© Amazon

I Know What You Did Last Summer, primeira temporada em análise

“I Know What You Did Last Summer” foi uma das grandes apostas da Amazon Prime Video para 2021, mas será que esta nova adaptação consegue recuperar o algo perdido conceito de slasher?

Sem spoilers!

À semelhança do que já aconteceu com tantos outros títulos do género, chegou agora a vez de revisitarmos “I Know What You Did Last Summer.” Contudo, aqui com a pequena (grande) diferença de ser no formato série, o que tanto poderia jogar a favor, como contra. Sara Goodman, que conta com “Preacher” e “Gossip Girl” (a original) no seu curriculum, assina a nova adaptação enquanto um original da Amazon Prime Video.

A premissa tem por base a mesma fonte que o filme de Jim Gillespie, o romance juvenil de Lois Duncan lançado em 1973. Nela, acompanhamos o verão de um grupo de adolescentes que esconde um segredo sombrio. Os problemas começam a emergir quando alguém entende que o que aconteceu no verão passado não deve ficar lá. Se no filme essa pessoa era a própria (suposta) vítima do acidente que começa a matar um por um todos os envolvidos, na versão de Goodman a trama não é assim tão simples. Com alguma pena, esta análise não irá fazer comparações com o livro de Duncan, apenas entre filme e série.

Lê Também:
Amazon Prime Video | Os destaques de dezembro

Partindo do início, este “I Know What You Did Last Summer” evoluiu para acompanhar os tempos modernos da geração Z. Ou seja, as novas tecnologias são o novo e preferido veículo de tormento. A festa de final de ano que outrora se comemorou num descampado perto da praia com direito a fogueira, cerveja e algumas drogas e sexo é agora substituída por uma comemoração numa moradia, onde tudo é extrapolado. É aqui que conhecemos a dupla protagonista, as gémeas Lennon e Allison, interpretadas pela atriz Madison Iseman, que a título de curiosadade nasceu no ano em que “Sei o que Fizeste no Verão Passado” estreou. Tal como na grande maioria dos casos, também estas irmãs não poderiam ser mais opostas: Lennon é a rebelde, muito aberta no que toca à sua sexualidade e com planos para o futuro; e Allison é a virgem, que vive praticamente num estado de dormência desde que a mãe morreu. A acompanhar as gémeas temos Margot, Dylan, Riley e Johnny, as testemunhas do acidente/ponto de partida da série.

I Know What You Did Last Summer
A noite que inicia esta nova adaptação, da esquerda para a direita: Johnny (Sebastian Amoruso), Margot (Brianne Tju), Lenon (Madison Iseman), Dylan (Ezekiel Goodman) e Riley (Ashley Moore)  | © Amazon

Quer pelas personagens, quer pelo próprio argumento, “I Know What You Did Last Summer” praticamente só partilha o título com o filme de culto. Também importa referir que a longa-metragem contou Duncan na equipa de escrita, o que agora não foi possível dado que a autora faleceu em 2016. No entanto, Goodman sempre foi clara que gostaria de transportar a história para os tempos modernos, o que também justifica as diferenças. Comecemos pelos pontos positivos: Iseman tem uma personagem (duas leia-se) muito mais interessante e desafiante do que a de Jennifer Love Hewitt, que desempenhou a protagonista Julie, em 1997. As gémeas vão muito para além do protótipo da protagonista virgem (ou no caso de Julie, da menina certinha), que dominava os slasher de 80/90, e a jovem atriz de 24 soube agarrar a personagem. No entanto, apesar de Lennon/Allison fugirem um bocado ao “modelo”, os restantes membros do gangue acabam por ser arrumados nas categorias mais comuns dos dias de hoje: a influencer, o amigo gay, o estranho e a drug dealer. Ainda que cada um tenha as suas camadas, continuam a ser facilmente identificáveis pelos clichés associados.

Lê Também:
Terror em Estado de Graça

Onde a adaptação de Goodman ganha verdadeiramente é no quebra-cabeças que vai montando. A criadora admitiu que o desfecho esteve no segredo dos deuses até ao final das gravações, nem o próprio elenco sabia quem era o assassino. Tanto que o jovem elenco admitiu em várias entrevistas que existiam apostas no set sobre quem poderia ser o vilão. A verdade é que este não tem uma foice, nem cara desfigurada, ou muito menos uma máscara – pelo menos não no sentido direto da palavra. O seu jogo procura ser mais psicológico do que o tradicional “gato e rato” que compõe a grande maioria dos slashers, sendo “Sei o que Fizeste no Verão Passado” um exemplo clássico. Este era igualmente um dos objetivos a que Goodman se propunha, supostamente aliado a uma boa dose de sangue… ponto que já se torna algo debatível.

I Know What You Did Last Summer
Lenon (Madison Iseman) e Dylan (Ezekiel Goodman) | © Amazon

Se compararmos a série com os filmes de culto dos anos 80, 90 e até mesmo do início de 2000, digamos que Carrie talvez ficasse um pouco desiludida. Sim, é certo que a versão de Gillespie também poupou um pouco neste efeito. Mas estávamos mais expectantes com a versão de Sara Goodman, dado que a mesma confessou em entrevistas não só ser fã do género, como também que “I Know What You Did Last Summer” não seria nada sem sangue e sem um pouco de gore. Portanto, a fasquia estava alta e… não cumpriu. Este é provavelmente um dos pontos mais dececionantes para os fãs do género. Atenção, as (muito) escassas e curtas cenas que envolvem sangue/gore são boas, o que nos leva a pensar no quanto a série teria ganho com mais umas quantas. Contudo, Hollywood parece ter ganho medo, tornando cenas como a morte do jovem Johnny Depp em “Pesadelo de Elm Street” praticamente um mito. Ainda assim, existem algumas espécies em vias de extinção como os mais recentes “Halloween“, ou até mesmo a agradável surpresa de Vince Vaughn em “Freaky – Este Corpo Fica-me a Matar.” A recente trilogia da Netflix baseada nas histórias de R.L. Stine, “Rua do Medo”, também andou bastante perto, especialmente com a segunda parte, “1978”.

Lê Também:
Os 30 remakes mais desnecessários

Portanto, podemos dizer que estamos perante um “tributo” com bastante potencial e do qual gostaríamos de ver mais. Sem entrar em grandes spoilers, a série terminou com um cliffhanger interessante, prevendo uma continuação. No entanto, até agora, a Amazon ainda não se pronunciou sobre o caso, o que não surpreende, uma vez que a confirmação ou o “machado” tendem a vir cerca de um mês depois do último episódio. Se ainda não viste “I Know What You Did Last Summer”, os oito episódios que compõe a primeira temporada já se encontram disponíveis na Prime Video.

I Know What You Did Last Summer, primeira temporada em análise
I Know What You Did Last Summer

Name: I Know What You Did Last Summer

Description: Escrita e produzida por Sara Goodman, "I Know What You Did Last Summer" é uma série baseada no romance de Lois Duncan de 1973, que inspirou também o icónico filme de 1997. Um ano depois do acidente fatal de carro que assombrou a sua graduação, um grupo de adolescentes acaba por ficar unido por um segredo obscuro e perseguido por um assassino brutal. Enquanto tentam perceber quem está atrás deles, descobrem o lado negro de sua cidade aparentemente perfeita — e de si mesmos. Todos escondem algo, e descobrir o segredo errado pode ser fatal.

  • Inês Serra - 75
75

CONCLUSÃO:

“I Know What You Did Last Summer” é um tributo com bastante potencial e do qual gostaríamos de ver mais. No entanto, ainda não retoma o gore dos slasher de outrora, o que poderá dececionar alguns fãs.

Pros

  • A atmosfera de suspense é mantida ao longo de toda a série
  • O desempenho de Madison Iseman
  • O twist e cliffhanger finais

Cons

  • Falta de alguns elementos que fariam de “I Know What You Did Last Summer” um verdeiro tributo aos filmes de culto dos anos 90
  • A identidade do assassino pode não resultar para todos
Sending
User Review
0 (0 votes)
Comments Rating 0 (0 reviews)

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Inês Serra has 882 posts and counting. See all posts by Inês Serra

Leave a Reply

Sending