Family Film Project | Entrevista à diretora do festival Né Barros

Né Barros, diretora do Family Film Project, falou com a MHD para discutir a importância dos filmes caseiros na construção de uma memória etnográfica. 

Não é fácil ter uma visão sobre os filmes caseiros em Portugal, como também não é fácil pensar em memória, arquivo e etnografia num festival de cinema por solo lusitano. Normalmente, a procura por esta forma tão minimalista e quase corriqueira de fazer cinema é menosprezada em detrimento de um cinema mainstream, que joga a favor do excesso das emoções sempre numa perspetiva de velocidade, frenetismo e até efemeridade. Tantas vezes esquecemos os filmes mais pequenos, que têm um papel importantíssimo para ajudar-nos a pensar sobre as nossas identidades, os nossos microespaços, onde convivemos e passámos maior parte dos nossos dias.

Foi nesse alinhamento que conversámos com Né Barros, a diretora do Festival Internacional de Cinema Family Film Project, de decorre no Porto de 12 a 16 de outubro, e que é também coreógrafa e diretora do Balleteatro. Para a equipa da MHD é-nos pertinente partilhar a experiência de visionamentos proporcionadas por este festival do norte, que ajuda sobretudo a ganhar uma ideia do que são os “filmes caseiros“, de obras que muito têm a dizer sobre o nosso quotidiano e que até bem pouco tempo não tinham direito a um festival ou estavam inerentemente reservadas aos espaços das filmotecas e universidades.

Family Film Project Poster (1)
©Family Film Project

Celebrar o “home-made film” ou “home-made movie” pode ser uma forma de entender como um filme vai além dos realizadores e seus atores célebres, não está reduzido a um certo fanatismo em torno das estrelas, e fala com uma pureza e magia das pessoas comuns nos lugares comuns da nossa existência.

Na entrevista da MHD com a Né Barros, que poderás ler a seguir, são apresentados os principais tópicos da 10ª edição do Family Film Project – onde se destacam a retrospetiva dos primeiros trabalhos do cineasta sueco Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes com o filme “O Quadrado” – e também aquilo que está por vir, os projetos futuros de um festival que sonha chegar a mais cidades, para apresentar este interminável debate entre o mais íntimo e recôndito e a esfera pública. No total, para este ano, o Family Film Project conta com 35 filmes em exibição, dos quais duas dezenas de filmes encontram-se na secção “Em Competição”. Vejamos o que nos diz a Né Barros e o que poderemos esperar ao longo desta semana.

MHD: Que filmes e atividades destacaria desta 10ª edição do Family Film Project?

Né Barros: Para além da secção de competição, que naturalmente é sempre um momento muito importante de descoberta de novas vozes, novos olhares e novas formas de construir o arquivo e a memória – e que eu recomendo sempre -, destacaria o foco no nosso realizador convidado que é o Ruben Östlund, um cineasta que tem vindo a ser reconhecido pelos seus trabalhos mais recentes, mas que ao nosso festival nos interessou para recuperar a primeira parte da sua obra. Um trabalho com menos visibilidade mas que atinge a temática do nosso festival. A masterclass com ele será um momento importante, para ouvir uma pessoa especial, sendo uma voz alternativa com processo de criação singular.

HBO Portugal Filmes
O Quadrado | © Plattform Produktion

Também poderia destacar a recuperação do filme-concerto, que é um formato que tínhamos inicialmente e que irá acontecer no dia 13 de outubro. O parceiro da sessão é o Home Movies, uma associação italiana que trabalha com filmes de arquivo, com quem trabalhamos desde o nosso surgimento. Aqui será recuperado o  filme “The Shape of Things to Come” filmado por jovens nova-iorquinos. Digo que é um momento muito especial.

Rui Reininho
©Family Film Project

Além das diferentes conversas, temos um destaque especial para a Catarina Vasconcelos que está a ter um sucesso enorme com o filme “A Metamorfose dos Pássaros”. Uma pessoa com uma cultura e o modo de pensar as imagens bastante interessante. Há outros encontros e masterclasses importantes, como a conferência com a Giulia Simi, que na sessão-conferência Il gesto delle donne agendada para o dia 14 de outubro irá refletir o trabalho da mulher, ao longo de diferentes tipos de profissões e momentos históricos. Afinal, há também que pensar na mulher pela perspetiva do trabalho e não apenas no lar.

Temos inclusive, pela primeira vez, uma extensão do MICE – MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA ETNOGRÁFICO da Galiza, com uma série de sessões dedicadas ao filme etnográfico. Temos os ateliers para as crianças e jovens dirigidos pela Tânia Dinis. São momentos importantes, onde as crianças e os jovens vão decifrar as imagens, e como é que se constrói a memória e o seu lado mais fragmentário.

Né Barros

No geral, o Family Film Project em 2021 tenta mostrar como a memória não é algo sólido, mas algo muito frágil e até ficcional. Queremos ajudar o público a perceber a memória do ponto de vista auto-biográfico e referente àquilo que nos pertence. Pensar as imagens do lado mais pessoal e a esfera pública que, por intermédio, aponta a um lado universal.

MHD: A Né refere-me muito a questão da memória, aliás é a base do festival. Como é que ensinamos jovens a pensar a memória num momento como o hoje onde a memória é um conceito sensível, e somos bombardeados com imagens, de forma a que deixamos de ter tempo de olhar para o passado e pensamos mais futuro. 

Né Barros: Justamente o nosso festival tem pertinência a esse nível. Num dos textos que escrevemos sobre a filosofia do festival referimos o facto das imagens serem muito vistos do lado efémero e da velocidade a que as coisas acontecem na nossa sociedade sempre viradas ao que vem a seguir.

Somos invadidos pela imagem, pelo multi-tasking e pelo scroll-down. Estamos a ver televisão, a conversar por videochamada ou a mexer nos nossos smartphones e deixamos de ter tempo para assimilar algo mais histórico.

Né Barros

Num dos filmes da Catarina Vasconcelos, ela refere que “antes as revoluções faziam-se por dentro e agora as revoluções fazem-se mais por fora”. É preciso continuar a fazer as revoluções por dentro, é preciso que as pessoas tenham noção do seu legado, mas que não fiquem reféns da memória – longe disso.

Os filmes desta edição do Family Film Project visam ajudar o público a perceber como se aborda a memória num espaço que nos é familiar, muito mais além de um modelo generalizado de família. Devemos pensar a memória no espaço dos afetos, revelador das pequenas narrativas igualmente pertencentes à História e que precisam de ser partilhadas.Há muito valor nessas narrativas que nos ajudam a refletir sobre o mundo.

MHD: É realmente importante essa questão, porque quando vamos ao cinema pensamos sempre no domínio do espectáculo, dos filmes maiores do que a vida, e afastamo-nos dos filmes mais pequenos. Existem até espectadores reticentes a esse domínio. Portanto, além deste festival, que outras ferramentas deveriam ser utilizadas para aproximar o público dos filmes sobre as memórias familiares?

Né Barros: De facto, os festivais continuam a ser a principal ferramenta para chegar a estes filmes. São importantes porque abrangem momentos em que não existem somente a pensar num ponto de vista comercial, não há uma pressão sensacionalista ou mesmo uma pressão voyeurística. Através das plataformas de streaming, existem fórmulas criadas por computador para o público encontrar memórias familiares, mas numa lógica muito mais superficial com objetivo de alcançar as audiências. O nosso festival procura algo diferente…

O público que procura conhecer os filmes que mostramos gosta de ir a estes espaços, a espólios e a filmotecas. Continuam a ser esses os locais que merecem ganhar um foco e devem ser utilizados para alcançar este nosso nicho.

Né Barros
Il Gesto delle Donne © FFP21

MHD: Como descreveria a relação entre o Family Film Project e o Home Movies – Archivo Nazionale del Film di Famiglia e quais são os objetivos delineados para o futuro em conjunto com esta associação?

Né Barros: A nossa colaboração tem sido espantosa. A nossa primeira edição trabalhou exclusivamente com filmes convidados desta associação e, desta forma, conseguimos trazer obras que nunca haviam passado em Portugal. Uma das retrospectivas foi a do Jonas Mekas, com as suas obras museológicas e depois tivemos sessões só com filmes caseiros, recuperados precisamente por esta associação italiana. A recolha deste tipo de material não é fácil, embora esteja à venda em feiras.  Há, portanto, um lado de arquivo que não pertence a ninguém e que a associação Home Movies recuperou.

Um dos casos foram os trabalhos do cineasta e arqueólogo das imagens Péter Forgács, cujos filmes de arquivo foram editados de maneira a chamar a atenção para um determinado acontecimento, para um determinado problema social, como a questão do Holocausto, ou outras temáticas políticas. Há neste seu trabalho um jogo entre o material de arquivo e a ficção, e apesar de serem subjetividades são coisas que merecem foco.

MHD: O Family Film Project é um festival do Porto, mas será que no futuro poderemos contar com uma expansão por outras cidades portuguesas, sobretudo aquelas com menor densidade populacional?

Né Barros: É uma boa questão, porque o Family Film Project desde início procurou fazer extensões um pouco por todo o país. Uma dessas extensões aconteceu nos Açores, mais precisamente no Faial. Tivemos ainda dois anos em Espanha, no âmbito do projeto VISIONA, com quem estabelecemos algumas parcerias.

Ainda não conseguimos ir a mais lados, mas queremos reforçar e apostar num plano nacional. Temos, aliás, uma Open Call de filmes caseiros, portanto pode ser uma maneira de chamar a atenção para as pessoas que queiram partilhar connosco os seus filmes, independentemente do local onde estejam. A riqueza do contraste de modus vivendi é algo que queremos comparar.

Né Barros
Ruben Ostlund © FFP21

MHD: O que mudou desde o início do festival até chegarmos à 10ª edição do Family Film Project?

Né Barros: A estrutura manteve-se e os eixos que nos interessavam também. Falo da secção em competição, da Open Call, do foco num artista convidado, das masterclasses e até do Family Film Project na sua vertente da investigação. O festival tem desenvolvido um conjunto de livros que se encontram na plataforma online Wook, que são livros ensaísticos para pensar a questão da imagem e memória e filosofia, sempre em estreita colaboração com o INSPSIC – Instituto Português de Psicologia no Porto. A parte que mudou mais na estrutura do festival foram os Ciclos de Performance Private Collection. O foco performativo começou a ter um maior peso no festival de tal forma que já editámos um livro onde são reunidas essas performances.

Por fim, sentimos que estamos a chegar a mais pessoas, que olham para o festival Family Film Project com curiosidade. Tem sido uma luta muito grande, porque inicialmente era um festival de uma dimensão específica, e apesar de queremos manter a sua dimensão, sentimo-nos gratos pela calorosa recepção do público. Ao conquistar este espaço ganhamos visibilidade e isso é extraordinário.

MHD: Obrigado.

O Family Film Project decorre até ao próximo dia 16 de outubro em vários espaços do Porto. Visita a página oficial do festival aqui

Virgílio Jesus

Era uma vez em...Portugal um amante de filmes de Hollywood (e sobre Hollywood). Jornalista e editor de conteúdos digitais em diferentes meios nacionais e internacionais, é um dos especialistas na temporada de prémios da MHD, adepto de todas as formas e loucuras fílmicas, e que está sempre pronto para dois (ou muitos mais!) dedos de conversa com várias personalidades do mundo do entretenimento.

Virgílio Jesus has 1418 posts and counting. See all posts by Virgílio Jesus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.