna para sempre!!”. Eu amo-a tanto!

MHD: Sim, ela é a melhor. E o nosso tempo acabou, e queríamos apenas agradecer e desejar um ótimo 2022 e muitas temporadas futuras de “Fantasy Island”. 

RS: Muito obrigada, adeus!

“Fantasy Island” é a nova série do AXN White, tendo o primeiro episódio estreado a 10 de janeiro pelas 21h25. Se não viram está na altura de rebobinar a box! 

TRAILER | FANTASY ISLAND, COM, ROSELYN SÁNCHEZ, CHEGOU AO AXN WHITE A 10 DE JANEIRO DE 2022



Também do teu Interesse:


About The Author


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *