Jodie Comer e Ryan Reynolds em "Free Guy" |©NOS Audiovisuais

Free Guy: Herói Improvável, em análise

Ryan Reynolds regressa ao grande ecrã com a comédia irreverente “Free Guy: Herói Improvável”.

Despido da pele do anti-herói “Deadpool”, o ator canadiano dá corpo e alma a um sujeito intrinsecamente bom e caridoso – “Guy”. A divertida narrativa de acção conquistou os espectadores nacionais nesta sua semana de estreia. 

Lê Também:
Deadpool 2, referências e Easter Eggs

A semana de estreias de 19 a 25 de agosto viu-se dominada pela chegada de “Free Guy: Herói Improvável“. A comédia de acção encabeçada por Ryan Reynolds (“A Proposta”) e Jodie Comer (“Killing Eve”) arrasou nas bilheteiras nacionais,  conquistando mais de 30.000 espectadores em 90 ecrãs. Esta história situada no universo dos videojogos tem um grande trunfo na manga: é uma das poucas, senão a única grande estreia apenas de sala deste verão. Sem estreias simultâneas em plataformas como a Disney+ ou HBO Max nos Estados Unidos, “Free Guy” parece indicar que ainda vale a pena, e se vale, estrear filmes apenas em sala e não ao mesmo tempo em VOD. Boas notícias para o grande ecrã?

Mas que filme é este que está a agitar bilheteiras dentro e fora do território americano de origem? “Free Guy” narra o conto do feliz e afável Guy, um caixa de banco que um dia descobre que toda a sua realidade é falsa e que, na verdade, existe apenas como personagem não-jogável de um videojogo. Revoltado por descobrir ser um figurante num mundo de faz de conta, Guy decide tornar-se herói nos seus próprios moldes e joga o seu próprio jogo, passando etapas da mais improvável das formas.

O seu mundo deixou de ter limites, à medida que experimenta uma liberdade com a qual nenhuma das outras personagens do jogo sonha. Para além disso, Guy acabou de encontrar Millie (Jodie Comer), uma jogadora “real” que corresponde, sem tirar nem pôr, à mulher dos seus sonhos. Será uma coincidência?

Free Guy
O colorido elenco central de “Free Guy: Herói Improvável ” (2021)| © NOS Audiovisuais

À medida que Guy se habitua ainda à sua nova realidade, depressa surgirá um novo desafio no horizonte. O tirânico dono da empresa que criou o jogo, Antwan (Taika Waititi, “Jojo Rabbit”), ameaça a existência de Guy e do jogo onde este existe. Em causa está um código valioso e que pode transformar o destino dos seus criadores…

Com um conjunto de personagens excêntricas e na sua maioria afáveis a ancorar a narrativa, “Free Guy” vive de um encontro equilibrado entre comédia física, referências a cultura popular e emotividade pura e dura (a história de romance tem uma natureza algo tripartida mas, estranhamente, acaba por resultar). Como ideia não é particularmente original, sendo uma espécie de encontro entre “The Truman Show”, “Matrix” e “Ready, Player, One”, sem atingir, claro está, a relevância e natureza perspicaz de nenhuma destas obras.

Lê Também:
Killing Eve T3, primeiras impressões

Não obstante, um conteúdo não necessita obrigatoriamente de ser original para merecer a atenção do público. “Free Guy: Herói Improvável” depende muito de fórmulas feitas e de instantes de last minute rescue. Não obstante, enquanto a sua estrutura algo previsível se desenrola, mune-se de referências bem escritas e momentos de humor interessantes. As alusões aos mundos geek e dos gamers casam bem com a comédia, quer estejamos a observar o maneirismo dos NPC’s do jogo Sims, referências diretas ao filme “Avengers” , ao popular fenómeno Fortnite, entre tantos, tantos outros.

Obras de Spielberg, “Ficheiros Secretos”, “Guerra das Estrelas”, “Pacman”, são quase intermináveis as alusões presentes nesta longa-metragem que vem provar, uma vez mais, como o carismático Ryan Reynolds se aguenta devidamente como protagonista – seja ele um anti-herói ou um tipo genuinamente com bom fundo.

TRAILER | FREE GUY É UMA DAS ESTREIAS DE PESO DESTE VERÃO 

Free Guy, em análise
FREE GUY Poster

Movie title: Free Guy

Movie description: O caixa de um banco descobre que é na verdade figurante num videojogo, e decide tornar-se o herói da sua própria história... que ele mesmo rescreve.Agora, a viver num mundo onde não há limites, ele está determinado a ser o gajo que salva o seu mundo, à sua maneira... antes que seja tarde demais.

Date published: 28 de August de 2021

Country: EUA

Duration: 115 minutos

Director(s): Shawn Levy

Actor(s): Ryan Reynolds, Jodie Comer, Joe Keery, Taika Waititi,

Genre: Ficção, 2021,

  • Maggie Silva - 78
78

CONCLUSÃO:

“Free Guy: Herói Improvável” afirma-se como uma fonte de divertimento garantida. Com um protagonista que lida com uma questão tão existencial quanto a impossibilidade da sua própria existência, o filme poderia ser bem mais profundo e até distópico. A sua superficialidade é notória, mas é também ela que torna “Free Guy” uma leve e agradável comédia de verão.

 

O MELHOR: A química entre Ryan Reynolds e Jodie Comer.

O afável e eficaz Guy de Reynolds.

Jodie Comer e Joe Keery finalmente num grande blockbuster.

Efeitos visuais excêntricos e capazes de cumprir a sua função máxima – entreter.

O PIOR: A previsibilidade geral e simplicidade do enredo.

 

Sending
User Review
4 (2 votes)
Comments Rating 5 (1 review)

Maggie Silva

Comunicadora de profissão e por natureza. Dependente de cultura pop, cinema indie e vítima da incessante necessidade de descobrir novas paixões. Campeã suprema do binge watch, sempre disposta a partilhar dois dedos de conversa sobre o último fenómeno a atacar o pequeno ou grande ecrã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sending